Comentários:
De Joana Lopes a 18 de Agosto de 2008 às 19:05
Pior: é um trabalho que desqualifica quem lá chega qualificado.
Milhares que andam de Call Center em Call Center , da banca para as telecomunicações e depois para empresas de marketing, sem qualquer especialização, apenas com a esperança, mais do que legítima, de ganharem mais uns tostões .


De Casual Friday a 18 de Agosto de 2008 às 19:45
Quem lá trabalha chama-lhes coelheiras.... lá não é preciso ter cérebro, bastam as maozinhas e os ouvidinhos.
Degradante.
José Sócrates deveria trabalhar lá um mês a 2, €/hora para perceber melhor do que fala.


De Manuel Leão a 19 de Agosto de 2008 às 16:12
Não, porque ele é feito de outra massa. Ele não é um mortal qualquer!


De Paulo Mouta a 18 de Agosto de 2008 às 20:48
É esta a contribuição do governo e da nossa magnífica PT enquanto monopólio privado de telecomunicações. Num país onde nada se produz é só ver vendedores, promotores e assistentes de call center... enfim, trabalhos de merda para um país de merda.


De sandra a 19 de Agosto de 2008 às 13:49
aquilo que me faz alguma confusão - para lá do óbvio de toda esta fantochada show-off do primeiro, e o gozar descarado com oferta de terrenos a uma das empresas que mais tem chulado os portugueses - é a de se achar um mau emprego para licenciados.
os licenciados procuram-no porque não encontram outro. é a alternativa ao desemprego. não há emprego! e ainda há menos para quem não tem licenciatura. e nos dias de hoje, estudar começa a deixar de ser opção quando se tem que optar entre pagar propinas e livros ou pagar renda da casa.
a questão é: se não for um emprego para licenciados ainda se acha tão mal-pago?
a mentalidade de que um diploma tem que dar acesso a condições sempre "acima", num país onde (felizmente) o acesso ao ensino superior não tem nada a ver com o acesso de há 30 anos atrás e a mentalidade de "canudo igual a quadro-médio superior" é dessa época, em que quem tinha acesso era logo senhor.
se não há emprego, agarre-se o que há. se o que há dá acesso a pessoas com menos escolaridade, as condições têm que ser iguais para os dois.
as condições físicas de trabalho, num call-center, são péssimas, são horríveis. a remuneração nem por isso - e isto olhando para a média dos ordenados praticados em diferentes empresas do sector privado e mesmo no público.


De Manuel Leão a 19 de Agosto de 2008 às 20:40
O que a fotografia sugere é uma penitenciária informática. Naturalmente, não deve estar muito longe da realidade.


De Helder a 21 de Agosto de 2008 às 06:21
"Choque" é a palavra , o "tecnológico" vem já a seguir , mais década menos década .


De ZMS a 21 de Agosto de 2008 às 12:57
Trabalhei no call center actual da PT, trabalhava para a Netcabo e posso garantir que os salarios são bem superiores aos 2.5€ aqui descritos, para que se tenha uma ideia, em part-time a trabalhar apenas 6h dia eu conseguia à volta de 600€, e a recibos verdes! Os meus colegas que não se despediram e passaram a contrato ganham à volta de 1000€!

E antes que fiquem com duvidas, eu despedi-me porque voltei para a faculdade, e porque inicialmente ja tinha programado só trabalhar 9 meses.

Não é o melhor trabalho do mundo, é dificil e algumas vezes ingrato, mas daí a ser mal pago e a sermos escravos... Dá vontade de rir, se calhar pesquisar um pouco antes de fazer estes artigos, não?


De Pedro Sales a 21 de Agosto de 2008 às 14:11
Calvin,

Conheço umas boas dez pessoas que trabalham em call-centers, onde é que foi buscar a ideia de que não sei do que estou a falar. Pronto, voçê gosta de trabalhar num cubículo, com uma pressão constante do outro lado da linha, com tempos de atendimento e a recibos verdes. Mas não nos venha dizer que é trabalho qualificado e que o seu sentimento é maioritário entre os trabalhadores. Vá ver os comentários a esta notícia no Diário Económico e verá alguns relatos bem diferentes dos seus.

Quanto aos 2,5 euros-hora, era a média que as empresas pagavam em 2006. Em todo o caso, os seus 600 euros a recibos verdes, depois dos descontos para a Segurança Social e impostos não deve andar muito longe desse valor horário.


Agora n


De ZMS a 22 de Agosto de 2008 às 00:18
Vamos então por pontos:
-Não tinhamos tempo de atendimento.
-Não trabalhavamos em cubiculos como se vê na imagem.
-Nunca disse que era trabalho qualificado.
-O meu sentimento não é maioritáio nem minoritário, tanto havia gente a criticar como gente que gostava do trabalho. Relembro que fazia atendimento a clientes com problemas de acesso a internet. Do que falei com todos os meus colegas, o que mais gostavam era ter-se horario 6+3 e possibilidade de fazer trocas de dias de trabalho uns com os outros.
-Eu trabalhava em part time! Continuo a achar que pagam bem.
-E por ultimo, generalizar o call center da PT com a media nacional não é correcto. Não digo que hajam call centers maus, mas os da PT não são os horrores aqui contados. É a minha opinião, e vale o que vale.






De Pedro Sales a 22 de Agosto de 2008 às 19:00
Calvin,

Há aqui um equívoco. O post não é sobre a PT. É sobre o primeiro-ministro considerar um call center trabalho qualificado.


Comentar post