Comentários:
De AMN a 4 de Setembro de 2007 às 14:36
Pedro,

Independentemente de achar que a parte citada do editorial parece não ter em conta a realidade subsequente à retirada, que é outra conversa, penso que se há algo que aqueles que frequentemente são apelidados de pró-israelitas costumam realçar é, precisamente, o facto de em Israel se poder dizer e escrever livremente, inclusivamente ou sobretudo, contra as suas políticas de defesa.

Um abraço,
a.


De L. Rodrigues a 4 de Setembro de 2007 às 13:57
As vozes de bom senso nunca deixaram de existir em Israel. O que é triste é elas terem tão pouca projecção cá fora e, em grande parte mercê disso, tão pouca força lá dentro. (Não que sejam poucos, mas são certamente menos vocais do que os extremistas, como de resto é norma).


De SV a 4 de Setembro de 2007 às 11:57
Parabéns pelo post.

Que a imprensa israelita comece a exigir a paz (o que pressupõe, naturalmente, uma actuação consequente do governo israelita) é um bom augúrio.

Tenho para mim que, se a paz e a segurança não os motiva, o marketing dos votos é capaz de ajudar.


Comentar post