Terça-feira, 12 de Agosto de 2008
Tarefa urgente: criar um código deontológico do assaltante

A Helena Matos pergunta se “ninguém é responsabilizado por levar uma criança para um assalto”. Não satisfeita em colocar as forças policiais de um Estado de direito no mesmo plano que delinquentes que roubam meia dúzia de patacos, Helena Matos parte do princípio de que é legitimo utilizar uma arma de fogo para parar um assalto que não coloca ninguém em risco. Mais a mais quando omite, deliberadamente, que existe um lugar para se responsabilizar os pais da criança. Chama-se tribunal. É lá que se deve fazer justiça, não é com a desproporcionada utilização das balas dos agentes da GNR. Os mesmos que, como é costume, já mudaram duas vezes a versão dos factos.


Mas fica o desafio para um debate interessante. Delimitar e estabelecer os critérios éticos que devem ser seguidos pelos assaltantes. Pode ser que eles ouçam.



publicado por Pedro Sales às 19:02
link do post | comentar | ver comentários (19) |

Sexta-feira, 4 de Abril de 2008
O apocalipse numa escola perto de si
Nas últimas três semanas, uma overdose comunicacional transformou um caso de indisciplina numa escola do Porto num problema de generalizada violência escolar e, desde as declarações de ontem do PGR, num caso de delinquência e marginalidade infantil. Por este andar, para a semana estaremos a ouvir que o centro da criminalidade organizada em Portugal tem lugar nas escolas primárias do país. Em vez de serenar e procurar soluções para um problema que existe – a indisciplina –, esta histeria não contribui um mílimetro para a resolução do caso.

A deriva securitária, que quer transformar as escolas num campo permanentemente vigiado e policiado, não só não faz nada para devolver a autoridade docente, como, pelo contrário, a dissolve ainda mais. Que confiança é que os alunos, pais e a sociedade poderão ter na capacidade de uma escola que precisa da polícia para resolver os problemas de insolência e desobediência nas salas de aula?

Curiosamente, para além do já comum espectáculo comunicacional montado por quem está mais interessado em preencher intermináveis blocos noticiosos num país pobre em novidades,  grande parte deste fogo é ateado por quem menos se esperaria: o Procurador Geral da República. Seria de supor, mais não seja pelo cargo que ocupa, que o PGR não se comportasse como um incendiário num pradaria, ateando um fogo que depois está longe de poder controlar. Como é comum no país, esta loucura em espiral durará até que alguma comunicação social encontre outro tema que “venda”. Até lá, nada será feito para perceber a única questão que verdadeiramente interessava. Saber se as escolas têm, ou não, os melhores mecanismos para resolverem os problemas de indisciplina.

De resto, esta corrida ao adjectivo mais sonoro para depreciar o sistema escolar, e o comportamento de toda uma geração, produzirá os seus resultados. É impossível que tantas dezenas de horas de exposição à premonição do apocalipse em cada escola não deixe as suas marcas na formação pessoal dos receptores. No início da semana, o Público tinha uma reportagem no regresso às aulas no Carolina Michaellis e na secundária Eça de Queiroz, em Lisboa. Nesta escola, o presidente da associação de estudantes, com 16 anos, dizia como é que resolvia o problema do telemóvel no Porto. “Se fosse minha filha partia-lhe os braços”. Mais um exemplo da irresponsabilidade da juventude? Mais devagar. Ou será que não repararam no espectáculo pouco digno que lhe estão a servir diariamente?

publicado por Pedro Sales às 17:33
link do post | comentar | ver comentários (3) |

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds