Comentários:
De Miguel Ângelo a 19 de Agosto de 2008 às 19:22
Concordo com quase tudo o que escreveu; mas escamotear as desculpas esfarrapadas de alguns dos atletas pelas prestações dos mesmos também não pode ser. Referiu o comentário da "caminha": mas que atleta de alta competição é que se desculpa pelo facto da sua prova ser de manhã?? Só mesmo um atleta português...


De nm a 21 de Agosto de 2008 às 20:44
Esfarrapados são os comentários de quem insiste em bater em quem não merece. Sales tem razão de uma ponta à outra.


De André Maricato a 19 de Agosto de 2008 às 19:56
Muito bons estes 4 posts que li agora de seguida sobre o desporto em Portugal. Este semestre estou a estudar no Brasil e uma professora queixava-se hoje de manhã, antes de nos deixar sair mais cedo para ver o jogo do brasil com a argentina, da falta de estrutura desportiva que existe no Brasil. Eu tive que me rir, se ela soubesse o que se passa em portugal diria que por aqueles não existe desporto. Talvez não seja exemplo da realidade brasileira, mas vejam as instalações desportivas da minha universidade aqui em santa catarina.

. Campus da Grande Florianópolis - Pedra Branca

Centro Esportivo
. 1 Ginásio Poli Esportivo
. 2 Campos de Futebol Society
. 2 Quadras Poli Esportivas Externas
. 1 Quadra de Tênis
. 1 Pista de Atletismo Acadêmica
. 1 Área de Saltos
. 1 Área de Lançamentos
. 1 Campo de Futebol / Vôlei de Areia
. 1 Almoxarifado Esportivo
. 4 Vestiários

Complexo Aquático
. 1 Piscina Olímpica
. 1 Piscina de Saltos
. 1 Sala de Danças / Ginástica
. 1 Piscina Adaptada
. 2 Áreas de Saltos (iniciação)
. 1 Sala de Lutas
. 2 Vestiários


De Ricardo a 19 de Agosto de 2008 às 20:18
Saudadesdacaminhagate

Possivelmente percebi mal mas pareceu-me que o Marco Fortes estaria a usar a ironia e o humor, domínios pouco dominados por cá. Ao mesmo tempo exprimia o que é comum: consegue melhores resultados da parte da tarde. É mesmo comum. A nossa menina quase dourada dá-se mal com o frio. Também é comum.
É importante ainda notar que esteve nos jogos por direito próprio. Não lhe fizemos nenhum favor, foi o único a conseguir os mínimos. Não há outro. Se a fúria fadista tem que cair sobre algo ou alguém, que fustigue o país inteiro por não criar um melhor lançador. Infelizmente é o nosso campeão. Pior, ninguém se aproxima!!! Uma chatice. (atenção: ironia).
Uma última nota: o campeão nacional ficou em 33.º. Tendo em conta a limitação do número de concorrentes por país, ainda assim poderemos afirmar que temos um lançador que estará certamente nos 50 melhores do mundo. Podemos acrescentar que o nosso lançador é amador e que durante algum tempo não teve treinador… e treinava literalmente sozinho, isto é, sem treinador nem outros lançadores… O antigo treinador por falta de meios económicos montou uma garagem de reparação de automóveis e porque é um russo porreiro abdicava de umas horas semanais para dar uma mãozinha ao nosso lançador.
Última perplexidade: porque se festeja o top 100 do tenista profissional Frederico Gil e não o Top 50 do Marco Fortes? Pessoalmente não acho que haja motivo para festejos, apenas para acabar com as lamúrias e pensar em melhorar.



De Isuf a 19 de Agosto de 2008 às 21:44
"top 100 do tenista profissional Frederico Gil e não o Top 50 do Marco Fortes" Sabe por quê, porque o Fortes tem a inteligência de praticar um desporto que não chique, e onde não aparece a gente gira deste país ;-)


De Cá-mané a 19 de Agosto de 2008 às 22:58
Mas sou eu que estou maluco ou os atletas (como o Gustavo Lima, que tanta pena dele próprio tem) estão nos JO de livre vontade? Alguém os obriga? Não somos URSS os outro qualquer estado do antigo Bloco de Leste.
O Gustavo Lima, estando lá, ganhando ou não, gosto de o ver, mas se não tivesse ido (ele ou qualquer outro) alguém se lembraria dele? A humildade necessária é apenas não pensar que o Mundo e os portugueses estão a girar em volta do umbigo deles.


De Paulo Mouta a 20 de Agosto de 2008 às 01:29
Devo lembrar que Gustavo Lima com ou sem queixumes foi o quarto classificado. O quarto melhor do mundo numa modalidade cuja prática é pura e simplesmente ignorada a nível do país, como o Pedro Sales salienta muito bem neste magníficos posts.

Quanto ao comentário sobre a URSS e demais países, os JO ficaram a perder muito com o desmembramento de realidades desportivas como a da URSS, da República Democrática da Alemanha, a Jugoslávia, e países como a Roménia ou a Bulgária nem conseguem ser uma sombra do que já foram. Ok, o Ceausescu era um pulha criminoso mas isso não tira a beleza e a grandeza da participação dos atletas do seu país. Os JO foram desde sempre nesta era moderna uma montra desportiva mas sobretudo política.

O desporto de alta competição exige grande rigor e grande disciplina. Exige também um investimento e uma estrutura bem planificada e muitos apoios públicos ou privados Exige um esforço que se torna quase sobre-humano na mais alta competição. Portugal apenas tem uma amostra disso no futebol cuja geração de ouro já chegou ao fim. E tal como refere o Pedro Sales essas vedetas do futebol nem sequer conseguiram qualificar-se para os JO.


De Paulo Mouta a 20 de Agosto de 2008 às 01:30
Devo lembrar que Gustavo Lima com ou sem queixumes foi o quarto classificado. O quarto melhor do mundo numa modalidade cuja prática é pura e simplesmente ignorada a nível do país, como o Pedro Sales salienta muito bem neste magníficos posts.

Quanto ao comentário sobre a URSS e demais países, os JO ficaram a perder muito com o desmembramento de realidades desportivas como a da URSS, da República Democrática da Alemanha, a Jugoslávia, e países como a Roménia ou a Bulgária nem conseguem ser uma sombra do que já foram. Ok, o Ceausescu era um pulha criminoso mas isso não tira a beleza e a grandeza da participação dos atletas do seu país. Os JO foram desde sempre nesta era moderna uma montra desportiva mas sobretudo política.

O desporto de alta competição exige grande rigor e grande disciplina. Exige também um investimento e uma estrutura bem planificada e muitos apoios públicos ou privados Exige um esforço que se torna quase sobre-humano na mais alta competição. Portugal apenas tem uma amostra disso no futebol cuja geração de ouro já chegou ao fim. E tal como refere o Pedro Sales essas vedetas do futebol nem sequer conseguiram qualificar-se para os JO.


De Paulo Mouta a 20 de Agosto de 2008 às 01:31
Devo lembrar que Gustavo Lima com ou sem queixumes foi o quarto classificado. O quarto melhor do mundo numa modalidade cuja prática é pura e simplesmente ignorada a nível do país, como o Pedro Sales salienta muito bem neste magníficos posts.

Quanto ao comentário sobre a URSS e demais países, os JO ficaram a perder muito com o desmembramento de realidades desportivas como a da URSS, da República Democrática da Alemanha, a Jugoslávia, e países como a Roménia ou a Bulgária nem conseguem ser uma sombra do que já foram. Ok, o Ceausescu era um pulha criminoso mas isso não tira a beleza e a grandeza da participação dos atletas do seu país. Os JO foram desde sempre nesta era moderna uma montra desportiva mas sobretudo política.

O desporto de alta competição exige grande rigor e grande disciplina. Exige também um investimento e uma estrutura bem planificada e muitos apoios públicos ou privados Exige um esforço que se torna quase sobre-humano na mais alta competição. Portugal apenas tem uma amostra disso no futebol cuja geração de ouro já chegou ao fim. E tal como refere o Pedro Sales essas vedetas do futebol nem sequer conseguiram qualificar-se para os JO.


De Fernando Vasconcelos a 20 de Agosto de 2008 às 00:19
Claro que ninguém obriga o Gustavo Lima ou qualquer outro atleta. Claro que estão em Pequim porque o mereceram. Cumpriram mínimos QUANTITATIVOS estabelecidos previamente. Claro que fizeram sacrifícios para os obterem sendo muitas vezes ignorados quando ao fazê-lo obtiveram resultados de relevo internacional. Eventualmente alguns (poucos) atletas terão realmente sido menos sérios em Pequim o que ainda está para provar. As declarações (desculpas) podem ser apenas palavras infelizes de quem está pouco habituado a tanta atenção. Agora generalizar é que santa paciência ... um sétimo, um quarto, um décimo primeiro e mesmo um 33º não são forçosamente maus resultados e muito menos prova de falta de empenho. Percebo perfeitamente que quem se esforçou durante quatro anos e depois oiça coisas dessas se sinta "farto" e agredido.


De pedro oliveira a 20 de Agosto de 2008 às 10:15
Eu quero é desporto escolar como deve ser,organizado,competitivo e que depois os melhores sejam acompanhados devidamente para potenciar futuros campeões.Isso não é gastar dinheiro é investir,quer no aumento na base de recrutamento,quer na criação de hábitos de desporto com reflexos claros na saúde pública logo poupança de "oiros".

Para finalizar quem oficialmente escrveu que o objectivo eram 4 medalhas e 60 pontos não foram nem os jornalistas nem o povo, foi o COP!


De Rafael Ortega a 20 de Agosto de 2008 às 23:39
As quatro medalhas eram atingíveis.

A Vanessa Fernandes ganhou uma.

O Nelson Évora é campeão do Mundo, assim como a Naide Gomes. O Nelson Évora está na final.

A Telma Monteiro era favorita a uma medalha.

Acho é que a partir do momento em que o próprio COP assume publicamente as quatro medalhas como objectivo, a coisa tinha todos os requisitos para correr mal. Porque uma coisa é os atletas saberem que têm qualidade para consegui-lo. Outra é tal ser-lhes exigido (e todos sabemos como os portugueses são quando não lhes dão o que exigem).


De Bruno-Planetas a 21 de Agosto de 2008 às 02:09
Meus caros aqui está um ranking dos nossos representantes em Pequim

http://planetaspolitik.blogspot.com/2008/08/comdia-olmpica-i.html


De Nuno a 25 de Agosto de 2008 às 01:23
O país tem que começar a assistir (e comentar) a menos desporto e começar a praticá-lo...


Comentar post