Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007
Democratização liberal
O João Rodrigues, no Ladrões de Bicicletas, diz quase tudo o que há a dizer sobre o mais recente artigo de Vital Moreira no Público, nomeadamente quando afirma não compreender como é que “o novo regime de crédito para estudantes do ensino superior é parte do processo de democratização do acesso à universidade”.

De facto, a experiência nos países que já seguiram esse caminho – conjugado com o aumento de propinas, também proposto por Vital Moreira - demonstra precisamente o contrário. Em Inglaterra, quando essa questão se colocou, surgiram várias notícias indicando que 63% dos jovens que não pretendiam frequentar o ensino superior faziam-no com receio do endividamento. Os elevados custos da frequência universitária são, também, uma das razões apontadas para o maior abandono escolar e percursos académicos mais curtos dos estudantes mais pobres (normalmente em escolas técnicas).

Num país como o nosso, em que todos os dias surgem notícias sobre a precariadade laboral da "geração 500 euros" e os 56 mil desempregados licenciados, não é difícil perceber as consequências sociais da generalização de um sistema de empréstimos associado ao aumento das propinas. É a fórmula mais certa para afastar os mais pobres do ensino superior e nunca para o democratizar, como parece acreditar Vital Moreira.

Os defensores do sistema de empréstimos não se cansam de dizer que esta medida chega atrasada ao nosso país, dando o exemplo dos EUA ou da Inglaterra. Deviam olhar com mais atenção, ler um bocado, e constatar que nem sempre é mau estar atrasado. Dá tempo para evitar os erros que outros já cometeram. Pena é que a lógica liberal se sobreponha, quase sempre, às evidências nas decisões mais estratégicas para o futuro do país.
Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 16:14
link do post | comentar |

Comentários:
De Pedro a 31 de Agosto de 2007 às 16:12
Pedro

Acho que não é correcta a avaliação que fazes do sistema Inglês. Essa estatística poderia ser válida também para Portugal, apesar de as propinas serem mais baixas. Mais, conheço pessoas que não foram para a Universidade quando ainda nem sequer haviam propinas exactamente porque os pais disseram que não tinham dinheiro para o fazer.

Mas mais importante do que isso é verificar que no sistema Inglês apesar de um decréscimo de candidaturas no ano seguinte à introdução de propinas (ou seja em 2006), em 2007 as candidaturas ás Universidades Inlgesas voltaram a crecer 7%. Mais, curiosamente o crescimento nas Universidades Escocesas, onde o parlamento regional decidiu não aumentar as propinas da mesma forma, cresceram muito mais devagar.

http://news.bbc.co.uk/1/hi/education/6360327.stm

Além disso olhando para a percentagem de alunos do ensino secundário que se candidatam á Universidade tanto em Inglaterra como nos EUA apenas demonstra que o valor das propinas não é a questão mais importante no momento de tomar essa decisão. O que interessa é o valor que as pessoas dão à educação e a expectativa que têm de melhorar a sua vida quando obtiverem essa educação. Se essa expectativa existir facilmente os indivíduos investem, da mesma forma que investem numa casa pedindo um empréstimo ao banco.

Por último, apesar de o número de licenciados no desemprego ter vindo a aumentar, as estatísticas mostram que um licenciado ainda tem muito mais facilidade em arranjar um emprego que um não licenciado.


De Nuno a 30 de Agosto de 2007 às 19:03
Objectivamente concordo que seriam essas as medidas que de facto democratizariam verdadeiramente o acesso! O constrangimento económico desapareceria!
Parabéns pelo excelente blog q acompanho diariamente!
Cpmts


De Pedro Sales a 30 de Agosto de 2007 às 13:45
Nuno,

O problema não está apenas nos empréstimos, mas na sua conjugação com um regime de propinas altíssimo: 4500 euros. É isso que afasta os mais pobres das universidades. A única solução passa pela acção social escolar e um regime de bolsas estatais.


De Nuno a 30 de Agosto de 2007 às 12:43
Os 63% de ingleses com receio do endividamento como faziam se não houvesse essa ferramenta? Frequentavam o ensino superior? Ou não frequentavam pq não têm meios financeiros para o fazer?
Mantendo tudo o resto constante tb me parece que a medida democratiza o acesso! Dever-se-ia começar a amortizar após arranjar emprego e não 1 ano após o final do curso e sem a certeza de estar empregado!


De joão a 30 de Agosto de 2007 às 02:24
Porque é que o vosso "feed" RSS está truncado?


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds