Comentários:
De Sorriso Risonho a 17 de Outubro de 2007 às 14:40
Parabéns Pedro Sales. O que escreveu merece o meu aplauso porque ninguém tem a coragem de escrever a verdade do que se passa no Público. Era leitor desde o primeiro número, mas quando JMF e o seu patrão despediram, de uma assentada, 50 jornalistas, nunca mais olhei para o jornal.


De Berta a 17 de Outubro de 2007 às 10:56
Penso que os apoios estatais para ajudar quem mesmo trabalhando não consegue sobreviver são formas que a longo prazo perpetuam o actual estado de coisas, ou até o pioram. As empresas permitem-se pagar ordenados escandalosamente baixos porque existe a possibilidade de as pessoas recorrerem a apoios estatais.
Não seria mais lógico subir o ordenado mínimo para 600 ou 700 euros? Se os empresários se conseguem adaptar à subida dos preços dos combustíveis, das matérias primas, etc, podem perfeitamente adaptar-se também à subidas dos custos "humanos" de produção.
Quanto à gratuitidade dos serviços público, penso que esta deve continuar universal e não limitada às classes mais desfavorecidas, como parece ser a tendência dominante no discurso político. Nunca esperei ver "direitos sociais" transformarem-se em "caridade pública".


De Paulo Mouta a 17 de Outubro de 2007 às 00:26
...contudo, não deixam de ser ideias que se encaixam muito bem no perfil de governação do actual governo pelo que deverão ser aproveitadas pelo PS para esvaziar ainda mais de forma e conteúdo o actual PSD. Com o PS na sua forma natural de partido liberal uma constituição nova com essas ideias seria uma benção. Benção essa que é fácil de adivinhar numa próxima revisão constitucional.


Comentar post