Segunda-feira, 23 de Junho de 2008
Os ricos que paguem a saúde (mais ou menos)

Só há um pais da OCDE em que o Estado não garante os cuidados universais de saúde. Nos EUA, onde o Medicare garante a saúde dos pobres, todos os outros têm que pagar pelo seu bolso os famigerados seguros. Resultado. No país que mais gasta com a saúde em todo o mundo, 46 milhões de pessoas não têm acesso a nenhum cuidado de saúde, público ou privado.

 

É a partir deste excelente exemplo de ineficiência e iniquidade que Ferreira Leite que conter as despesas do Estado. Não apresenta um número sobre o SNS que exija a alteração da sua filosofia, o que se compreende quando estamos a falar do serviço público mais eficaz e que, ao contrário de quase tudo no país, se encontra entre os melhores do mundo. Os ricos que paguem a saúde, parece ser o mote deste novo PSD. Como os ricos já não põem os pés no serviço público, fica-se sem perceber onde é que este serviço universal empobrecido vai melhorar o que quer que seja. A não ser, claro, que Ferreira Leite pretenda mexer no bolso na classe média e média-baixa. A mesma que já se encontra sobreendividada, recebendo salários de mil e poucos euros para pagar 500 ao banco pela prestação da casa.

 

Ferreira Leite começou a sua campanha mostrando-se preocupada com a pobreza e o empobrecimento da classe média. A sua primeira proposta é coerente. Nivelar por baixo, destruindo o melhor e mais eficiente serviço público para promover a iniciativa privada. O “novo” PSD pode ter menos aparato cénico e ser menos histriónico, mas é apenas uma nova embalagem para a demagogia de sempre.



publicado por Pedro Sales às 14:10
link do post | comentar |

Comentários:
De MFerrer a 23 de Junho de 2008 às 16:38
Se se reparar, MFL é duma regularidade extraordinária:
Diz-se e desdiz-se à mesma velocidade a que lhe chegam as motivações do imediato.
Agora é que está no seu apogeu. O resto vai ser sempre a descer. Como o pêndulo.
Tão depressa é preciso reactivar a economia,
como o consumo das famílias que já estão pelos cabelos com as dívidas que fizeram nos últimos 6 a 8 anos.
E que dizer então do fino trato para as questões do investimento reprodutivo?
E essa pérola da justiça social referente ao SNS ?
Vai tudo de pantanas.
Votem nela e depois emigrem.
Nunca isto esteve tão próximo do desatre!
MFerrer
PS- Já copiei o seu post anterior. É excelente.
Obrigado


De maria a 23 de Junho de 2008 às 23:48
O Zapatero encontrou uma solução muito satisfatória de contenção de alguma despesa do Estado que não prejudica as políticas sociais nem implica mais impostos : vai congelar os salários dos altos cargos da administração pública. Vê ? há sempre um sitio certo para ir buscar dinheiro. É preciso é não ter medo.


De João André a 24 de Junho de 2008 às 09:06
500 euros por mês? Ainda há quem pague apenas 500 euros por mês? Sem acesso a créditos bonificados, com empréstimos de pelo menos 100 mil euros e a menos de 40 anos? 500 euros por mês? Isso é quase milagre...


De Alberto Gomes a 24 de Junho de 2008 às 11:18
O SNS é o nosso melhor e mais eficiente serviço público?
Oh não, ainda estamos pior do que eu pensava!


De IF a 27 de Junho de 2008 às 11:05
Mil e poucos euros por mês?? Deixa-me rir! Se a classe média-baixa ganhasse isso por mês estava muito melhor!

Olhe que eu tenho formação superior, tinha um contrato definitivo de trabalho, trabalhava na minha área de formação e ganhava 536€/mês! Fora o subsídio de deslocação que era pago à parte pelo patrão (+100€). Grande fortuna, hein?

O DESincentivo laboral é das questões mais preocupantes da sociedade e da economia portuguesas. Enquanto os patrões pensarem que metem mais dinheiro aos bolsos poupando nos salários dos trabalhadores e cortando em direitos e regalias sociais estamos condenados a não sair da cepa torta.

Há que reinstituir o devido respeito pelos trabalhadores. Quando terminei a faculdade e comecei à procura de emprego, a atitude dominante era de estarem a fazer-me um favor ao oferecerem-me um trabalho precário (a recibos verdes ou mesmo sem contrato), pago miseravelmente ou mesmo sem salário (queres trabalhar? trabalha de graça porque há muitos há procura de emprego e se tu não te sujeitas a isto há quem se sujeite).

Agora mudei-me para o estrangeiro, trabalho numa área totalmente diferente daquela em que me formei e ganho perto de 2,000€. Onde trabalho há respeito pelas nossas qualificações e o nosso desempenho profissional é valorizado. A formação e a reciclagem profissional são incentivadas e até temos uma licença de férias (entre muitas outras) dedicada exclusivamente ao estudo (muitos colegas meus estão a complementar os seus estudos).

É um exemplo a seguir em Portugal.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds