Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zero de Conduta

Zero de Conduta

19
Fev08

Bosta humana

Pedro Sales

"Sempre achei as praxes divertidas e pedi para ser praxada. Eles fizeram-me a vontade e diverti-me muito". Foi assim que uma funcionária da  Escola Superior Agrária de Santarém defendeu ontem, em tribunal, os sete alunos que estão a ser julgados por causa de uma praxe violenta realizada vai para seis anos. Tão divertido, diz a senhora, que até pediu para lhe fazerem o mesmo e esfregarem "estrume na cara"...

Ao contrário do que se costuma afirmar, o problema da praxe não são apenas os seus excessos violentos. É a arbitrariedade que a rege. A praxe não tem regras, e as que tem são fixadas e julgadas pelos praxistas. A arbitrariedade e a sujeição a um conjunto de regras que são imprevisíveis e que dependem da boa vontade dos veteranos é a verdadeira violência deste “ritual integrador”. A violência é só o resultado mais visível desta cultura de impunidade e poder. Um dos ex-alunos em julgamento, afirmou que é costume esfregar os alunos em bosta de vaca porque, desta forma, “os caloiros são confrontados com o seu futuro porque, no fim do curso, é nesse ambiente que vão trabalhar". A praxe como escola para as agruras da vida. Ora aí está uma ideia aterradora que levanta uma pergunta. De que vida é que a praxe serve de modelo?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

ZERO DE CONDUTA

Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D