Comentários:
De Rui Carlos Gonçalves a 25 de Junho de 2008 às 09:48
O Pedro Sales encontrou uma fonte de energia milagrosa para os comboios, foi?


De Pedro Sales a 25 de Junho de 2008 às 12:05
Caro Rui Carlos Gonçalves,

Espero que não seja preciso explicar-lhe que os comboios têm um consumo energético por passageiro e por quilómetro muito inferior ao do transporte rodoviário, pois não?


De Rui Carlos Gonçalves a 25 de Junho de 2008 às 12:27
Só é preciso é que hajam passageiros, caso contrário o custo por passageiro não é assim tão baixo... E grande problema do comboio, comparado com o transporte rodoviário, é que não se adapta tão bem às necessidades dos utilizadores (obrigando-os a recorrer a vários meios de transporte), o que faz com que se 4 pessoas partilharem o mesmo automóvel, este talvez possa ter um custo semelhante ao do comboio.

E relativamente ao avião, será assim tão baixo? Não sei se é ou não, mas olhando aos preços das viagens, não parece... E tendo em conta que falava da "ligação ferroviária à rede europeia de alta velocidade", acho que é com os aviões que temos que fazer a comparação.

Acho o comboio uma boa opção para viagens dentro do país (no caso de Portugal), quando o comboio tem percursos ajustados à viagem, agora para ligações internacionais, tenho algumas dúvidas quanto à sua viabilidade.

PS: Há também a questão de que auto-estradas se estava a falar... É que o TGV não me parece que resolva os problemas de transportes para as populações do interior... Provavelmente só mesmo as auto-estradas é que poderão ajudar.


De l.rodrigues a 25 de Junho de 2008 às 12:23
Além disso é mais plausivel um futuro em que a energia eléctrica continua disponivel, quer via vento, sol, mar, barragens, ou nuclear, do que um em que o combustivel de avião baixe de preço.
Ou conhece uma alternativa a este?


De Rui Carlos Gonçalves a 25 de Junho de 2008 às 12:29
Quanto à energia eléctrica:

1) os carros também a podem usar;
2) no caso dos aviões, os comboios não são alternativa a estes para viagens entre determinadas localizações (por exemplo, Portugal-EUA).


De nuno magalhães a 25 de Junho de 2008 às 13:26
Mas alguém lhe disse que se iam acabar os aviões? Todas as contas mostram que um comboio consome muito menos energia que um automóvel. moro em lisboa e uso transportes públicos para todo o lado, coisa que a esmagadora maioria dos meus colegas não faz, pois prefere o popó, mesmo quando moram a escassos 1,5 km do local de trabalho. Se muitos dos transportes públicos não são úteis é por os poderes públicos insitirem - porque sofrem de manifesto atraso mental, por terem interesses inconfessáveis ou por serem escandalosamentes incompetentes, é escolher pois não há outra resposta - em não os integrar e tornar adequados, práticos e cómodos.


De Rui Carlos Gonçalves a 25 de Junho de 2008 às 14:46
"Mas alguém lhe disse que se iam acabar os aviões? "

E alguém lhe disse que se iam acabar os comboios?


De nuno magalhães a 25 de Junho de 2008 às 15:49
Não fui eu que desvalorizei o comboio dizendo que "Só é preciso é que hajam passageiros, caso contrário o custo por passageiro não é assim tão baixo... E grande problema do comboio, comparado com o transporte rodoviário, é que não se adapta tão bem às necessidades dos utilizadores (obrigando-os a recorrer a vários meios de transporte), o que faz com que se 4 pessoas partilharem o mesmo automóvel, este talvez possa ter um custo semelhante ao do comboio."


De Rui Carlos Gonçalves a 25 de Junho de 2008 às 16:04
Deve-se ter esquecido de ler o primeiro post, e de ver que este fala mais em transportes aéreos do que em rodoviários.

Resumindo, eu falei de comboios da mesma maneira que falaram de aviões no post inicial, e se é verdade verdade que ninguém disse que os aviões iam acabar, também eu nunca disse que os comboios iam acabar.


De Rivera a 25 de Junho de 2008 às 22:49
Uma ligação a Madrid não é uma ligação à Europa (não lembra ao diabo ir para a Europa via Madrid) é apenas uma ligação neocolonial paga por nós a uma capital que não tem interesse económico nenhum para Portugal (ao não ser por motivos negativos). Se é por motivos culturais e turísticos ( e aí já vejo interesse) não é necessário ir mais depressa. Não ao TGV, que só interessa aos espanhóis para terem financiamento europeu para a ligação a Badajoz.


De Pedro Sales a 26 de Junho de 2008 às 13:15
Rivera,

a ligação a Madrid não se fica por Madrid. Espanha está a ligar a capital a Barcelona e Barcelona a França. O plano europeu é cobrir a Europa de Tgv.


De Joao Pedro a 26 de Junho de 2008 às 15:28
Caro Riviera,

Dizer que Madrid é uma capital que nao tem interesse económico nenhum para Portugal é digno de um prémio de ouro de ignorancia.
O TGV é fundamental visto ser uma alternativa à viagem de aviao Lisboa-Madrid (que terá uma tendencia natural a encarecer com o aumento do preco dos combustiveis) a um custo para o cliente bastante competitivo, e ainda para mais oferecendo servicos complementares que os avioes nao podem oferecer, tais como internet, ausencia de check-in, etc.


De Rivera a 26 de Junho de 2008 às 22:35
Agradeço o prémio de ouro da ignorância, mas realmente qual é o interesse de Madrid? Sim, que empresas que nos interessem lá existem? só se for o Prado, o único museu onde cópias são mostradas como se fossem obras de arte, e onde traduzem o nome de pintores estrangeiros? alguém se lembra de algo interessante, agora economicamente ou financeiramente falando, em Madrid? e se é para ir até à Europa de lá dos Pririnéus é verdadeiramente o caminho mais próximo via Madrid? uma via ferroviária de alta velocidade de Madrid a Lisboa para quê? para que os compradores espanhóis possam chegar mais facilmente? para que possam comprar o que ainda não compraram? não penso que a Espanha que nos interessa seja Castela ou Catalunha, mas Galiza, Leão, Astúrias e Estremadura, com dimensão económica para que possamos cooperara e não ser apenas absorvidos e colonizados.


De Sr. Ferreira Iogurte a 1 de Julho de 2008 às 01:10
A única forma de fazer da ligação em TGV a Espanha um transporte rentável e economicamente importante é projectá-la para o transporte de mercadorias. Não é sustentável para o país continuar a depender quase exclusivamente do transporte rodoviário para importar os produtos estrangeiros de que dependemos.

Não?


Comentar post