Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Zero de Conduta

Zero de Conduta

06
Jun08

Que fiz eu para merecer isto?

Pedro Sales


Ontem, no Parlamento, José Sócrates voltou a insistir na tónica reiterada nas últimas semanas. O governo, pelo que fez, não merecia estar a sofrer os reflexos da crise financeira internacional, aumento dos combustíveis e dos bens alimentares. Durante três anos o Governo conduziu uma politica pró-cíclica, assente na forte diminuição do investimento público, acreditando que mais tarde ou mais cedo a economia entraria nos eixos. Agora, que a recessão está à porta e torna irrelevantes os investimentos guardados para o ano eleitoral, José Sócrates sente-se injustiçado porque descobriu que o mercado é amoral. “É a vida”, como diria outro primeiro-ministro socialista.

06
Jun08

Duzentos mil

Pedro Sales

Fotografia esquerda.net

José Sócrates não ficou impressionado com a manifestação que juntou 200 mil portugueses contra as alterações ao código laboral. Ignorar olimpicamente um sinal como este já não é uma demonstração de resolução e confiança no rumo do governo, é puro autismo politico e a demonstração que, por detrás das palavras de circunstância, ainda ninguém no Governo percebeu bem o “aviso” de Soares. Os velhos hábitos são difíceis de perder e o fato do político forte e decidido é o único que Sócrates conhece e no qual se sente à vontade. Infelizmente, como já toda a gente percebeu, as demonstrações de força e resolução sobram sempre para os do costume. Uma atitude que contrasta com a forma vacilante como trata a Igreja (capelanias militares), ou as grandes superfícies comerciais -  taxa dos sacos de plástico que morreu ainda antes de o ser. Poucas coisas fazem mais para encher estas gigantescas manifestações que esta bipolaridade política. Como Sócrates há de perceber em 2009.

05
Jun08

A indolente agressividade

Pedro Sales

Violência e abandono escolar podem estar relacionados com "charros" mais fortes. A notícia correu ontem grande parte da imprensa. Mas, quando se tenta lê o artigo e perceber a origem científica que suporta tal afirmação percebe-se que tudo não passou de uma declaração de Manuel Pinto Coelho, o inenarrável dono de uma rede de clínicas de reabilitação que compara os toxicodependentes aos talibans e é responsável pelas demagógicas campanhas contra as políticas de redução de danos. Para se avaliar o rigor científico deste  senhor, talvez valha a pena reparar na profundidade das suas conclusões: mais THC provoca mais "agressividade e um síndrome amotivacional, que passa pela apatia, indolência, o que leva à desmotivação, maior dificuldade em reter os conhecimentos e a uma repercussão no rendimento escolar". Só mesmo Manuel Pinto Coelho, o “guru” da política de combate à droga do PP, para se lembrar da “agresssividade apática”... Esperamos ansiosamente pelo dia em que alguém descobrirá a "ignorância erudita " e a "honesta má-fé". Com um pouco de sorte, será outra vez Manuel Pinto Coelho.

05
Jun08

Ao nível da sarjeta

Pedro Sales

José Lello declarou hoje ao DN que Manuel Alegre foi às Jornadas Parlamentares do PS para "parasitar o grupo parlamentar que lhe pagou as viagens, pois aproveitou para ir aos Açores para lançar um livro que foi patrocinado pelo Governo Regional". Nem era preciso vir o Governo Regional dos Açores garantir que pagou as viagens a Alegre, para perceber que Lello não consegue passar do pouco recomendável nível que o celebrizou. O que neste caso até é estranho, tratando-se, como é o caso, de um especialista em parasitar contas alheias.

04
Jun08

O Provedor do Bloco de Esquerda

Pedro Sales

As declarações de Vitalino Canas, revelando o incómodo do PS com a participação de Manuel Alegre numa iniciativa com dirigentes do Bloco - esse partido que trava um “combate político muito intenso” com o PS -, parecem revelar mais um notório caso de conflito de interesses. Como é que é possível conciliar o cargo de porta-voz do partido socialista com o de provedor do Bloco de Esquerda? Uhm...Tratando-se de Vitalino, sempre se poderá dizer que deve acumular as tarefas em regime de part-time e trabalho de temporário. Força camarada Vitalino. É nestes momentos que se (re)conhecem os amigos.  

03
Jun08

O Paulinho dos tribunais

Pedro Sales

Paulo Portas vai hoje ser entrevistado por Constança Cunha e Sá na TVI. Se é verdade que a “moção de censura construtiva” não me diz nada, a não ser a perplexidade causada pela ideia de censurar um governo porque este não aplica o programa de um partido com 7% dos votos, ainda considero que a entrevista pode ser muito pertinente. Basta que Constança Cunha e Sá não se esqueça de perguntar a Paulo Portas o que é feito do processo que o líder do PP anunciou, vai para um ano, ir instaurar ao Estado por alegada violação do segredo de justiça. Como foi este o único resultado visível da famosa reflexão do PP depois da derrocada eleitoral em Lisboa, e nunca mais se ouviu falar do assunto, não quero acreditar que tudo não tenha passado de uma manobra de diversão de Paulo Portas...

03
Jun08

Tudo como dantes no quartel d´Abrantes

Pedro Sales

Concorrência: não há concertação de preços nem abuso da posição dominante nos combustíveis. Não sei se existe, ou não, concertação de preços, mas só um anjinho é que acalentou alguma esperança sobre a eficácia deste estudo. A Autoridade da Concorrência elabora, trimestralmente, um relatório público sobre o mercado de combustíveis. São 32 estudos sobre a formação de preços que nunca detectaram a concertação entre os concorrentes para condicionar o mercado. Para provar juridicamente que existe concertação de preços não basta constatar a semelhança de preços entre os concorrentes. É preciso provar que existiram contactos entre as empresas para combinar o preço, o tipo de actividade que não costuma ser feita por e-mail ou através de carta registada. Basta seguir a imprensa e copiar os preços praticados pelo vizinho do lado para se obter o tal “paralelismo de preços” de que fala o presidente da Autoridade da Concorrência. O relatório encomendado pelo governo faz parte da galeria de actos inúteis da governação. Só teve um propósito. Permitir ao Governo ganhar algum tempo para aliviar a pressão popular e tentar sacudir a água do capote.
 

02
Jun08

A frugalidade do fiambre e a venda de créditos fiscais do Estado

Pedro Sales

"É interessante ainda registar que a escolha de Manuela Ferreira Leite é a escolha de alguém que, como sabem os seus vizinhos", se pede 150 gramas de fiambre não acede ao "podem ser 200"? Comportamentos assim deixaram de ser comuns entre os mais novos, mas persistem em quem tem a idade que ela tem - e regressaram nas famílias que voltaram a apertar o cinto." José Manuel Fernandes, editorial do Público de 1 de Junho de 2008.

 

É enternecedor ver a forma como José Manuel Fernandes se comove com a frugalidade de Ferreira Leite. Só que ninguém ganha eleições pelo rigor empregue nas suas compras na mercearia, mas já as pode perder pelo resultado das suas acções governativas. E é pena que a frugalidade de Ferreira Leite se tenha ficado pelo fiambre, como nos lembra o Tribunal de Contas:

Com a operação de cedência das dívidas ao fisco e à Segurança Social, o Estado conseguiu no final de 2003 arrecadar de uma só vez 1,7 mil milhões de euros, que foi o valor pago pelo Citigroup pelo conjunto dos créditos que totalizavam 11,44 mil milhões de euros. Posteriormente, foram emitidas obrigações referentes às dívidas adquiridas por investidores internacionais, que recebem ainda uma remuneração. Assim, o Estado vai pagando aos investidores à medida que for cobrando as dívidas.


E aqui tem residido o problema. Grande parte das dívidas cedidas revelaram-se inexistentes, pelo que o Estado está a ser obrigado a substituí-las por créditos mais recentes o que tem prejudicado a arrecadação de receitas fiscais e deverá continuar a fazê-lo nos próximos anos.

02
Jun08

A informação que faltava

Pedro Sales

O jornal da Noite da SIC anunciou ontem um importante exclusivo: as imagens, captadas por um telefone satélite, do interior do avião que levou a selecção à Suíça. Ver os jogadores a recostarem-se nos cadeirões da classe executiva era a informação que faltava aos portugueses para se aperceberem da grandiosidade dos feitos que esperam a equipa das quinas. Já conhecíamos todos os cantos dos quartos de hotel, os gostos pessoais de cada um e o local onde Petit compra as meias. Mas nunca os tínhamos visto no avião. Por um momento, deixou-se de lado o principal assunto do estágio. Os clubes, actuais e futuros, das vedetas lusas. Com tanta convívio com os jornalistas que mais parecem agentes dos jogadores, e com os verdadeiros agentes, talvez exista algum espaço mental para os jogadores ouvirem o que é que Scolari tem para dizer. De preferência antes de chegar o primeiro jogo.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

ZERO DE CONDUTA

Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D