Domingo, 8 de Junho de 2008
Praça das Flores

A Praça das Flores foi transformada durante duas semanas num gigantesco condomínio privado, com um batalhão policial a garantir que, depois das 17 horas, apenas entram os moradores recenseados e os felizes portadores de um convite da Skoda. Numa câmara sem dinheiro, posta de rastos pela mesma direita que agora se tornou uma súbita defensora do espaço público, é compreensível que a gestão da CML tente arranjar formas originais de reabilitar o espaço público sem comprometer o erário público. Mas, sendo compressível que se concessione espaços como o da Praça do Comércio ou da Figueira, não há nada que explique o que passou pela cabeça dos vereadores para não perceberem que esta decisão iria tornar a vida dos moradores de um pequeno bairro, que vive à volta daquela praça, num inferno.


Ao contrário do que vem na maioria dos blogues, a autorização para esta inaceitável privatização do espaço público foi assinada pelo vereador Marcos Perestrello, tendo Sá Fernandes passado a autorização de ruído até às 22h30. A forma desajeitada como Sá Fernandes apareceu, desde o primeiro momento, a defender o indefensável, tornou-o na figura mais a jeito para desancar. É certo que não devia ter autorizado uma decisão que desliga um bairro dos seus moradores e demais habitantes de Lisboa, mas ver a forma como a PCP, Helena Roseta ou a blogosfera em peso se atira ao “Zé”, esquecendo-se do principal mentor da Skodização da Praça das Flores, é elucidativo sobre as prioridades de alguma da indignação sobre este caso. I

 

Vale a pena ler o que escreve o Daniel Oliveira, morador do bairro agora sitiado para a apresentação de um carro, para ter uma noção mais precisa do que se passa na Praça das Flores. 


Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 15:49
link do post | comentar |

Comentários:
De Luís Lavoura a 9 de Junho de 2008 às 13:08
Eu nem sequer sei onde fica a dita praça, e não moro nesse bairro de certeza. Mas pergunto, é assim tão grave ter música, por má e em alto volume que ela seja, até às dez e meia da noite? Infelizmente, as Câmaras licenciam, explícita ou implicitamente, coisas bem piores - o Rock in Rio, por exemplo, ou certas discotecas. E é assim tão grave que, para se estacionar o carro perto de casa, se tenha que mostrar um salvo-conduto de morador? Ao fim e ao cabo, o mesmo se passa no Bairro Alto, onde também só entra de carro quem fôr morador... E é assim tão grave ficar-se sem um jardim durante um mês? Há quanto tempo é que muitos outros jardins da cidade estão em Obras de Santa Engrácia?

Parece-me que se está a fazer demasiado barulho por uma questão minúscula.

Luís Lavoura


De Pedro Sales a 9 de Junho de 2008 às 13:39
Luís,

A praça fica entre o Parlamento e o Príncipe Real.

Passei pela Praça das Flores às 20 horas da última sexta-feira e o que encontrei foi dezenas de seguranças privados a pedir o registo na junta de freguesia para deixar entrar os moradores e uns bons dez políciais a acompanhar o processo. na esquina, dentro de uma carrinha, encontravam-se uns bons 10 polícias do corpo de intervenção. Não sei se o aparato policial é estes todos os dias, mas é bem elucidativo sobre o que se está a passar na Praça das Flores.

A questão não é ficar sem o jardim. É ficar sem o acesso ao bairro durante 15 dias.


De Alberto João a 9 de Junho de 2008 às 16:50
Pois...grande visão a tua Lavoura.
Para mim, que moro na Praça das Flores, todos os inconvenientes do Rock in Rio em Chelas são uma questão minúscula! Diz-me onde moras dir-te-ei quem és...


De nm a 9 de Junho de 2008 às 13:12
Certa blogosfera, nomeadamente a próxima do BE, aproveita todas as oportunidades para bater no PCP. Pq sim e pq não. Se é legítimo que o faça, descentrando o alvo, queriam o quê, quando Sá Fernandes, candidato canibalizado pelos bloquistas, se põe a jeito. Ou só o PCP é que atira ao lado?


De Pedro Sales a 9 de Junho de 2008 às 13:35
Não, não é só o PCP, como poderá constatar no post.


De Manuel Leão a 15 de Junho de 2008 às 14:52
Que inocente que é o Zé. Realmente ele fazia muita falta, como se vai constatando a par e passo. Ainda o hei-de ver a fumar. Les coquins me fatigue! " (Traduzido para Lisboeta de Alcântara, quer dizer: Estou farto de malandros!)


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds