Terça-feira, 1 de Julho de 2008
Uma sociedade de suspeitos

De acordo com o NY Times, a União Europeia e os Estados Unidos estão quase chegar a acordo sobre a legislação que permitirá a partilha de informação privada, sem necessidade de mandato judicial, dos cidadãos dos dois lados do Atlântico. Assim, se tentar entrar nos EUA e não lhe permitirem pôr os pés fora do aeroporto não se admire, foi porque o nosso governo, ou as empresas a operar na Europa, passaram para o Tio Sam informações como as transacções dos cartões de crédito, viagens ou os hábitos na net. Mesmo informações mais sensíveis como a raça, religião, opiniões políticas e registos de saúde ou vida sexual podem ser partilhadas, desde que a legislação nacional garanta a suposta protecção dos dados. Curiosamente, o acordo não se preocupa em definir que medidas  são essas, deixando o critério a cada Governo. Passo a passo, e sempre em nome da eficácia no combate ao terrorismo, os governos nacionais estão a construir as bases para uma sociedade em que deixamos de ser cidadãos para passarmos a ser suspeitos até prova em contrário.Sempre em nome das melhores intenções, como é natural...



publicado por Pedro Sales às 19:18
link do post | comentar |

Comentários:
De Manuel Leão a 1 de Julho de 2008 às 19:55
Diz tudo sobre quem controla a nossa vida. Se as consequências fossem só não ir aos EUA, estava-me marimbando. Não tenciono ir lá.


De Hermes a 1 de Julho de 2008 às 23:53
Esta história já é bem conhecida desde há séculos. Claro que os motivos, os interesses, as classes mudam. Mas muda menos o procedimento - ou será a lei? - geral da alienação. Em 1670 o "nosso" Espinosa publicou na Holanda - a família judaica tinha saído de Portugal devido à perseguição - o famoso e escandaloso Tratado Teológico-Político, no qual afirma expressamente que toda a lei imposta é mal suportada e que, para evitar a revolta, existem vários mecanismos sociais, nomeamente a religião positiva e de Estado, que convencem os homens a acreditar que agem por sua livre vontade, ao mesmo tempo que devem confiar num chefe que parece ter qualquer coisa mais do que humano. Do mesmo modo, o desejo comum de segurança é usado para convencer a maioria da necessidade do controlo de todos os actos e movimentos dos indivíduos, agora que os meios electrónicos e informáticos ajudam como grande olho de Deus, indivíduos que desse modo se predispõem a colaborar na sua auto-repressão. É assim que também aceitam pacientemente sacrifícios para saldarem as dívidas e o défice do Estado enquanto as grandes empresas, multinacionais e instituições financeiras crescem ao ponto de controlarem cade vez mais as políticas dos Estados e de todos nós, cada vez mais indivíduos mas cada vez menos cidadãos.


De Karl Macx a 2 de Julho de 2008 às 11:00
Cada vez que leio uma notícia deste calibre penso que o Aldous Huxley não era escritor, era vidente. Ele e o H G Wells...


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds