Comentários:
De Fernanda Valente a 21 de Janeiro de 2008 às 13:38
Os governadores ou gestores das entidades reguladoras, deveriam ser recrutados na "sociedade civil" e não ter qualquer elo de ligação com os partidos políticos; depois acontecem situações como esta. Mas, infelizmente a tendência é para fechar cada vez mais o círculo e não o contrário.


De Paulo Mouta a 20 de Janeiro de 2008 às 02:13
É fácil compreender que o único sector onde temos empresas que estão muito longe da crise é precisamente o sector da banca.

Mais uma prova que neste país tudo o que é não produtivo é para ser apoiado e encoberto em todos os seus esquemas para fazerem cada vez mais dinheiro.

Os bancos fazem-se pagar de tudo muito acima do custo real. Cobram despesas indevidas aos clientes. Ganham fortunas com os créditos, quer com os que são cumpridos quer com os que não conseguem ser cumpridos e têm de entrar em contencioso. Ganham na diferença brutal entre o juro ao crédito e o juro da poupança. Ganham com a mão de obra cada vez menos qualificada porque contratam indescriminadamente e pontapeiam os bancários com mais e melhor experiência. Os bancos são empresas parasitárias cujo controlo e regulamentação deveriam estar nas mãos deste senhor Constâncio. Já vimos que, por ele, estamos como sempre, bem arranjados nas mãos de uma economia que não se quer denunciar nos esquemas para se autoalimentar e crescer exponencialmente.

Contudo uma questão que até hoje ainda não vi sequer colocada. A CGD não é um dos principais acionistas do BCP? A CGD não é do estado? Não deveria ser a primeira entidade a notar e denunciar internamente ou às entidades reguladoras (mesmo que discretamente para não gerar ondas) todas estas situações?

É certo que o país não lucra com um BCP debelitado e potencial alvo de uma intervenção de capital exterior. Mas também não lucra com a passividade de uma entidade como o BdP perante situações de flagrante inconformidade...


De aviador a 20 de Janeiro de 2008 às 00:25
Contâncio e todos os que passaram pela adm. do Banco de Portugal e que andam por aí pelo sistema bancário.

São todos o mesmo e andam à procura do mesmo.

O que eles querem sei eu...e o RAP!


De abrasivo a 19 de Janeiro de 2008 às 22:52
Encontrado aqui, este post surpreende-me.
É que o BdP faz parte do sistema.
O BdP apenas existe como garante do sistema e sua máscara de honorabilidade.


Comentar post