Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2007
Portugal português
Amanhã entra em vigor uma lei que afecta milhões de portugueses e milhares de estabelecimentos comerciais, que têm que fazer avultados investimentos se quiserem ter espaço para fumadores, e ninguém se entende sobre os requisitos necessários para que a fiscalização reconheça a conformidade dos estabelecimentos à nova lei. Bem pode o Governo investir milhões nuns assépticos anúncios de promoção à costa oeste da Europa e esforçar-se para construir um país sem fumo e sem rissóis feitos em casa. O país não muda por decreto e, estava na cara, que uma lei com esta complexidade nunca estaria pronta a entrar em vigor na semana a seguir ao Natal e ano novo, com o país ainda a ressacar das compras e filhoses.

publicado por Pedro Sales às 18:26
link do post | comentar |

Comentários:
De Duarte C. a 4 de Janeiro de 2008 às 06:25
Uma vergonha para BE e para todos os pseudo-intelectuais de cariz esquerdóide. Se os fumadores querem fumar, vão para a rua e deixem os não fumadores em paz e a apreciar a comida ou o bate-papo num ambiente não poluído pelo fumo do tabaco.


De Anónimo a 2 de Janeiro de 2008 às 14:40
Pedro Sales, tu o que pedes é que se criem salas para fumadores em determinados serviços, nomeadamente públicos. Vamos ver por miúdos o que isto quer dizer. Tu tens em Portugal escolas sem aquecimento ambiente, a cair de podres. Em vez de gastares dinheiro a isolar trmicamente e a aquecer essas escolas, vais gastar dinheiro a construir uma espécie de "gaiola", hermeticamente isolada, e com aparelhos de extração de ar potentíssimos, que fazem um barulhão e gastam uns quilowatts de eletricidade, tudo isto para que meia-dúzia de senhores professores possam fumar dentro da gaiola em vez de irem fumar lá para fora. É isto um bom gasto de dinheiros públicos? Não, não é.

Tens repartições de finanças instaladas em prédios velhos, que pagam rendas de miséria aos seus senhorios e não pagam IMI às suas autarquias, e, em vez de gastares dinheiro a construir repartições de finanças decentes, vais gastá-lo a criar, sabe-se lá como, junto a cada repartição, uma salinha muito bem fechadinha onde os sehores funcionários possam ir dar uma passa em vez de o irem fazer ao ar livre. É isto que é servir o público e o contribuinte? Não, não é.

Já agora: a posição do Bloco sobre a nova lei foi abster-se em bloco (nem um deputadozinho, para servir de exemplo, votou a favor!) e pôr o João Semedo a fazer críticas mais ou menos inócuas. Ou seja: o Bloco andou de lado, como o caranguejo. Para um partido que diz ter "ideias fortes", fez uma figura muito triste.

Luís Lavoura


De Pedro Sales a 2 de Janeiro de 2008 às 12:24
Luís Lavoura,

Vamos lá a ver se nos entendemos. Já disse que, para mim, o problema da lei não está na sua aplicação nos cafés e restaurantes, mas sim em alguns locais de trabalho.

Quando dizes que o investimento para possibilitar a extracção do ar, e permitir a existência de restaurantes para fumadores, estás a incorrer naquilo que me verdadeiramente me assusta nesta lei, entende que é com base numa presunção moral que se define este quadro legal.

Por ti não sei. Eu trabalhei dois anos e meio numa Pizza Hut que tinha lugares para fumadores e não fumadores. Não fumo e nunca fumei e, dada o tamanho da sala, nunca me senti incomodado com o fumo.

As conclusões que tiras, a partir de um post meu, sobre a posição do Bloco é no mínimo precipitada. Se fores reparar, verás que o Bloco está bem mais próximo da tua posição do que da minha. Coisas da vida.


De Anónimo a 2 de Janeiro de 2008 às 10:38
"O investimento necessário para possibilitar a existência de espaços para fumadores é avultado"

avultado, e completamente desnecessário.

O Pedro Sales parece um representante da CIP ou de outra associação patronal a falar. É isso que me choca num tipo que se diz de esquerda. Em vez de defender os direitos dos trabalhadores, nomeadamente o direito a um ambiente de trabalho são, o Pedro Sales e o seu partido portam-se nesta questão como representantes do capital, temerosos do investimento que supostamene será necessário, pedindo um período de adaptação, e mais tretas do género. É perfeitamente vergonhoso, para não dizer mesmo nojento, em gente que se diz de esquerda, vê-los a comportar-se como se fossem os representantes do patronato, em vez de se preocuparem com a defesa intansigente do bem-estar dos trabalhadores, como seria sua obrigação.

Luís Lavoura


De Anónimo a 2 de Janeiro de 2008 às 10:34
Trabalhei três anos nos EUA numa universidade privada onde era proibido fumar. Os fumadores, de vez em quando, vestiam todos os casacos que tinham e vinham cá fora fumar o seu cigarrito. Não havia na universidade qualquer sala de fumo. As temperaturas exteriores andavam frequentemente pelos 10 negativos.

No nosso clima, cujas temperaturas raramente baixam dos 10 positivos, quem quer fumar que venha para a rua, tal qual se faz na América.

LL


De Anónimo a 2 de Janeiro de 2008 às 10:31
Pedro Sales, no Instituto Superior Técnico, onde trabalho, está em vigor a proibição total de fumar há já seis meses. A proibição funciona bem e ainda não vi ninguém protestar. Os trabalhadores que querem fumar saem do edifício temporariamente e fumam cá fora.

O mesmo é feito em grandes empresas, por exemplo um call center da PT por onde passo sempre que venho para o IST, e onde há sempre montes de jovens empregados a fumar à porta.

Salas de fumo em edifícios públicos são um desperdício de dinheiro e totalmente desnecessárias: quem quer fumar pode vir para a rua.

Luís Lavoura


De carlos a 2 de Janeiro de 2008 às 06:29
Eu, que não sou fumador, acho esta lei um absoluto exagero.
E não estou sozinho. O homem da ASAE, apanhado em flagrante cigarrilha, terá que concordar comigo.


De Pedro Sales a 1 de Janeiro de 2008 às 19:26
André,

A palavra pode não ter sido a melhor. Não queria fazer um juízo de valor, mas é inegável que é uma lei que, de um forma ou de outra, mexe com toda a gente. Mas, como já disse, a parte dos restaurantes parece-me a menos importante da questão. E a que menos oposição (nenhuma mesmo) me suscita. Coisa bem diferente são as restrições no local de trabalho e, principalmente, nos serviços do Estado.


De André a 1 de Janeiro de 2008 às 19:19
Pedro, Sugiro-te uma correcção ao texto: em vez de dizer que a lei afecta milhões de portugueses, sublinha que ela beneficia a grande maioria da população: pelas estatísticas, no nosso país existem cerca de 80% não fumadores.
bom ano para ti!


De Pedro Sales a 1 de Janeiro de 2008 às 18:08
Caro no smoke,

O investimento necessário para possibilitar a existência de espaços para fumadores é avultado, e, de acordo com as notícias e com um bar cujos donos conheco, não se sabe ainda bem quais são as especificações técnicas que devem ser seguidas para que o espaço seja autorizado para o efeito. Se forem todos espaços para não fumadores, tudo bem, é simples, a confusão começa quando se tenta arranjar estabelecimentos mistos.


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds