Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Zero de Conduta

Zero de Conduta

10
Dez07

Importa-se de repetir?

Pedro Sales
O vice-presidente da Câmara de Gaia e presidente da distrital do PSD/Porto, Marco António Costa, responsabilizou hoje o governo pelo assassínio de mais um segurança da noite, considerando que se está a "reeditar a Chicago dos anos 30". Curioso. É que a Chigaco dos anos 30 só foi possível com a eleição de um mayor fantoche de Al Capone e com o seu apoio e envolvimento nos esquemas de corrupção. Desculpem lá, mas o que é que Marco António Costa está a querer dizer?
04
Dez07

Anedota com laranja

Pedro Sales
O PSD, que usou e abusou de uma maioria absoluta na Assembleia Municipal que não representa a vontade do eleitorado para criar uma crise artificial na capital, apresentou uma solução de compromisso para aceitar o empréstimo para saldar as dívidas que o próprio PSD deixou. 400 milhões de euros e não se fala mais nisso. Uma redução de 100 milhões. No final, o acordo proposto pelo PSD foi aprovado com a abstenção dos deputados...do PSD. Começa a não haver palavras para descrever as trapalhadas deste partido.
01
Dez07

O vazio como imagem de marca

Pedro Sales
Pelo que tem vindo na imprensa, e pelas declarações dos dirigentes do PSD, torna-se claro que foi Luís Filipe Menezes quem forçou os vereadores do seu partido a darem o dito por não dito, forçando-os a votar contra um empréstimo que tinham aceite dois meses antes quando aprovaram o plano de saneamento financeiro da capital. Ao Diário de Notícias, uma fonte do PSD garantiu que "O dr. António Costa tem que fazer gestão e poupar, como todos os outros autarcas”. Todos, menos Menezes, que preside à segunda autarquia mais endividada do país. Como já se viu, a crise em Lisboa é totalmente artificial e não passa de uma desesperada tentativa do PSD para provar que está vivo. Que diz que não cede e que vai obrigar António Costa a negociar. Palavras fortes para quem se arrisca a não ter cartas para continuar o jogo. Quem está na Assembleia é Teixeira da Cruz que, tudo o indica, pretende viabilizar o empréstimo. Toda a restante oposição vai votar com António Costa. O PSD está preso por seis votos. Dos 56 deputados laranja, 33 são presidentes de junta de freguesia. Que precisam que se pague aos fornecedores para terem acesso aos seus serviços. Não parece haver grande solução para Negrão e Menezes. Ou o partido cede, percebendo-se que não tem poder negocial, ou não desiste e perde, mostrando que se tornou irrelevante. Em dois meses de liderança de Luís Filipe Menezes, o homem que ia provar o que era fazer oposição arrisca tornar-se numa anedota. No Orçamento ninguém viu o PSD, reduzido ao lamentável show Santana. Era contra os pactos, e não faz outra coisa todos os dias. Está em todos os noticiários, mas ainda não se lhe conhece uma proposta ou ideia. Hoje, DN e Expresso dão conta das críticas de Menezes à forma como o governo tem vindo a adiar uma decisão sobre a televisão digital terrestre. A sua solução. Não se sabe. Só em Janeiro. Começa a ser a sua imagem de marca.
27
Nov07

Diz que é uma espécie de cartão amarelo

Pedro Sales
Naquela que foi a sua primeira acção de campanha como líder do PSD, Luis Filipe Menezes participou na campanha intercalar para uma junta de freguesia de Santa Maria da Feira garantindo que "votar em Alexandre Pinto é também votar no PSD em 2009, é mostrar um pequeno cartão amarelo ao Governo". Empolgado, afirmou mesmo que, a partir de São Jorge das Caldas, esta seria a primeira de “a primeira de muitas vitórias” do PSD. As eleições tiveram lugar no passado domingo. O PSD perdeu a junta de freguesia, que detinha, para uma lista de independentes. Menezes é capaz de ter razão. São Jorge das Caldas arrisca-se mesmo a ser o primeiro passo para 2009.
20
Nov07

Afinal, ele é que é o Perouuuzidente da Juncta

Pedro Sales
De acordo com o Expresso, Luís Filipe Menezes arranjou uns especialistas internacionais em marketing político que, a partir de Espanha, lhe enviam três ideias e dez frases, dia sim dia não. Tanto estratega, especialista e assessor para guiar o mais pequeno passo do partido e, no entanto, ninguém parece ser capaz de avisar Menezes das coisas mais simples. É patético, para não dizer confrangedor, ver o líder do maior partido da oposição a fazer campanha nas eleições intercalares de uma pequena junta de freguesia de Santa Maria da Feira, como se estivesse a disputar o lugar ao primeiro-ministro. Falando para meia dúzia de pessoas, mais interessadas nas castanhas que distribuía, Menezes garantiu que esta será “a primeira de muitas vitórias” e que votar no candidato do PSD à junta é “mostrar um pequeno cartão amarelo a José Sócrates”. Se estavam a pensar criar a percepção de uma suposta dinâmica de vitória e de transição politica esqueçam. Dá só a ideia do fosso que separa o primeiro-ministro de Menezes. Enquanto um governa o país, o outro contenta-se em ganhar uma junta de freguesia. O ridículo pode mesmo matar.
14
Nov07

Showoff Menezes

Pedro Sales
Durante mais de dois anos, nos vários espaços de opinião de que dispunha, Luís Filipe Menezes nunca se preocupou em contestar as opções politicas de José Sócrates. A sua oposição era a Marques Mendes. Uma a uma, todas as posições do então líder do PSD foram sendo contestadas por Menezes. Foi assim com a Ota, TGV ou o encerramento de maternidades. O livrinho com as colunas de opinião assinadas por Menezes é o melhor aliado do Governo, como Santos Silva já demonstrou no debate do Orçamento. É por isso mesmo que Menezes se tem entretido, desde que está à frente do maior partido da oposição, em propor pactos de regime para tudo o que mexe e pronunciar-se ao lado das questões de fundo nos dossiers mais polémicos - como é o caso do novo aeroporto.

Menezes precisa de uma nova agenda. Na que tem ramificações nas decisões políticas dos últimos dois anos está demasiado colado às posições do PS. É a essa luz que a eternidade que demorou a perceber a importância política da concessão das Estradas de Portugal, e as possibilidades que esta abre para a desorçamentação das contas ou à cobrança de portagens na rede rodoviária, são um mau sinal sobre a sua capacidade de fazer oposição ao governo. Era a oportunidade que tinha para se opor ao partido socialista numa das raras matéria em que não existe nenhum artigo a comprometer as suas posições. Já nem se fala das propostas, que ainda não se conhece nenhuma do PSD ao Orçamento de Estado. Como disse Marcelo Rebelo de Sousa na sua coluna do SOL, um a um, o Grupo Parlamentar do PSD deixou escapar todos os temas importantes do Orçamento para os três partidos mais pequenos. Para lá do showoff Santana, o saldo não foi brilhante. Mas, cá fora, o treinador de bancada que dirige os destinos do partido laranja também não esteve melhor.
06
Nov07

A arte da fuga

Pedro Sales
O PSD é um partido cada vez mais estranho. O líder é Luis Filipe Menezes. Na prática, quem dá a cara é Santana Lopes. Como o "debate do ano" com Sócrates foi um desastre, daqui a uns minutos vai ser Patinha Antão a fazer a intervenção de fundo do partido. Isto ainda acaba no presidente da concelhia de Moimenta da Beira.
26
Out07

Na Rússia, como na JSD, não há liberdade nem verdade

Pedro Sales
17
Out07

Não havia necessidade

Pedro Sales
Poucas propostas são mais significativas sobre o continuado disparate que vai ser a liderança de Luís Filipe Menezes do que as suas propostas para a elaboração de uma nova constituição e a extinção do Tribunal Constitucional. Posto isto, não se compreende que o Tribunal Constitucional tenha decidido responder à intervenção de Menezes. Por muita razão que o presidente do TC tenha nos reparos que faz ao líder do PSD, deveria perceber que, dado o cargo que ocupa, era a última pessoa que podia responder às propostas de um partido político. Ao entrar desta forma no debate partidário, a única coisa que conseguiu foi dar uma “borla” a Menezes e permitir que o mesmo continue a proclamar o carácter politico e partidário do actual Tribunal Constitucional. Desta vez com alguma razão.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

ZERO DE CONDUTA

Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D