Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008
Morrer de tédio
Camilo Castelo Branco costumava ridicularizar Almeida Garrett, dizendo que só mesmo no Frei Luís de Sousa é que se conseguia encontrar alguém que tivesse morrido de vergonha. De vergonha não constam muitos registos médicos, é certo, mas parece que há quem acredite que o tédio pode matar. Não há outra explicação para a prestação de Vitor Constâncio na interminável audição que ainda está a decorrer na Assembleia da República sobre o "caso BCP". O tom monocórdico, arrastado e vazio parece programado para adormecer os deputados, jornalistas e quem o está a seguir na televisão. Ou, pelo menos, os que ainda conseguem contar 2+2 depois de ouvir as suas declarações.

publicado por Pedro Sales às 18:33
link do post | comentar |

Comentários:
De Isabela a 20 de Janeiro de 2008 às 22:32
Mas o CCB tinha telhados de vidro, porque a morte de Teresa enquanto o navio de Simão sai da barra, também não é lá muito... católica. Mas entre os dois venha o diabo.


De samuel a 19 de Janeiro de 2008 às 00:10
É uma habilidade. Talvez a única...


De st3veS. a 18 de Janeiro de 2008 às 22:44
epa isto do BCP foi um granda "jogo"...


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds