Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007
Parem as máquinas. O Nobel da Paz é um prémio político
O João Miranda não se cansa de criticar o prémio Nobel da Paz atribuído a Al Gore e ao IPCC. Não tem credibilidade científica e é politicamente motivado, diz. Ora, por muitas voltas que se dê, não há forma de negar que o Nobel da Paz é um prémio político. O João Miranda não concorda é com a política seguida este ano, o que, sendo perfeitamente legítimo, não tem o carácter conspirativo que nos quer vender.

Não está sozinho. Nos EUA, a direita republicana também não pára de lamentar a natureza política da distinção concedida a Al Gore. A Fox News e o New York Sun propuseram mesmo um nome alternativo, esse sim digno de vencer um prémio que entendem que deve ser apolítico. O general Petraeus, o responsável pelas tropas americanas no Iraque. Estão a ver a coisa, não é?

Quanto à credibilidade científica do prémio, também não há grande novidade. Toda a gente tem dúvidas, mas há umas que, pela forma como são colocadas, mais parecem certezas. Também aqui o João Miranda não está sozinho. Veja-se este anúncio, que foi transmitido o ano passado nas televisões americanas, a criticar o silenciamento comunicacional dos estudos científicos que negam a origem humana do aquecimento global e o degelo das calotes polares. Até agora, a única nega que originou foi a dos autores dos estudos pretensamente escondidos. Mas, claro, aqui não deve haver motivação política nenhuma, nem mesmo quando se descobre que os promotores desta campanha são financiados pela Ford, Phillhip Morris, ou a petrolífera Texaco. O nome do anúncio é todo um programa.:“Carbon dioxide. They call it pollution. We call it life.’”

Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 16:45
link do post | comentar |

Comentários:
De Blogueiro a 17 de Outubro de 2007 às 02:54
Não só é um prémio político como há quem diga que o aquecimento global que o Gore comenta não tem bases científicas.
Sinceramente não sei o que pensar desta ideia mas vejam no link:http://resistir.info/ .

Saudações


De Rui Curado Silva a 15 de Outubro de 2007 às 19:10
Além do mais ao contrário do que diz o JM o painel não tinha como opções apenas o SIM ou o NãO. Aliás a resposta deles foi SIM com mais de 90% de certeza e NÃO com menos de 10% de certeza. Poderia ser SIM 50% e NÃO 50% ou SIM 55% e NÃO 45%, ou SIM 37 NÃO 63%, etc. Mas pedir ao João Miranda que compreenda coisas destas é pedir muito àquela mente trapalhona....


De samuel a 15 de Outubro de 2007 às 19:04
E desde quando é que é uma boa "gestão de tempos livres", comentar ou perder tempo com as opiniões de João Miranda?


De Rui Curado Silva a 15 de Outubro de 2007 às 18:53
O problema do João Miranda é que ele não percebe um boi de ciência, escreve trapalhada atrás de trapalhada. O post em que ele critica o José Manuel Fernandes é uma vergonha para quem assina como investigador, o tipo não percebe minimamente como é funciona a ciência. Aliás, o post que vocês criticam é mais asneirada. O papel do IPCC não é o descrito, o papel do IPCC era compilar toda a ciência que foi feita no mundo e dali tirar conclusões.

Aliás o J. Miranda é o mesmo que andou a defender a charlatanice do Desenho Inteligente:

http://ablasfemia.blogspot.com/2006/09/finalmente-um-debate-de-jeito.html

Com que autoridade é que ele fala de ciência?


De abidos a 15 de Outubro de 2007 às 18:44
Existe uma nova teoria, apoiada pelas mesmas corporações, chama-se ARREFECIMENTO GLOBAL.

Resumindo, afirmam que alguns dos gases que vão parar à atmosfera, provocam a deflexão dos raios solares, não deixando o calor entrar !!! arrefecendo a atmosfera.

Dizem que os gases entretanto já proibidos, nos ultimos anos, provocavam este efeito, assim com a sua proibição, está-se a acelarar o aquecimento global, já que sem estes gases na atmosfera, os raios solares entram sem qualquer resistência, aquecendo o planeta !!!

A solução que eles apresentam é original: VOLTAR A PERMITIR, TODOS AS EMISSÕES QUE FORAM PROIBIDAS NAS ULTIMAS DECADAS !!!


De Rui M a 15 de Outubro de 2007 às 17:26
O que eu gosto desse anuncio!
È genial, até faz parecer que reduzir as emissões em excesso de CO2 é o mesmo que retira-lo todo da atmosfera, como se pudessemos para o ciclo do carbono.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds