Quarta-feira, 26 de Março de 2008
O pelhourinho

Desculpem lá não entrar na histeria nacional que varre a imprensa e blogosfera, e que já vai no Procurador Geral da República, mas talvez valha a pena parar um pouco para perceber que o que se passou no Carolina Michaellis é um caso disciplinar que deve ser resolvido dentro da escola, sendo completamente descabido que o própro PGR se envolva pessoalmente na investigação criminal do sucedido.


O mesmo Procurador Geral da República que precisou de ler quatro edições de uma investigação efectuada pelo Expresso - com base em material de prova que estava há anos na posse do MP - para perceber que tinha que fazer qualquer coisa sobre o Casino de Lisboa, dedica agora meios e recursos para investigar aquilo que, sendo um lamentável caso de indisciplina e insolência, não deve deixar de ser equacionado à luz da relativa gravidade do incidente.

Mas o coro de apoio ao anúncio feito por Pinto Monteiro não se fez esperar. Afinal a “turba” de “canalhas” tem que ser posta na ordem e os professores não têm meios para o fazer. A sério? Será que quem anda há uma semana a proferir afirmações destas, que passam por uma verdade incontestável e inquestionável, alguma vez perdeu dois segundos para ler o que é que diz o estatuto do aluno em vigor? Se não, aqui está:

Artigo 27.º (Medidas disciplinares sancionatórias)

a) A repreensão;
b) A repreensão registada;
c) A suspensão da escola até cinco dias úteis;
d) A suspensão da escola de 6 a 10 dias úteis;
e) A expulsão da escola


Advertência, Suspensão, ou expulsão com decorrente perda do ano lectivo. O que é que querem mais? Colocar uma míuda malcriada no pelourinho e, de permeio, fazer um retrato de toda uma geração a partir de um caso que, podendo não ser isolado, será sempre ultra-minoritário? Quer me parecer que há por aí muito boa gente que "anda nisto" apenas para provar que esta é que é mesmo a geração rasca.

publicado por Pedro Sales às 22:56
link do post | comentar |

Comentários:
De Bruno C. a 26 de Março de 2008 às 23:53
Este acontecimento está a ficar como os videos que aparecem nas televisões, cada vez mais turva.
É fantástico como um incidente destes serve para por em causa tudo, as escolas, os professores os alunos e em última análise toda uma geração.
É triste, até parece que não existem coisas muito mais importantes para serem faladas do que uma aluna histérica que não queria dar o telemovel à professora.


De Fernando Vasconcelos a 27 de Março de 2008 às 01:58
Como já disse num outro comentário é muito perigoso tirar conclusões genéricas sobre um caso particular. Sobretudo porque me parece obvio desde o inicio que não há lugar a grandes dissertações. Há pessoas que t~em de ser punidas e as regras já existem para o efeito. Apliquem-se e é tudo. Depois disso feito e com a calma que a reflexão trás então discuta-se se há aqui algum problema de fundo não endereçado pelas actuais regras e leis. Mas isto sou eu ... provavelmente devo estar a ver mal o filme.


De Rafael Ortega a 27 de Março de 2008 às 10:24
Suspensão não serve para nada, para a aluna vai ser apenas uma ou duas semanas de férias com as faltas justificadas.
Quanto à expulsão é muito dificil de fazer e não sei se neste caso viria a acontecer.
Repreensão e repreensão registada incomodam menos que uma mosca a voar à volta da cabeça.
Mas a ideia do pelourinho até que nem é má.


De José Luiz Sarmento a 27 de Março de 2008 às 12:16
Da expulsão não decorre a perda do ano lectivo, já que o aluno expulso é obrigatoriamente integrado noutra escola. E mesmo que decorresse, muitas vezes o aluno está-se pura e simplesmente a borrifar para isso.
O que é que eu queria mais? Multas pesadas aos encarregados de educação, como acontece na maior parte dos países da Europa.
À falta disto, sugiro aos professores brutalizados que ponham processos cíveis aos pais dos alunos e lhes exijam pipas de massa.


De João Serpa a 29 de Março de 2008 às 14:44
"Multas pesadas aos encarregados de educação, como acontece na maior parte dos países da Europa"
Para situações destas? Faça-me lá a lista, p,f. , dessa maioria de países europeus. É que estou inclinado a pensar que a sua estatística está ao nível dos resultados do Pisa.


De Bang Bang a 27 de Março de 2008 às 12:29
Excelente post, Pedro.


De Ana Pereira a 27 de Março de 2008 às 15:17
O Sr.Procurador parece que não tem assuntos para tratar relativamente aos crimes de colarinho branco e da criminalidade organizada.Esta questão é um problema de disciplina não tem que ir parar aos tribunais.A escola e os pais dos alunos tem que encarar a melhor forma de evitar que estas atitudes lamentáveis quer com os professores,funcionários e outros alunos se verifiquem.Deixem lá os tribunais por o serviço em dia que anda bastante atrazado


De Marco Alberto Alves a 27 de Março de 2008 às 18:12



"Prontos", não é, portanto? A Aluna-meliante-agressora já teve o merecido castigo, o Aluno-malfeitor-operador de câmara não deve perder pela demora, a Senhora Professora, essa, decerto continuará a arrastar o seu rabo por baixo daquela mesma gabardine, todos os dias de chuva, para aquela mesma Escola (sim, que mudar de Escola todos os anos é para os maçaricos...) e repetir os mesmos erros grosseiros impunemente, agora não, não quero acreditar, para além disto tudo, que já é bem triste, ainda vamos ter o Senhor, perdão, Sua Excelência o Senhor Procurador-Geral da República, a perder o seu rico (riquíssimo?) tempo com estas bagatelas, e ninguém o manda à fava?


Então ele não tem nenhum livrinho à mão para ler, sim, um daqueles romances tipo Carolina Salgado, que ele confessou ir ler "no fim-de-semana" para decidir se havia ou não motivo para intervenção da P.-G. R. sobre um caso (minudências, sem dúvida...) como a ageressão a um Vereador eleito?


Este País já não é só uma anedota, é mesmo todo um filme com o António Silva - do melhor!...



De Zé Bonito a 27 de Março de 2008 às 20:27
Inteiramente de acordo com o que diz o "post". O problema é que se quer fazer deste caso um exemplo, fingindo que se faz alguma coisa. Já se fala na aplicação à miúda da Lei Tutelar Educativa que é para actos qualificadois como crime! Entendamo-nos: apenas estamos perante uma jovem mal educada. Se as restantes "autoridades" querem, de facto, fazer algo, intervenham a montante da Escola com políticas sociais e a jusante, na economia (com mais oferta para empregos qualificados, os tais que justificam andar na Escola).


De abrasivo a 27 de Março de 2008 às 21:44
Eu chego a duvidar de que seja má-criação (http://abrasivo.blogs.sapo.pt/88062.html).


De Zeca Portuga a 27 de Março de 2008 às 22:31
Carissimo Sr. Pedro Sales:
Certamente já viu que as coisas não são assim. O estatuto do aluno não está em vigor naquela escola, como em muitas no país, tão só porque o governo (ou o desgoverno) continua diarreia legislativa inconsistente. Isto porque, o estatuto do aluno implica a alteração do regulamento interno das escolas. Mas como o governo só soube isso depois de publicar a lei, mandou suspender a aplicação do estatuto, até à alteração do regulamento interno de cada escola (que neste caso ainda não aconteceu).
Depois, o estatuto do aluno não muda nada. O regime sancionatório é praticamente o mesmo. O que acontece, é que as escolas não o podem aplicar. Se o levarem a rigor, todos os dias há inqueritos, processos, suspensões... etc.
A situação nas escolas é de marginalidade extrema e impunidade total.
O que podem os professores fazer!?
É claro que a maioria dos professores passou não participar estas ocorrências - é perda de tempo, e amontuar papeis na pasta do director de turma.
O que deveria fazer a professora?
Responde-se aqui: a aluna recusa-se a entregar o telemóvel, fica com ele e continua a telefonar (para a mãe, que é conivente).
Chama-se quem? As auxilares que são ainda mais maltratadas que a professora?
O Conselho executivo? Isto é brincadeira!!!
O que o Sr. Procurador disse, é mais pura verdade: As escolas são os locais onde nasce toda a delinquência, toda a violencia, todo o banditismo que os nossos jovens espalham pela sociedade. São os locais menos seguros para ter os nossos filhos, e os piores para a sua educação.
Aqui cruza-se o problema dos professores: como pode um professor ser avaliado pelas notas e pelas faltas de alunos como estes? Com que justiça!?
Esta turma é uma turma do curriculo normal. se fosse um curso de educação e formação ou um PIEF, as coisas seriam (são) muito piores.
Não custa comentar. Há é pouco que saiba o que diz.


De APG a 29 de Março de 2008 às 23:25
Para defender o seu ponto de vista - que há indisciplina nas escolas e que os professores sentem cada vez mais dificuldades em controlar essa indisciplina - precisa de ser preconceituoso e generalista? É que esse discurso já enfastia...


De APG a 29 de Março de 2008 às 23:31
Refiro-me ao comentário do Zeca Portuga, é claro.


De Zeca Portuga a 30 de Março de 2008 às 14:13
Assusta-o a realidade, ou gosta mais da tactica do avestruz!?

A si enfastia, mim, que vivo a situação os dias, dá nojo e arrepios.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds