Terça-feira, 2 de Setembro de 2008
Ciência pouco exacta

“Estas zonas são escolhidas com critérios científicos da criminalidade”. Foi assim que a PSP justificou o cerco a vários bairros sociais, nas tão mediáticas “acções de prevenção da criminalidade”. Vejamos, então, os resultados de tanta ciência policial.


Na zona de Lisboa, 9 operações, envolvendo 638 agentes, permitiram a apreensão de 8 armas de fogo e 2 armas brancas.


Em cinco distritos do norte do país, a mobilização de 500 agentes durante três noites levou à apreensão de uma arma branca.


Está visto. O país não precisa de mais polícias, tem é que encontrar melhores cientistas. Na PSP davam um jeitaço.



publicado por Pedro Sales às 14:24
link do post | comentar |

Comentários:
De Ibn Erriq a 2 de Setembro de 2008 às 14:54
PS o que o leva a crer que os dados não foram atingidos? talvez até tenham sido e quem sabe se esses são o números exactos?

O que a policia pretendia foi conseguido ;-)


De Pedro Sales a 2 de Setembro de 2008 às 15:09
Foram os números fornecidos pela PSP. Também me parece que estas operações tinham muito pouco que ver com a prevenção da criminalidade, e mais com restaurar o nível de confiança dos portugueses. Que, para isso, se tenham usado bairros inteiros como cenário, estigmatizando ainda mais os seus moradores, parece-me inconcebível.


De l.rodrigues a 2 de Setembro de 2008 às 15:18
Operações de "charme", por assim dizer. É como um tipo para engatar uma miúda não arranjar nenhuma maneira melhor para o fazer do que dar uns tabefes a uns que são vagamente rivais. Acho que vi coisas dessas quando andava no Ciclo Preparatório.


De J.h a 2 de Setembro de 2008 às 15:42
Agora o que faz falta é quem denuncie estas situações à malta que não lê jornais nem na internet nem em papel, e na televisão só vê as novelas e que, quando abordados na rua, proclamam um profundo sentimento de insegurança e que a culpa é dos estrangeiros que pra cá vêm. E que se juntam todos nesses bairros que mais parecem arsenais. Onde é que já se viu.

/sarcasm


De Paulo Mouta a 2 de Setembro de 2008 às 17:19
Se a cada uma destas armas associarmos as potenciais vítimas não será que podemos pensar que uma vida humana que possa ter sido salva indirectamente já validou a operação?

As plícias não existem para isto mesmo?


De Pedro Sales a 2 de Setembro de 2008 às 17:53
O que levou a polícia a tratar os habitantes de vários bairros como sendo, todos eles, potenciais criminosos. Porque era na Quinta do Mocho e não na Quinta da Marinha, não nos incomodamos? A certeza de que, sendo um bairro de pobres, iam encontrar mais delinquência, ou responder aos estereótipos formados pelas pessoas, estigmatizando ainda mais os moradores dos bairros. E, para isto, mobilizam-se mais de 1000 policias para apanhar 8 armas de fogo? Sejamos sérios.



De Hugo a 2 de Setembro de 2008 às 22:43
Por acaso agora tocou num ponto interessante...

que tal fazer um cerco à Quinta da Marinha para vermos quantas armas não legais, droga ou produtos ilícitos seriam encontrados?


De Paulo Mouta a 3 de Setembro de 2008 às 01:26
Quantas pessoas pode uma única arma matar? ^Qual o motivo da comparação com a Quinta da Marinha? Por acaso conhece Cascais? Se lhe roubassem o seu carro em Cascais certamente que o iria encontrar num dos bairoos como o da "Cruz vermelha", o "fim do mundo" a "Torre" ou outro qualquer e de certeza que não seria na "Quinta da Marinha" ou na "Quinta da Bicuda" ou em "Birre". Porque será?

Existem deferentes criminalidades nos diferentes locais com diferentes envergaduras. A estigmatização social é feita à partida quando se criam os Guetos, não haja dúvidas sobre isso. No entanto não são os bairros que criam os maus carácteres. O Pedro Sales já viveu num bairro destes? Qualquer um deles?

Não creio de todo que a intervenção policial sea má nestes bairros nem que seja para eliminar de vez as maçãs que vão apodrecendo todo o cesto.


De carlosbarbosaoli a 2 de Setembro de 2008 às 22:43
Preso por ter cão e preso por não ter. Tenho a certeza que foi este pais que seviu de inspiração à hitória do "Velho, o Rapaz e o Burro"


De Ibn Erriq a 3 de Setembro de 2008 às 00:18
Pois se calhar é mesmo, mas seria bom se começasse-mos a distinguir a nuvem de Juno ;-)


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds