Domingo, 5 de Agosto de 2007
Exigência selectiva
“Não posso deixar de aferir situações que se me afiguram de flagrante injustiça no quadro legal do concurso”. Faz dois dias que o Provedor de Justiça arrasou uma das medidas emblemáticas do Ministério da Educação - o concurso de professores -, e a ministra da Educação continua sem dar sinais de vida. Nem um comunicado, ou uma declaração à imprensa. É incompreensível, e lamentável, que o Governo entenda que nada tem a dizer quando as suas políticas nucleares são postas em causa.

Há muito que a imprensa vinha chamando a atenção, com exemplos quase diários, para o escândalo de professores com piores notas e avaliações a progredirem na carreira, enquanto outros, melhor colocados, estagnavam ou regrediam com este novo concurso. No espaço de um ano são dois pareceres negativos da Provedoria, a juntar-se a um sem número de decisões dos tribunais que deram sempre razão aos docentes que recorreram à justiça para reivindicar a remuneração correspondente às actividades de acompanhamento e substituição.

Começa a ser desconfortável, e politicamente pouco sustentável, ver a forma sistemática e reiterada como as principais decisões do Ministério da Educação são escrutinadas pelos organismos de fiscalização competentes. Para um ministério tão lesto a exigir rigor aos professores - naquilo que chegou a ser uma verdadeira senha persecutória, ora classificando os professores como absentistas ou pouco profissionais -, começa a ser evidente que a exigência na 5 de Outubro é muito selectiva e que só conhece um caminho: de baixo para cima. Ora, essa é a pior ideia que um governante pode deixar transparecer. Há muito que Maria Lurdes Rodrigues tinha perdido o respeito dos docentes, sem os quais nenhuma legislação conseguirá transformar o sistema educativo. Agora, é o país que começa a perder a confiança numa ministra que já foi a mais popular do Governo. O autoritarismo é muitas vezes confundido com autoridade e rigor. Mas é tudo uma questão de dias. Os de Lurdes Rodrigues já foram menos cinzentos.
Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 18:48
link do post | comentar |

Comentários:
De San a 6 de Agosto de 2007 às 12:43
Sem menorizar - pelo contrário - a presente situação, que também me atinge, há cerca de quinze anos, quando recorri ao Provedor de Justiça perante outros desmandos do Ministério da Educação, já nessa altura este era o organismo que mais queixas originava na Provedoria de Justiça.
Maria de Lurdes Rodrigues contribuíu para elevar esta triste estatística a patamares inimagináveis!


De José Luiz Sarmento a 6 de Agosto de 2007 às 00:44
É verdade que o País confiou muito nesta Ministra. Mas a mentira tem pernas curtas, mesmo com o mais mediático e pós-moderno dos governos.


De dedinho a 5 de Agosto de 2007 às 19:58
Realmente, já o país inteiro viu. Menos os que foram a banhos...


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds