Comentários:
De Mentiroso a 18 de Agosto de 2007 às 05:38
Já há muito tempo que sabíamos isso e foi esquecido. Daqui a uns tempos voltará também a esquecer-se o que agora ainda está fresco. A propaganda politiqueira e corrupta, ajudada pela jornaleirada que encobre, encarrega-se de cobrir os carneiros com uma capa de amnésia. Novidade?


De Pedro Sales a 17 de Agosto de 2007 às 19:17
Real,

Nem 8, nem 80. Não sei como é que tiras essa leitura do que escrevi. O Governo não tem as mesmas posições do Compromisso Portugal ou, até, do que a maioria dos comentadores da imprensa. Até aí concordo, a partir daqui é leitura tua.


De Saurium a 17 de Agosto de 2007 às 18:14
Visitem o blog WWW.VILA-DE-SOURE.BLOGSPOT.COM deixem o vosso feedback...

Obrigado!


De Anónimo a 17 de Agosto de 2007 às 17:03
Real bajulador... Reformar significa oferecer um futuro melhor. O que se passa é cortar. Se estamos em contenção, porque razão o Estado paga o parque que está no interior do Min. Finanças, com jipes Porche, carrinhas Audi consideradas veículos de trabalho?


De Anónimo a 17 de Agosto de 2007 às 15:35
Ainda bem que reconheces que a política reformista do governo é para salvar o estado social e não para o desmantelar como quer a direita. Ainda bem que clarificas, pois ultimamente a bebedeira doutrinária tem feito furor lá para as tuas bandas. Nada como pensar pela própria cabeça. Um aplauso.

Real


De Pedro Sales a 17 de Agosto de 2007 às 13:46
Real,

O post não tem nada a ver com o governo, mas sim com os liberais do Beato, de que tu falas, que ocupam o espaço comunicacional todo e parecem falar de um país qualquer que eu não conheço e que as estatísticas teimam em não identificar com Portugal.


De tron a 17 de Agosto de 2007 às 13:37
em compensção o suposta aluno liceal Sócrates ganha mais que Putin e nem metade das dores de cabeça que Putin tem, tem o aluno liceal.
Fica desde já o convite para passar no meu recanto da blogsfera.


De Anónimo a 17 de Agosto de 2007 às 11:06
Um dos grandes problemas que se põe à governação da esquerda reformista é o de ter que fazer avaliações do alcance dessas reformas no curto prazo. Ora é sabido que por serem reformistas e, sobretudo, se forem de esquerda, os resultados só podem ser vistos a médio e longo prazo. Só para dar um exemplo. A mobilidade na f pública pressupõe que o funcionário colocado nessa situação possa receber até ao fim da vida e em acumulação com outro emprego, 60% do seu salário actual. É óbvio que os resultados desta medida, no conjunto da despesa do estado, só terão efeitos a médio e longo prazo. Todavia se a solução fosse aquela preconizada pela direita através dos sábios do Beato, despedir 200 mil funcionários públicos, esses resultados seriam imediatos. O interessante é que as críticas do Pedro Sales esperar-se-ia que viessem, justamente, da direita, mas não vêm. Das duas uma, ou o Pedro quer e deseja o PS a governar com as políticas da direita, ou apenas faz demagogia para mera cosmética de interesse partidário. Ambas são lamentáveis.

Real


Comentar post