Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008
Se não os podes vencer, tenta comovê-los

É espantoso como as melhores ideias conseguem passar despercebidas e ausentes do debate público durante tanto tempo. Andam para aí os juízes, magistrados, governo e oposição a discutirem as leis penais e a melhor forma de combater a criminalidade e, afinal, era só perguntar ao presidente da associação de revendedores de combustível como é que se coloca um ponto na onda de assaltos: contando com o bom senso e compaixão dos assaltantes.  Augusto Cymbrom apelou ainda aos assaltantes para que se recordem que «além de prejudicarem a empresa detentora do posto estão a pôr em causa postos de trabalho».

 

A esta hora já centenas de ladrões devem estar a colocar a mão na consciência e, finalmente conscientes da enormidade do seu acto, vão amanhã a correr seguir o conselho do presidente da ANAREC: "deixem de assaltar e vão trabalhar que é melhor." O problema é que, na tentativa de garantir os postos de trabalho, esta recomendação arrisca-se a aumentar em flecha a taxa de desemprego. O crime dá emprego a muito boa gente, como, num raro momento de ironia, lembrou o mais insuspeito dos autores:

“Um filósofo produz ideias, um poeta poemas, um padre sermões, um professor tratados, etc. Um criminoso produz crimes. Se olharmos mais de perto para a relação deste último ramo da produção com a sociedade como um todo, libertar-nos-emos de muitos preconceitos. O criminoso não produz apenas crimes, mas também o direito penal e, por conseguinte, o professor que dá cursos de direito penal e o inevitável tratado, graças ao qual o dito professor lança as suas conferências no mercado geral como uma “mercadoria”. Verifica-se assim um aumento da riqueza nacional, abstracção feita do prazer que – como nos assevera uma testemunha competente, o professor Rocher – o manuscrito do tratado proporciona ao seu autor. Por outro lado, o criminoso produz toda a polícia e a justiça criminal, os esbirros, juízes, carrascos, jurados, etc, e todas estas diferentes ocupações, que constituem outras tantas categorias da divisão social do trabalho, desenvolvem as diferentes capacidades do espírito humano e criam novas necessidades e novas maneiras de as fazer. Foi assim que a tortura deu lugar às mais fecundas invenções mecânicas e ocupou muitos e honestos artesãos na produção dos seus instrumentos. O criminoso produz um efeito ora moral ora trágico, consoante os casos, “servindo” assim os sentimentos morais e estéticos do público. Não se limita a produzir tratado de direito penal e códigos penais, com os seus respectivos legisladores; produz também arte, literatura e até tragédias, como o provam o Schuld de Mullner, Die Rauber de Schiller e mesmo o Édipo [de Sófocles] e o Richard the Third [de Shakespeare]. O criminoso quebra a monotonia e a segurança quotidiana e banais da vida burguesa. Impede a estagnação e suscita aquela tensão e aquela mobilidade inquietas sem as quais o próprio aguilhão da concorrência se embotaria. Estimula assim as forças produtivas. Enquanto o crime elimina uma parte excedentária do mercado de trabalho, diminuindo assim a concorrência entre os operários e, até certo ponto, impedindo que os salários caiam abaixo do mínimo, a luta conta o crime absorve outra parte dessa mesma população. O criminoso desempenha assim o papel de uma dessas “compensações” naturais que conduzem a um adequado nivelamento e abrem vastas perspectivas e profissões “úteis”.  [Karl Marx, “Matériaux pour l´économie”, in Économie II, La Plêiade, Paris, pp. 399-400].


publicado por Pedro Sales às 23:49
link do post | comentar |

Comentários:
De jjleiria a 4 de Setembro de 2008 às 00:37
Mesmo assim, 70 bombas de gasolina assaltadas em seis meses (segundo a SIC), dá uma média impressionantíssima de um assalto a cada 2,6 dias...

Sendo a pergunta de bolso para casa, logo a seguir, «sente-se seguro quando entra num posto de combustível?», calculo que podíamos dividir esse número por não sei quantos milhares, aplicando ainda a correcção horária, e chegar a uma conclusão lógica.

Já o Marx: a julgar pelas verbas divulgadas na peça (500 euros, 600, 1500!), a dividir geralmente por dois homens, não se pode dizer que seja grande profissão — a não ser que a imprensa só divulgue os números baixinhos, para não dar ideias... É que não sei se paga sequer o investimento nas armas.


De Fernando Penim Redondo a 4 de Setembro de 2008 às 09:01
O post é excelente e por isso glosei em:

http://dotecome.blogspot.com/2008/09/marx-realmente-incontornvel.html


De Anónimo a 4 de Setembro de 2008 às 10:28
Parece aquele sketch do RAP: "José António, deixa a droga e come antes uma peça de fruta, que te faz melhor, rapaz"

Pedro


De Teresa Coutinho a 4 de Setembro de 2008 às 12:53
Genial, achei a frase absolutamente genial. Andamos todos tão preocupados com a situação de insegurança, quando afinal basta sermos compreensivos e tolerantes.


De Alice N. a 4 de Setembro de 2008 às 22:13
Também foi muito comovente ouvi-lo referir-se aos assaltantes como "os senhores ladrões". Genial e tremendamente ternurento!


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds