Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007
Quando a emoção toma o lugar da informação
O desaparecimento da jovem Madeleine McCann foi uma tragédia. Daí até ser um “caso”, como há 3 meses é referido na comunicação social, vai a distância da absurda mediatização, nacional e internacional, que mereceu. O “caso” tinha todos os condimentos necessários para a ser um sucesso mediático. É uma tragédia, corresponde ao pior pesadelo de cada pai, uma família obstinada à procura, por todos os meios, da sua criança, envolvia gente poderosa que, garantiam-nos, tinha um canal aberto com Gordon Brown e o Governo nacional. Pelo meio, falaram com o Papa. Uma autêntica novela da vida real, ainda por cima com a vantagem destes já serem ricos e verdadeiramente famosos. Com este pitéu, os jornalistas foram lestos a escolher um lado e deixaram-se envolver no jogo emocional da família McCann. Eram eles a sua fonte, e isso também pesou para que, depois de milhares de páginas de jornais e horas de noticiários televisivos, tenhamos tido tão pouca informação e investigação.

Depois, esta semana, tudo mudou. Porquê? Porque à família da pequena Madeleine, com a aparente mudança de rumo das investigações policiais, deixou de interessar a cobertura mediática e deixou de ser cooperante com a imprensa. Durante dias os nossos media perguntavam, em horário nobre, o que teria levado esta família, “sempre receptiva às preocupações da imprensa”, a mudar de atitude? A sua fonte traiu-os. Esta forma de ver a realidade a partir do pequeno umbigo do seu círculo mais próximo dá a cara a um dos piores defeitos, e perigos, do jornalismo. Olharem o caso como se fossem um peão central do seu desfecho significa que se perdeu, há muito, a objectividade e o distanciamento necessário.

Agora, anda tudo muito indignado com a forma como a imprensa britânica está a destratar a Policia Judiciária e a imprensa nacional. Mais uma campanha emocional. Mas, sejamos claros, o que os tablóides e televisões inglesas estão a fazer é exactamente o mesmo que os nossos jornalistas fizeram. Durante meses contaram com a nossa imprensa e polícia como canal preferencial para se mexerem num pais que desconheciam. Agora, que a complacência terminou, sentem-se traídos. Os mecanismos comunicacionais são globais. A única diferença é que a isso, os ingleses juntam a habitual soberba imperial e os preconceitos sobre os selvagens que vivem no sul da Europa. Tudo o resto é um caso de estudo sobre a forma como a imprensa vive das emoções para vender uma história e se deixa enveredar nelas para não cumprir o seu papel. Informar.

ps: sobre o acompanhamento mediático deste caso, embora numa perspectiva diferente, vale a pena ler o texto de Pacheco Pereira na Sábado: "O caso da pequena Maddie"
Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 18:05
link do post | comentar |

Comentários:
De Pedro Sales a 10 de Agosto de 2007 às 23:19
Não estou a menorizar a questão por eles serem ricos. A entrada nem é sobre eles, mas sobre a forma como a comunicação social substititui a informação pela emoção e de como, pelo meio, se deixou apoderar pela mesma.

Mas, já que falas nisso, aí tenho que concordar com o Pacheco Pereira. A forma como os media trataram este caso, e a complacência com a família, contrasta de forma flagrante com a cobertura da Joana.


De vida lux a 10 de Agosto de 2007 às 22:32
"Uma autêntica novela da vida real, ainda por cima com a vantagem destes já serem ricos e verdadeiramente famosos."

Bom, a novela criou-se e os pais foram-se enrolando nela -- nunca tinhas ouvido falar no casal antes da miúda desaparecer. Mas isto de os menorizar por serem ricos traz muita água no bico -- mesmo que o fossem, que não me parece o caso por passarem férias no Algarve (ah!), não me consegues mostrar a relevância dessa informação.

E depois, sem que te dês conta, já estás tu próprio a criar uma novela.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds