Quarta-feira, 2 de Julho de 2008
A Ferreira Leite também não quer que eles casem...

...são inférteis e não podem cumprir a função procriadora do casamento.



publicado por Pedro Sales às 13:36
link do post | comentar |

Comentários:
De Vitor a 2 de Julho de 2008 às 14:03
Triste sina a desta senhora, que queria ser tão diferente que acaba por ser apenas aquilo que todos esperam dela... uma nulidade, segundo os padrões do seu Professor!


De José Manuel Faria a 2 de Julho de 2008 às 20:21
Sócrates não terá qualquer dificuldade em derrotá-la.

Terá de ser o Bloco a retirar a maioria absoluta ao PS.


De Manuel Leão a 2 de Julho de 2008 às 22:30
Grande boca. Grande bronca!

Em 1990, no Parlamento, Natália Correia desfez o deputado do CDS/PP João Morgado, por defender ideias semelhantes, embora noutro contexto. Com direito a poema e tudo!


De max a 2 de Julho de 2008 às 22:44
O mais engraçado é que até a Sra.Dra. Ferreira Leite não poderia casar. Naquela idade será, digo eu, improdutiva...

Note-se o totalitário que encerra esta concepção de união de casamento...


De MFerrer a 3 de Julho de 2008 às 01:31
Max,
a sugestão é repelente!
Porra!
tenho lido coisas obscenas mas essa dela estar improdutiva...
As funções recreativas não são o forte dela.
Ela é mais funerais e velórios!
MFerrer


De JDC a 3 de Julho de 2008 às 11:34
Vamos então cumprir a constituição:

- Laicidade do Estado. O que faz a instituição "casamento" na lei portuguesa?? "Casamento" é um sacramento da igreja cristã, acabe-se com a sua formalização legal.
- Fim da discriminação por orientação sexual. Como não deve haver "casamento" enquanto insituição legal, já não há discriminação a esse nível devido á orientação sexual.

Não é simples?


De Pedro Sales a 3 de Julho de 2008 às 16:58
JCD,

Onde é que foi arranjar essa ideia de que o casamento é um exclusivo da tradição cristã? Nem vale a pena ir buscar o direito romano, mas já há umas centenazitas de anos que existem casamentos civis. Não há nenhuma contradição entre a reinvindicação do casamento e a defesa da laicidade do Estado. É tudo uma questão de igualdade de direitos.







De Paulo Mouta a 3 de Julho de 2008 às 22:53
Quase completamente de acordo. O casamento tem duas vertentes. Uma religiosa que, como diz o Pedro Sales, não é exclusivo do cristianismo mas de muitas religiões que têm este acontecimento como um dos principais sacramentos. E a outra é a vertente legal ou contratual.

Se não faz qualquer sentido que num contexto religioso o conceito de casamento seja alterado, já no casamento enquanto contrato entre duas pessoas (e eventualmente até mais de duas), sendo uma questão exclusivamente de direito, e sobretudo num estado laico, tem de sofrer alterações a adaptações à vida real.

Como JDC diz, e na minha opinião muito bem, não deve um estado laico formalizar ao nível do direito um fenómero religioso. O casamento religioso deveria assim ser exclusivamente um acto dentro do contexto da própria religião que teria de ser posteriormente confirmado e formalizado nos respectivos registos.

No entanto, no ponto seguinte ao falar no fim da descriminação pela abolição da instituição casamento, esquece que o acto contratual é o que está aqui em causa e que quando nos referimos a casamento é quase sempre mais neste sentido e no dos direitos e deveres das pessoas que livremente decidem ter uma vida familiar partilhando tudo o que de bom e de mau daí advém. E aí é que estão criadas descriminações. Umas devem ser eliminadas mas outras devem ser mantidas. Até porque muitas vezes a igualdade de direitos pode estar justamente na diferença e no direito à diferença.

Penso que a lei já atribui identico valor a uniões de facto de casais hetero ou homossexuais principalmente a nível fiscal. Pessoalmente creio que esta é a única via a seguir excepto no caso da possibilidade de adopção de crianças ou da custódia de crianças por parte de casais homossexuais. Essa é uma descriminação que nada nada tem a ver com o religioso mas sim com a natureza e na natureza as coisas funcionam como funcionam e não da maneira como alguns gostariam que funcionasse. E as leis devem ser o reflexo da humanidade mas também da natureza sem as ilusões dos truques que hoje a ciência permite.


De Manuel Leão a 4 de Julho de 2008 às 20:22
A única via é separar as águas, completamente.

Julgo até, para melhor clareza, que se deveria seguir a prática da Primeira República. Casamento civil primeiro e dias, meses, ou anos depois, casamento religioso para quem o desejasse.

Eu sou casado pela Igreja, mas vejo isto com nitidez. Há ainda, na mente colectiva, resquícios da concordata. Para mim é assim: a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Mais do que isto já é fundamentalismo, encapotado ou não!


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds