Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007
E quem não salta não é português
Depois de incontáveis horas de directos televisivos, ficámos a saber o nome e os anos de serviço da guarda-freio da Carris que conduziu o eléctrico que transportou os chefes de Estado. Também nos informaram que, como é costume, Sarkozy contornou ao protocolo e que a ministra dos estrangeiros austríaca é mais alta do que Sócrates, “que até não é um homem pequeno”. Horas e horas de cobertura noticiosa sobre um tratado e conhecermos tudo à excepção do tratado. Não é de agora. Nunca houve cobertura jornalística sobre os assuntos europeus no nosso país. O que existe é a leitura acrítica das posições defendidas pelo Governo em exercício de funções, assumidas como comentário e análise jornalística. É uma visão ideia completamente disfuncional sobre os interesses do país.

O Miguel Vale de Almeida fez um curioso exercício e comparou a cobertura que a imprensa portuguesa e internacional fez da Cimeira Europa/África. O estrondoso sucesso entre portas é substituído pelas críticas à ausência de resultados práticos e ao insucesso das parcerias económicas. A União Europeia, e os temas internacionais, são analisados pela imprensa nacional com o mesmo distanciamento e espírito objectivo com que são feitos os comentários televisivos dos jogos da selecção nacional de futebol. Não deixa de ser irónico que seja precisamente num processo de integração à escala europeia que mais se faça sentir o sentimento patrioteiro comunicacional.

Compreende-se, por isso, a agressividade com que parte dos comentadores começam a reagir ao que, há bem pouco tempo, era um consenso nacional que juntava todos os partidos: a existência de um referendo para ratificar o Tratado. Como diz hoje Paulo Baldaia, num editorial no Jornal de Notícias (sem link), não pode haver referendo porque pode dar-se o caso do povo ir às "urnas cuspir na mão que lhe deu de comer" e colocar "todos os outros 26 países a marcar passo". A conclusão é lapidar. Votar "não" é colocar Portugal fora da União e fora da Europa. O volte face está consumado. Já não existe referendo ao Tratado. Existe um referendo à Europa. É a chantagem máxima, para a política mínima.
Etiquetas: , ,

publicado por Pedro Sales às 20:36
link do post | comentar |

Comentários:
De A. Castanho a 18 de Dezembro de 2007 às 15:39
Acho inútil clamar pelo Referendo, quando o que está em causa é saber as consequências de um hipotético Referendo: quem defende o Referendo defende apenas o NÃO ao Tratado. Quem defende o Tratado está-se nas tintas para que haja ou não Referendo: mas, se o houver, que digam ao Povo qual o significado supremo do seu voto: do sim, como do não.


Que isto de brincar aos políticos em nome da Democracia não pode ser como os meninos a brincar com o fogo em nome da Liberdade: ainda alguém vai ficar queimado..


De Pedro Sales a 14 de Dezembro de 2007 às 17:35
Caro anónimo,

O Pacheco tem mais jeito em posts como estes e em muitos outros, para o bem e para o mal.

Filipe,

Também gostei bastante dessa frase do Rodrigo.


De Anónimo a 14 de Dezembro de 2007 às 15:48
Pedro, em posts assim, o pacheco pereira tem mais jeito


De sucedâneo a 14 de Dezembro de 2007 às 12:55
Também achei curioso chamarem "impasse" ao facto de a França ter democraticamente chumbado o projecto de tratado e "sucesso" à sua subsequente assinatura sem mais nem ontem, com caneta de prata e grande aparato.
O que sabemos para já é a cor da alcatifa e das gravatas, e a mariquice toda do cenário (à grande e à americana!). Mas podemos imaginar o que ali está: praticamente tudo o que estava antes mais a flexigurança.
Interessante ainda a manifestação de apoio futuro que Barroso deu a todos os deputados, afirmando que é "preciso coragem" para fazer passar isto nos parlamentos - sem consulta popular, entenda-se.
Ai mundo, mundo...quem te viu e quem te vê!


De Filipe Tourais a 14 de Dezembro de 2007 às 12:03
É precisamente essa a minha leitura. É claro que a altura da ministra austríaca e o metal das canetas não são questões passíveis de serem referendadas. Gostei bastante da frase «O sucesso do projecto europeu é proporcional à capacidade da Europa não pensar muito nisso» do Rodrigo Moita de Deus.


De panúrgio a 14 de Dezembro de 2007 às 03:05
a manipulação existe com ou sem referendo. a lógica é a da subtração da capacidade e da vontade de decisão das populações, quer a nível nacional como europeu, pelo que qualquer das alternativas que possam vir de uma lógica nesses moldes está condenada a um resultado idêntico


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds