Quinta-feira, 4 de Setembro de 2008
Os fins não justificam os meios

Vital Moreira considera “despropositadas e contraditórias as críticas às recentes operações policiais”, argumentando que “quem critica a falta de vigilância policial não pode depois criticar as demonstrações de acção policial...”. Dando de barato que, por aquilo que tenho visto e lido, as críticas ao aparato policial que tem varrido os bairros sociais não estão a ser feitas por quem reclama maior policiamento e “vende” a ideia de que estamos em Joanesburgo, não deixa de ser curioso ver Vital Moreira render-se à tese de que os fins justificam os meios.

Há sempre uma ameaça que merece que, em nome da eficácia das forças policiais ou do controlo do Estado, abdiquemos dos nossos direitos. Se é normal que a PSP se concentre, o melhor que pode e sabe, no combate à criminalidade, menos certo é considerar que a importância dessa tarefa a exime do escrutínio público dos seus actos e da leitura que a população deles faz. Porque é disso mesmo que se trata. O cerco dos bairros sociais tem muito pouco a ver com a “prevenção criminal” de que fala a PSP, e mais com a necessidade de combater o “sentimento de insegurança” que assalta os portugueses (como o próprio Vital Moreira reconhece). 

Não é aceitável suspender a presunção de inocência de todos os moradores de um bairro pelo simples facto de que, vivendo num bairro social, encaixam na percepção pública sobre a origem da criminalidade e marginalidade. Mas foi isso que aconteceu. Para sossegar a consciência de quem está a ver o noticiário da noite, milhares de pessoas têm sido impedidas de entrar ou sair do seu bairro, são revistadas, interrogadas, casas são reviradas do avesso e temos helicópteros a rasar os tectos ia a madrugada bem alta. Bairros inteiros foram conotados, perante o país, como sendo os responsáveis pelo crime violento que tem assaltados as televisões nos últimos dias. A PSP diz que escolhe os locais das suas acções com “base cientifica”. Estranha ciência que começa e acaba nos bairros sociais, onde as pessoas não têm acesso privilegiado à comunicação social, a advogados ou aos meios de defesa que abundam em qualquer condomínio ou bairro da classe média.

Mas, no que é que tem dado esta ímpar mobilização dos recursos do Estado e a convocação científica da polícia? De acordo com os números fornecidos pela própria PSP, a mobilização de mais de 1100 agentes, durante vários dias na zona de Lisboa e Porto,  conduziu à apreensão de 8 armas e fogo e 3 armas brancas... Ou seja, tem apanhado pilha galinhas. Isso e imigrantes ilegais, como se pode ouvir em cada peça televisiva. A pintura está feita. A PSP está onde é preciso, a tratar do pessoal dos bairros, e a metê-los na ordem. Pouco importa que a tal “prevenção criminal” seja uma piada e as mega-operações um fiasco. A realidade passa na TV, tudo o resto é paisagem ou ruído.

Grande parte dos homicídios em Portugal são rurais e têm origem em pequenas desavenças sobre a propriedade da terra. Por que razão não vai a GNR cercar as aldeias onde a posse de uma arma é a regra e não a excepção? Ou, o que é que a que tem impedido de vir ao meu bairro ou ao de Vital Moreira? A razão é simples. Não é essa a percepção pública que existe sobre a criminalidade. Se não é essa a ideia que a população faz do crime não é essa a preocupação da PSP. É preciso sossegar as almas.

Diz Vital Moreira que  não tem sentido criticar a PSP “com base nos seus escassos resultados”. Desculpe? Desde quando é que a utilização dos recursos e meios do Estado não devem ser escrutinados e criticados pela sua falta de produtividade? Mais a mais quando, em nome da propaganda do músculo policial, se faz tábua rasa do direito das pessoas e dos bairros à sua imagem e não se hesita em estigmatizar bairros inteiros. As imagens que passam na televisão não são neutras. Têm uma carga simbólica que não deve ser menosprezada, a começar por Vital Moreira.


Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 16:43
link do post | comentar |

Comentários:
De Pedro Sales a 5 de Setembro de 2008 às 05:13
Paulo,

Mais me ajuda. 147 operações para apreender 46 armas ilegais, muitas das quais nem armas de fogo são. Quanto às detenções, pelo que tenho visto, a esmagadora maioria são pessoas sem carta de condução ou que estão a conduzir sob o efeito do álcool .

Resta ainda a questão dos direitos dos moradores dos bairros. A polícia, em muitas dessas acções, levou as televisões atrás. E quem se viu envolvido num filme em que nada fez para participar? Não têm direito à imagem porque vivem num bairro social? Estas operações não têm nada a ver com a prevenção da criminalidade, como se vê pela sua miserável produtividade. São uma encenação para português ver. à custa dos desgraçados do costume.


De salamandra a 6 de Setembro de 2008 às 00:14
PEDRO SALES - Este homem é um santo . . .
È obvio que tou a brincar . . . porque o que eu acho, é que ele é um grande IGNORANTE ! Ou isso, ou então alguem muito ingénuo. Provavelmente é alguem que AINDA não foi vitima de roubo, furto, agressões, ameaças . . . etc, etc, etc. Mas atenção, não é necessário ser-se vitima de qualquer um destes crimes, para se ter noção da realidade do país.
ACORDA !!! (és capaz de ainda ires a tempo)

PS: Mais uma vez sou da opinião que os Policias estão cada vez mais sozinhos nisto tudo. É que têm que levar com os politicos e as suas fantásticas leis que fazem, ao mesmo tempo que têm que aturar ingénuos (talves Ignorantes), como este Sr. Pedro Sales.


De Paulo Mouta a 6 de Setembro de 2008 às 01:26
Pedro,

46 armas ilegais correspondem a um pequeno universo das armas ilegais existentes. Então estamos de acordo se eu disser que a polícia deve mesmo é reforçar as suas formas de intervenção para apanhar todas as outras que por aí circulam?

Ainda que fosse uma só arma ilegal em potência poderia terminar com muitas vidas humanas. É que as armas por si não fazem mal a ninguém. Quem o faz são as pessoas que as têm.

Das 680 detenções serão a maioria condutores sem carta. É possível mas olhe que os automóveis podem ser eles próprios armas ou ferramentas para o crime. E poucas coisas existem que estupidifiquem tanto um ser humano como encontrar-se atrás de um volante.

Eu compreendo a essência da mensagem transmitida à exaustão pelo Pedro Sales e por muitas outras pessoas. Mas o mundo e a natureza humana não se coadunam com uma atitude constante de vitimização do mal e com uma demonização da intervenção policial. Afinal as polícias existem para proteger os cidadãos e para intervirem da forma que entenderem ser a mais adequada. Estes resultados, como é sabido pecam por defeito uma vez que os números reais das armas ilegais e do seu uso são muito superiores.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds