Comentários:
De O-Lidador a 11 de Dezembro de 2007 às 10:41
Asneira. O Kadafi é de facto doido, mas o Pedro Sales não lhe anda muito atrás, com a habitual demagogia das "minas contra civis" e outras patacoadas do género.
As minas têm uma aplicação militar óbvia, destinam-se a interditar certas áreas ou a canalizar movimentos. São úteis em muitas operações, não para matar quem lá cai, mas para evitar justamente que alguém passe por ali. É por isso que se sinalizam os campos de minas....para indicar ao inimigo que não deve ir por ali.

Os exércitos organizados registam e mapeiam os campos de minas que lançam, para os poderem levantar assim que não são necessários.
O problema em África e nas guerras do terceiro mundo, é que aquela malta não só nã faz registos, como se esquece da sementeira.

Mas o problema não é das minas...é de quem as usa.

É como uma faca, meu caro. POde servir para furar o bucho do cidadão do lado, mas tb para barrar o pão com manteiga.

O problema não está na faca...está na sua cabaça.


De Pedro Sales a 7 de Dezembro de 2007 às 16:46
Caro Luís,

Aprecio o seu esforço para comparar a riqueza de países que têm petróleo com alguns dos países mais pobres do mundo. Mas, sobre o que está em causa, também defende a existência de minas terrestres? E a democracia, só se critica a sua "claustrofobia" em Portugal para convivermos e aceitarmos com naturalidade qualquer ditador que por cá apareça?


De Luis a 7 de Dezembro de 2007 às 03:56
Números

# O índice de desenvolvimento humano na África Sub-Sahariana, em 2005, era de 0,493. Nos países da OCDE era 0,916. O IDH estabelece a relação entre a riqueza, e os níveis de alfabetização, esperança de vida ou natalidade. Quanto mais próximo de 1 for o índice, mais desenvolvido será o país. Os dados são do relatório anual de desenvolvimento das Nações Unidas;

# Na mesma região, a esperança média de vida é de 49,6 anos. Se na Líbia, esta atinge os 73,4 anos, em países como a Zâmbia, a Suazilândia ou a Serra Leoa ronda os 40;

# O empobrecimento do continente é visível pelo ano em que se verificou o mais elevado PIB per capita. Em Madagáscar e na República Democrática do Congo foi em 1975, enquanto que na Etiópia, na Mauritânia, Zâmbia ou Gabão foi no ano seguinte. Em contrapartida, Angola ou Argélia verificaram o seu PIB mais elevado em 2005 (os dados abarcam o período entre 1975 e 2005);

# Só 76 por cento das crianças com 1 ano na África Sub-Sahariana são vacinados contra a tuberculose. No norte, na Líbia, este valor atinge os 99 por cento;

# No Chade, só 14 por cento dos nascimentos são acompanhados por profissionais de saúde. Na Eritreia o número é ainda mais dramático: 6 por cento. No outro lado, encontra-se a Argélia, com 98 por cento, ou a Líbia, com 95 por cento;

# A mortalidade infantil é uma verdadeira tragédia no continente africano. Na Serra Leoa, por cada mil nascimentos morrem 164 crianças. Em Angola, 154; no Níger, 150; na República Democrática do Congo, 129; no Chade e na Guiné-Bissau 124. Na Maurícia esta taxa fica-se pelos 13 e na Líbia 18. Os dados são de 2005;

# No Malawi, por 100 mil habitantes há 2 médicos. No Burundi ou na Etiópia há 3. Por outro lado, a Tunísia tem 134 médicos por 100 mil habitantes e a Líbia 129.

http://www.avante.pt/noticia.asp?id=22479&area=9


Comentar post