De Paulo Mouta a 27 de Agosto de 2008 às 00:46
Não me recordo de ter lido nada sobre esse suposto efeito dissuasor e parece-me que a exagerada divulgação deste tipo de imagens pode mesmo ter um efeito impulsionador para o cometimento deste tipo de crimes.

Não confundir isso com o facto de que a polícia agiu bem e cumpriu na sua plenitude o trabalho e muitos foram aqueles que apoiaram a intervenção e o seu desfecho. Se continuamos a insistir que todos os criminosos são pobres vítimas das injustiças do mundo corremos o risco de vulgarizar o comportamento criminoso e desvalorizar as vítimas de actos por vezes brutais.



De Pedro Sales a 27 de Agosto de 2008 às 02:39
Paulo Mouta,

Deixei dois links , podiam ter sido mais. Uma coisa é a polícia agir correctamente, como tudo indica que tenha sido o caso em Campolide, outra, bem diferente, foi o embandeirar em arco com o "sucesso" da operação. O sentimento dominante, durante pelo menos uma semana, foi o "Agora que a polícia já dispara é que os criminosos vão ver como elas piam fino e vamos ter segurança a sério". Lamentavelmente, as coisas não são assim tão simples, como não demorou muito a tornar-se notório.


De Paulo Mouta a 27 de Agosto de 2008 às 22:33
Certo. Essa relação causa-efeito de que estas imagens iriam ditar o desaparecimento dos assaltos provou-se até ser exactamente o contrário. Mas diabolizar o papel das polícias quando estão a cumprir o seu dever pode muito bem ser um perigo para a democracia e liberdade dos cidadão. É que, devo recordar que a liberdade não é apenas podermos dizer todas as alarvidades que nos vêm à cabeça, e todos nós dizemos alguma spor vezes. Liberdade é sobretudo termos a noção qb de segurança sem o exagero de um sistema securitário. É que corremos o risco de terminar sem alternativas a isso mesmo.

A acção da polícia foi a correcta. A acção dos media, como é habitual foi e continua a ser a incorrecta. E o sistema judicial não ajuda.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres