Comentários:
De jc a 18 de Fevereiro de 2008 às 00:49
muito bem dito


De Paulo Mouta a 18 de Fevereiro de 2008 às 02:01
É o ponto final na História de um dos mais interessantes países que este mundo já conheceu, a Jugoslávia.


De priápico a 18 de Fevereiro de 2008 às 18:24
bolas, e por que a UE tem de protagonizar algo? esta é uma questão que só diz respeito aos kosovares. se optaram pela independência, que assim seja.


De Pedro Sales a 18 de Fevereiro de 2008 às 23:08
Caro priápico,

Só diz respeito aos Kosovares é como quem diz, que é a União Europeia que suporta financeiramente a "independência". O Kosovo é inviável economicamente, como os próprios países que apoiaram a sua independência reconhecem. Mas, se só diz respeito aos kosovares, deduzo que o País Basco só diz respeito aos Bascos, idem aspas para os irlandeses do Norte, corsos, e demais enclaves das antigas repúblicas soviéticas. Quer apostas que nenhum destes vai ser independente?



De priápico a 19 de Fevereiro de 2008 às 04:17
em outras palavras, caro Pedro Sales: queres dizer então que os países pobres deverão ser tutelados (ou anexados) pelos mais ricos e poderoso. é isto?


De paulo.mouta@nemesis.pt a 19 de Fevereiro de 2008 às 06:01
É evidente que todos nós gostaríamos de ser independentes com os pais a pagarem-nos as contas. É óbvio que todos os povos têm direito à independência se essa for a sua vontade. E tal como o Pedro diz isso é válido para outros povos como, por exemplo, os Bascos. A diferença fundamental é que o País Basco é muito rico e o Kosovo é muito pobre com uma taxa de desemprego de 50%. Por serem pobres não deixam de ter direito à sua independência mas é uma que vamos pagar com os nossos impostos apenas porque a História resolveu condenar a Sérvia por uma data de males que vieram àquela parte do mundo. E a Rússia ameaça querer ser de novo a potência que tanta falta faz para equilibrar as forças neste mundo.


De Pedro Sales a 19 de Fevereiro de 2008 às 10:55
Caro priápico,

Tutelados é o que vai acontecer aos kosovares, com forças militares europeias no país e financiados pela UE. Chama a isso independência. Mas a questão não é monetária, é política. Esta independência tem apenas uma razão, a secessão étnica de um país. É a vitória e legitimação da limpeza étnica que, nos últimos anos, expulsou 200 mil não albaneses do Kosovo. O Sul da Califórnia tem mais mexicanos que americanos. Acha que alguém vai permitir um referendo para tornar esta região num Estado independente? A questão é a disparidade de tratamento. Nenhuma das outras nações europeias, com razões históricas bem mais profundas, vai ver a sua independencia reconhecida.

Só há um razão para que os maiores países da UE e os EUA tenham reconhecido a independência kosovar. Criar um estado tampão à influência russa. E, para isso, mexeram no ninho de vespas que são os balcãs. Esperemos que resulte, a bem da Europa.



De priápico a 19 de Fevereiro de 2008 às 18:41
Pedro, além de óbvio vês apenas um lado da moeda. Seu discurso é um campo fértil de paralogismos. No Kosovo os albaneses mulçumanos (maioria) matam sérvios cristãos ortodoxos; na Sérvia, os cristãos ortodoxos (maioria) matam os albaneses mulçumanos. Se é assim, por que não separá-los e tentar acabar de vez com esta insanidade e intolerância?

Numa coisa foste certeiro. O interesse econômico e geopolítico. Ou seja, criar na região um espaço de trânsito para os oleodutos e gasodutos que evitem o território russo no seu caminho para Ocidente. Se é assim também, que os kosovares decidam por si com quem querem se aliar, mesmo porque a Nato é uma aliança entre europeus e EUA

Pra finalizar, não vejo mal algum em que países mais ricos financiem os mais pobres. Este foi o principio básico que norteou os paises-membros da UE. E é justamente por isso que a UE é o que é.


Comentar post