Sábado, 7 de Julho de 2007
O radical e o rigor da moda
Déjà vu, pouco criativo, isso já nós sabíamos. Radical que se preze não pode sair à rua com as modas da saison passada. A causa cool é capilar, pouco espessa e tudo abrangente e padece de uma estranha e constante rejuvenação que muitas vezes parece mais autofagia.

O conglomerado orgânico-yoggi-ambiental já é um mercado e não uma contracultura. E para o radical à la mode isto é perigosamente próximo de um fashion no-no. Pode usar-se com um sorriso, de vez em quando, mas não é essa a indumentária que lhe vai trazer glória nos salões desta saison.

O mesmo se aplica ao último cochicho - mas sempre douto- que deve trazer na ponta da língua nessas inevitáveis tertúlias : o poder, o rizoma e o império já foram, Zizek-zénite-está , e o radical já anda de nariz nas revistas a tentar cheirar the next big thing.

Michael Moore acaba de se tornar a última fashion-victim. O homem coitado, sempre teve o seu estilo, anda nisto há uns anos mas percebemos agora nos salões radicais, é um has-been. Que a coisa já está batida, que já ninguém o atura enfim, "soooooo 2005".

Assim foi na última vinda de Moore a Chicago, numa manifestação de profissionais de saúde contra o actual sistema. Este artigo caricatura um ambiente meio decadente e fica mais um vez a mensagem: o cool de Michael Moore já foi, não vá um fashionista estar desprevenido e começar a falar do filme e dos seus temas. Isso nunca importou muito e é absolutamente tabú para algo tão démodée. Afinal quem é que quer falar da qualidade do linho na camisa, se camisas de linho já eram?

publicado por Vasco Carvalho às 19:45
link do post | comentar |

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds