Comentários:
De l.rodrigues a 22 de Agosto de 2008 às 19:39
A unica sociologia que dá para fazer é sobre quem diz mal dos atletas. Estão a censurar quem tenta e só quem tenta está sujeito a errar. Que é que querem conseguir com isso? Que se deixe de tentar?


De Isabela a 22 de Agosto de 2008 às 19:51
A falta de respeito por quem trabalha, e o pensamento generalizado de que a arte e o desporto não são trabalho, mas diversão, enformam o pensamento lusitano. Arrepio-me com estas correntes de indignação da parte dos treinadores de sofá. E a Imprensa tem muita culpa na criação de um pensamento negativo sobre a realidade, manipulando o que quer que a opinião pública pense, lançando para os leões frases descontextualizadas.


De carlosbarbosaoli a 22 de Agosto de 2008 às 23:08
Assino por baixo. Esta falta de equilíbrio emocional ( e mental...) dos portugueses, que os leva a ve o mundo a preto e branco é um dos nossos grandes males. O outro é que normalmente não pensam por si. Lêem e ouvem umas coisas e, como quem vê um figurino para escolher um vestido, escolhem a opinião que mais lhes agrada e passam a chamer-lhe sua.


De Fernando Vasconcelos a 22 de Agosto de 2008 às 23:39
Subscrevo a 1000%.


De abrasivo a 23 de Agosto de 2008 às 00:00
Não se trata de um exemplo limite. Nem é preciso ir tão longe.
A detentora da melhor marca mundial do ano em salto em comprimento, Naide Gomes, não conseguiu classificar-se para a final dos Jogos Olímpicos depois de dois saltos nulos. No mínimo, acusaram-na de incompetente.
Adam Nelson dos EUA, o principal candidato a uma medalha de ouro no lançamento do peso, não conseguiu classificar-se para a final após três lançamentos nulos na mesma manhã em que Fortes lançou pouco mais de 18 metros. Fortes, sem perceber o que lhe tinha acontecido, talvez acreditasse mesmo que ainda estava na caminha. Nelson, Adam e não Évora, se pensou o mesmo só ele o sabe. Mas não o confessou a ninguém.
O 2.º e 3.º classificados da final dos 200 metros foram desclassificados porque pisaram a linha que limita as pistas. Os americanos, principais candidatos à vitória da estafeta 4x100 (masculinos e femininos), nem sequer foram à final. Ainda agora não devem saber como falharam a passagem do testemunho. A equipa feminina dos 4x100 metros de Jamaica ainda não deve ter percebido como atropelou a equipa da Grã-Bretanha e, na final, entregou a vitória à equipa da Rússia.
Eu sei como foi difícil à Naide, ao Gustavo, ao Emanuel, à Telma, ao Fortes, à Jessica, ao Nelson, à Vanessa e a todos os outros ali chegar. Mas eu não sou português.


De Anónimo a 23 de Agosto de 2008 às 12:31
Muito boa análise, parabéns.


De smbc a 23 de Agosto de 2008 às 01:09
Na sociedade portuguesa existe um conjunto de gente que critica o desempenho desportivo dos atletas olímpicos que não tem conhecimento nem sensibilidade desportiva para discursar sobre o assunto - segundo opinião manifestada aqui pela maioria.... quanto a mim existe um grupo de pessoas deveras mais preocupante que é aquele grupo de pessoas ilumindas, que só a elas foi revelada a verdade divina ou não, e que com alguns exemplos estrangeiros tentam mostrar aquilo que mais ninguém vê... só eles... os iluminati... da treta... Isso é provincianismo puro e saloiada da treta encoberta de insegurança quanto`aquilo que é ser português. Sejam portugueses, aceitem a diversidade de opiniões e deixem de tentar ser melhor do que aqueles que não pensam como vocês.


De Paulo Mouta a 23 de Agosto de 2008 às 02:08
Bem vistas as coisas, e tirando alguns comentários "infelizes" por parte de um ou outro atleta, penso que o que refere no post é uma realidade. Talvez a imagem inicial desse a entender outra coisa diferente mas conhecendo o que são as condições e os apoios que estes atletas têm penso que vergonha é pedirmos bem mais do que as condições que proporcionamos para que eles se possam desenvolver num mundo tão competitivo. E lá vão havendo alguns com muito bons resultados.



De Sócrates a 23 de Agosto de 2008 às 13:09
Não podia estar mais de acordo. Um bem haja a todos os que nos representaram e força para continuarem.


De BG a 23 de Agosto de 2008 às 14:10
Concordo plenamente com o conteúdo deste post. Um post muito bem escrito também.


De futebol portugues a 23 de Agosto de 2008 às 16:06
No fundo, as pessoas só sabem dos grandes sucessos e dos grandes fracassos (Naide Gomes, Telma Monteiro e Francis Obikwelu). Os outros são ignorados quer façam boas ou más provas (Gustavo Lima). Isto tudo porque os Media querem despertar as tais sensações de grandiosidade e de fracasso. Então, só dão relevância às medalhas conquistadas e aos escândalosos fracassos, o que leva as pessoas a seguirem os jogos emotivamente e não analiticamente.

Também escrevi sobre este assunto: Jogos Olímpicos: a relação entre os Media, as Pessoas e os Atletas (http://montradeideias.blogspot.com/2008/08/jogos-olmpicos-porque-so-alvo-de-tanta.html)


Comentar post