Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008
País pin e pon

O Governo vai transferir para as autarquias o poder de delimitação da Rede Ecológica Nacional. Ora, aí está uma ideia esperta. Entregar a gestão dos terrenos mais cobiçados pelos promotores imobiliários a quem tem o licenciamento urbanístico como principal fonte de receita. Mais valia pôr as raposas a guardar o galinheiro.

Uma decisão que se vem juntar ao facilitismo simplex dos PIN e PIN+, a solução engenhosa encontrada pelo Governo para fazer tábua rasa de toda a legislação ambiental e permitir a construção nas zonas protegidas. Não foi só a desanexação da REN na Comporta para permitir um gigantesco empreendimento turístico. Só para falar no Alentejo, temos também a Herdade do Pinheirinho ou o projecto Costa Terra, em Rede Natura. Como também são o Tróia Resort, as 30 mil camas na Mata de Sesimbra; A Herdade do Barrocal em Monsaraz; a Herdade do Mercador em Mourão, a Herdade dos Almendres em Évora, ou os 11 projectos que se preparam para transformar o Alqueva numa gigantesca banheira para regar os seis campos de golfe que estão em construção num Alentejo sem água e crescentemente desertificado. Ninguém defende que não se possa protagonizar projectos turísticos de baixa intensidade em zonas ambientalmente protegidas, mas não deixa de causar alguma estranheza a atracção fatal dos promotores imobiliários pela construção de milhares de camas em tudo o são Parques Naturais, Rede Natura ou Rede Ecológica Nacional. 

É este o legado do primeiro governo liderado por um antigo ministro do ambiente. Subordinar a política de ordenamento do território, e protecção ambiental, ao lobby do betão, transformando todo o pais num imenso Algarve. Ou na revisitação de um certo projecto arquitectónico que vigorou na Guarda no final dos anos 80.

publicado por Pedro Sales às 16:40
link do post | comentar |

Comentários:
De José Manuel Faria a 13 de Fevereiro de 2008 às 19:42
Este governo quer passar quase tudo para as Câmaras as instituições mais corruptas do País. Um desastre.


De aviador a 13 de Fevereiro de 2008 às 22:24
Não é possivél!


De Marco Alberto Alves a 14 de Fevereiro de 2008 às 13:19

Isto é mesmo assim?


NÃO QUERO ACREDITAR!


De pedro oliveira a 14 de Fevereiro de 2008 às 17:55
Estamos de acordo, sobre o assunto também em http://vilaforte.blog.com/2683328/


De A. Castanho a 14 de Fevereiro de 2008 às 19:19



Esta "notícia" é falsa. Errónea (induz em erro o leitor).


DESCUBRA AS DIFERENÇAS em evolucoesdeabril.blogspot.com


De Rafael Ortega a 15 de Fevereiro de 2008 às 17:37
Se é mesmo assim é de facto grave. Acho incrivel que se dê mais poder às câmaras antes de elas provarem que conseguem resolver as trapalhadas em que já estão metidas.
"Entregar a gestão dos terrenos mais cobiçados pelos promotores imobiliários a quem tem o licenciamento urbanístico como principal fonte de receita. Mais valia pôr as raposas a guardar o galinheiro." Eu não mudaria nem uma vírgula.
Já quanto às casas do "Engenheiro Sócrates" o grave não é serem um atentado ao bom gosto. Isso é da responsabilidade do arquitecto e não do engenheiro. O que eu gostava de ver esclarecido é se a hitória do assinou, não assinou foi para ultrapassar códigos deontológicos. Se foi para o projecto ser aprovado mais depressa. Isso é que devia intrigar as pessoas e mover os jornalistas, e não se as casas são feias, pois isso é um facto consumado.


De Daniel Abreu a 20 de Fevereiro de 2008 às 14:31
O Território e a Paisagem são o nosso primeiro PATRIMÓNIO

A transferência do poder de delimitação da REN para as autarquias é um dos actos de terrorismo ambiental e de ordenamento do território mais sérios e graves que está para acontecer - pela mão deste governo. Muitíssimo preocupante e verdadeiramente aberrante. Uma parte da nossa paisagem - o que sobra - vai estar a saque ... Lamentável, funesto, irresponsável, ultrajante ... Não dá para acreditar que isto se pode tornar realidade. É uma regressão profunda em matéria de política ambiental e ordenamento do território, que deita para o lixo um conjunto de praticas e procedimentos que, nos últimos anos, tem impedido as câmaras municipais de vender/oferecer/dar de mão beijada/trocar por favores e bens diversos o nosso património mais básico - O TERRITÓRIO E A SUA PAISAGEM.


De A. Castanho a 21 de Fevereiro de 2008 às 19:24


O poder de delimitar a REN não vai transitar para as Autarquias. É mentira.


Informem-se, para não continuarem a proferir disparates.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds