Sábado, 6 de Outubro de 2007
Lamentável
A capa do último número da Atlântico é tão excessiva e lamentável que não me quis pronunciar até ler o artigo que lhe dá origem. Com uma chamada de capa a dizer “Hell Che”, ainda estava à espera de encontrar alguma revelação bombástica sobre o argentino. Mas não. Ao longo das 4 páginas do artigo, Rui Ramos desfila os argumentos já usados, por exemplo, no “Livro negro do comunismo”. A implosão do modelo económico imposto por Guevara em Cuba, os fuzilamentos, a indiferença perante as verdadeiras preocupações das pessoas, a frieza e a “ética clerical”. Está longe de fazer do homem um anjo, que nunca foi, mas será que é só isto que Rui Ramos e o corpo editorial da Atlântico têm para dizer de Hitler?

O regime nazi não foi uma ditadura como as outras, da mesma forma que Hitler não foi um ditador como os outros. Não deveria ser preciso, em 2007, lembrar a “solução final para a questão judaica” e o Holocausto. O extermínio de tudo o que fosse considerado degenerante para a raça ariana, como os povos "inferiores", a homossexualidade ou a divergência ideológica, torna o nazismo um regime inominável. A este nível, talvez só Pol Pot. O que choca na capa não é a desmontagem da iconografia mítica de Che Guevara, perante a qual não poderia ficar mais indiferente, mas a bonomia com que se desvaloriza e relativiza a figura de Hitler.

É tão ridículo chamar fascista a tudo o que mexe, de Santana Lopes a cada medida do governo socialista, como desvalorizar o lastro simbólico e real do nazismo. O efeito é o mesmo, o branqueamento do verdadeiro fascismo ou nazismo. A sua normalização. Não deixa de ser sintomático, aliás, que esta capa tenha sido elaborada precisamente pelos que mais se indignaram com as alegadas comparações entre os métodos de Bush e Hitler feitas por Freitas do Amaral. Como se vê, a sua indignação era puramente instrumental. O que os preocupava era defender Bush, porque Hitler até é um termo de comparação aceitável quando lhes convém. Acredito que se tenham divertido imenso com a capa. Só que as imagens transmitem uma mensagem. Não são neutras. Esta não é inocente. É um vómito, para ser mais preciso.

publicado por Pedro Sales às 00:21
link do post | comentar | ver comentários (12) |

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds