Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007
O dilema de Mourinho
José Mourinho abandonou o Chelsea. A primeira reacção é pensar que a Federação Portuguesa pode ter aqui a oportunidade de ouro para resolver o “caso” Scolari pela porta grande. Na semana passada, o Guardian recordava que, face às exibições e resultados da selecção inglesa, a contratação de Scolari ainda estava na agenda da federação britânica. Não deve ser esse o destino, por agora. Para quem está no primeiro plano do futebol mundial, o cargo de seleccionador representa sempre uma despromoção. É uma espécie de prémio pela carreira.

Mourinho obteve em poucos anos uma fama e reputação que Alex Ferguson, por exemplo, demorou décadas a obter. Mourinho vai querer provar que continua a ser ele o Special One. O problema é que, nos dias que correm, os clubes de topo mundial, e que gastam para cima de cem milhões de euros só em salários às suas vedetas, exigem espectáculo. Capello ganhou o título que o Real Madrid perseguia há 4 anos e foi despedido. O futebol era feio, calculista e não encantava as bancadas. Abramovich, farto de esperar pela Liga dos Campeões, começou a cobrar ao mediático treinador um futebol mais condizente no estilo com os números de zeros nos cheques dos seus jogadores. Vencer não chega, é preciso encantar a multidão global. John Terry bem pode ser um defesa quase intransponível e Lampard um dos melhores centro campistas da sua geração, mas não vendem um décimo das camisolas de jogadores como Ronaldo, Ronaldinho e Messi. São atletas como estes, que levantam os estádios com os seus prodígios técnicos, que os jovens admiram e querem ter o nome estampado nas costas. A exigência, não tem nada a ver com a reclamação de um futebol “de esquerda”, como chamava Valdano ao futebol atacante e atraente. É o peso do dinheiro que o exige, como se queixa Platini em carta enviada aos principais responsáveis políticos europeus.

Infelizmente, para Mourinho, as suas equipas são sempre fieis à sua imagem de marca. Concentração total, um futebol competente e eficiente, mas onde as preocupações estéticas ficam de fora das conversas no balneário. Seja com uma equipa que ganhou tudo com as “vedetas” da União de Leiria e os excomungados do Benfica, ou com os multimilionários de Londres, o esquema é sempre o mesmo. A vedeta é Mourinho, sempre Mourinho, só Mourinho. Foi assim que ganhou, e é assim que sabe ganhar. Em fórmula que ganha não se mexe, estará neste momento a pensar o que é, provavelmente, o mais famoso treinador mundial. O problema, para ele, é que no futebol de hoje, essa fórmula já não chega. Não basta ganhar, é preciso vencer, convencer e facturar muitos milhões com isso. A excepção à regra é a Itália. Deverá ser esse o seu destino.

publicado por Pedro Sales às 09:56
link do post | comentar |

Comentários:
De Nuno a 21 de Setembro de 2007 às 15:39
O Mourinho e o Scolari são a Maddie dos 3 telejornais das 20h de 5ª feira! Q tristeza! O critério não é noticioso ou de informação mas sensacionalista e de audiências! O que prova a falta de sentido critico da própria audiência! Eu já deixei de ser espectador desses pseudo telejornais. De facto para ver e ouvir Noticias só mesmo no jornal da 2. Ou na BBC.
Cpmts


De Anónimo a 20 de Setembro de 2007 às 18:33
help! Ate aqui se fala do mourinho! Socorro!


De Pedro Soares Lourenço a 20 de Setembro de 2007 às 15:25
Destino: Italia. Pois claro, para treinar os comunas do Livorno. Querias!!!
eheheheh


De Pedro Sales a 20 de Setembro de 2007 às 14:31
Ups, toda a razão. Ainda por cima é Sir, tenho que ter mais cuidado com sumidades internacionais. .


De Anónimo a 20 de Setembro de 2007 às 12:53
Não é Alan, mas sim Alex Fergunson.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds