Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zero de Conduta

Zero de Conduta

22
Jun07

E a etimologia de disparate?

Pedro Sales
O João Távora não concorda com o casamento de pessoas do mesmo sexo. E não concorda porque considera que se trata de uma imposição jacobina que vai contra a ordem natural das coisas. Não faz parte da tradição de família e não faz parte da tradição linguística. "A palavra "casamento" que eu saiba refere-se a "casal". Casal, pela etimologia da palavra significa a união de um homem e uma mulher", diz.

O João Távora, reconheço, tem uma grande vantagem sobre mim que é saber "muito bem o que é uma família". Eu não sei, e não sei porque a família não é um conceito ahistórico e imutável no tempo. Basta pensarmos nas alterações provocadas na vida das famílias pela brutal diminuição da natalidade ou que só muito recentemente é que o afecto passou a determinar o casamento.

Não sei o que é a família tradicional, nem acredito na existência de um modelo de família. Só sei que a minha não tem nada a ver com aquelas que o Sol -numa rubrica sugestivamente intitulada "famílias numerosas" - nos tenta convencer, todas as semanas, da alegria imensa que é viver com uma chusma de filhos numa vivenda de 10 assoalhadas com vista para o rio Tejo, Douro ou Mondego.

Etimologicamente casal remete para um homem e uma mulher, nisso o João Távora tem razão. Mas, e daí? Que razão acrescida é que isso confere a quem se opõe ao casamento de duas pessoas do mesmo sexo? A etimologia estuda apenas a origem das palavras, não a lei eterna sobre o seu significado.

A língua existe para ser alterada e apropriada pelo uso que lhe damos. Os exemplos dessa alteração no português são quase tantos como os "jacobinos" que para aí andam a abastardar a língua e a família. A etimologia de "amante" refere "aquele que ama". Acreditará o João que é essa a utilização recorrente que lhe damos nos nossos dias? E "vilão", alguém o usa contemporaneamente para falar dos habitantes das vilas? E criado, há quanto tempo é que deixou de ser aquele que, não sendo o filho original de uma determinada mulher, por ela era criado como se fosse?

Podíamos estar horas nisto, mas acho que já deu para perceber que a etimologia das palavras pode ser um assunto muito interessante, mas é um conceito muito pouco operativo para tomar decisões sobre o regime jurídico do casamento ou qualquer assunto dos nossos dias.

É que, sendo consequente, e levando a sua linha argumentativa até ao fim, ainda encontraremos o João Távora a defender necessidade do casamento envolver um dote ou o carácter acessório do afecto. Sempre se colocava um ponto final às "confusões e demais relativismos" que os jacobinos teimam em promover.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

ZERO DE CONDUTA

Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D