Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Zero de Conduta

Zero de Conduta

04
Ago07

quando a arte choca com a segurança nacional

Filipe Calvão
via NYT

Duke Riley executou esta 6a mais uma proeza anti-establishment, preparando-se para assaltar o Queen Mary 2, atracado em NY, com uma réplica do "submarino tartaruga" que se pensa ter sido usado para minar um navio inglês durante a guerra de independência. Estavam lá todos a assistir: os polícias, que prenderam Riley, e os seus galeristas e agentes -- deliciados com a publicidade gratuita (btw, o submarino estará em mostra a partir desta semana em Chelsea, NY).

No Dead Horse Inn, Duke Riley e camaradas ocupam uma ilha em vias de desaparecer ao sul de Brooklyn para uma noite de libação e caranguejos a 5 cêntimos. Fazem-no uma vez por ano, reclamando o vazio legal em que aquela porção de terra caira até 1935, quando a barracada acabou. Mas o que me pergunto é se na paranóia colectiva do terror será ainda possível desafiar pela arte (e de que forma) "as residuais fronteiras, esquecidas e por reclamar, nos limites e confins de espaços urbanos, e a sua insuspeita autonomia" (do site de Duke Riley)? Ao jeito da "Insurrecção Internacional" do novo proletariado de Lumpen artistas?

A julgar pelo relatório da polícia, estaremos seguros: "A makeshift submarine discovered at about 10:30 this morning by an N.Y.P.D. Intelligence detective on board the Queen Mary 2 in New York Harbor is the creative craft of three adventuresome individuals. It does not pose any terrorist threat."

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

ZERO DE CONDUTA

Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D