Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Zero de Conduta

Zero de Conduta

18
Nov07

Atenção, ele é que é o Perouuuzidente da Juncta

Pedro Sales
O Abrupto “incomoda muita gente”, diz Pacheco Pereira, alertando-nos para os “truques do ofício” utilizados “para arranjar listagens com critérios "subjectivos" que forneçam rankings diferentes”, “na maioria dos casos com o evidente objectivo de evitar que o Abrupto apareça sempre nos primeiros lugares”. É uma vergonha e uma falta de respeito a todos os títulos censurável. Vamos lá a ver se nos entendemos de uma vez por todas. Se o Al Gore inventou a internet, o Pacheco Pereira inventou a blogosfera em Portugal.

O lugar de Pacheco Pereira é sempre o primeiro. Assim é há quatro anos, lembra-nos. Depois de ter sido perseguido por impiedosos hackers, agora é a blogofera que o não entende. Os outros blogues não linkam para o abrupto, garante Pacheco. Mas, mesmo assim, a prova provada de que o Abrupto é o primeiro, e que é vítima de uma conspiração para o retirar do lugar que é seu e só seu, é que o nome de Pacheco Pereira aparece mais vezes nos motores de busca do que o próprio blogue. Escrevendo o prolixo autor na Sábado, Público e tendo um programa na Sic Notícias é, de facto, muito estranho que assim seja. Como todos sabemos, a janela para o mundo com poemas matinais que dá pelo nome de Abrupto, é um blogue perseguido. Marginal, quase. Não aparece constantemente nos jornais, televisões e rádios. Não, nada disso. Pacheco é um proscrito. Ele, pelo menos, parece acreditar nisso. É melhor dar-lhe razão. Não se vá ele embora com a bola e acabe a brincadeira mais cedo.
30
Set07

Afirma Pereira que é um delito de opinião

Pedro Sales
Um dos skinheads que vandalizou o cemitério judeu, num inqualificável acto anti-semita, consta no processo no qual são acusados mais de 30 skinheads nacionais, por crimes como a posse ilegal de armas, agressões, ameaças, insultos, sequestros, distribuição de propaganda nazi e discriminação racial. O mesmo processo pelo qual Mário Machado se encontra em prisão preventiva e que, segundo Pacheco Pereira, “aponta para razões puramente políticas, o que é inadmissível numa democracia”. De resto, acrescenta, Mário Machado apenas "é acusado de incitar ao ódio racial, algo que em países genuinamente liberais não é crime nem sequer delito de opinião".

Pacheco Pereira vive obcecado em provar a correlação entre a violência da extrema-direita e da extrema-esquerda, até porque, segundo o próprio, esta última é desvalorizada socialmente pelos meios de comunicação. Para que a tese funcione tem que desvalorizar os crimes dos skinheads, como faz com Mário Machado, e reagir em catadupa sobre a alegada complacência perante a destruição dos “verdeeufémios”. Não foi por acaso que passou metade do mês de Agosto a escrever post sobre post sobre a destruição de um hectare de milho em Silves. Para quem tinha dúvidas sobre a motivação de Pacheco Pereira, bastaria esta citação: o que está esclarecido mostra nonchalance face à violência da extrema-esquerda, correlativa da excitação com a extrema-direita (tenho a certeza que Sócrates já teria aparecido a "acalmar" o povo se o incidente viesse da outra extrema). Como se vê, não só Sócrates não falou, como a imprensa não dedicou um décimo do destaque que concedeu ao campo de milho de Silves. E Pacheco continua calado.
05
Set07

Com a verdade me enganas

Pedro Sales
O Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa considerou "não se verificarem, por ora, os pressupostos que fundamentam a abertura de inquérito criminal" ao financiamento ilícito da Somague ao PSD. Uma situação que se poderá alterar se "forem conhecidos, por qualquer via", novos elementos. Isto é, se a imprensa descobrir qualquer coisa, o DIAP preocupa-se com o assunto. Assim, como está, adormece no segredo dos deuses e espera-se que não chamusque ninguém graúdo.

Curioso é que, o mesmo Marques Mendes andou dias a dizer que não sabia sobre o assunto, respondeu em poucos minutos dizendo que é uma “boa notícia” que prova que não houve qualquer intenção nem qualquer comportamento de natureza criminosa no financiamento do seu partido. Bom jogo de palavras para tentar desvalorizar o sucedido e esconder o óbvio. É que o comportamento só não teve uma “natureza criminosa” porque ocorreu em 2002 - coisa que Marques Mendes sabe muito bem -, porque se tivesse lugar nos dias que correm era isso mesmo:“um comportamento de natureza criminosa”. Mudam-se as leis, mudam-se os “comportamentos”.
22
Jul07

Dilemas Socráticos: Mugabe

Vasco Carvalho
Conselho politicamente correcto:
"Welcoming their tormentor to Lisbon for the sake of a jamboree would be a corresponding disgrace", The Economist, July 5th.

Conselho do cardeal conselheiro:
"Seja como for, a Europa não pode "perder" a África...," Causa Nossa, 29 Junho

Conselho de seus homólogos:
"I’ll stay away from the summit if Mugabe goes," Times July 15th


Conselho Zero de Conduta:
Zé não leves isto tão a sério. Relaxa. Olha, podias levantar-te na cimeira e cantar assim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

ZERO DE CONDUTA

Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D