Sexta-feira, 22 de Junho de 2007
Simplex, simplex, despedidex
Alice Marques viu o primeiro-ministro na televisão a anunciar o simplex. Acreditou nele. Afinal, sempre eram 333 medidas que iam pôr o país à andar e pôr um ponto final na burocracia no Estado. O que ninguém explicou à Alice Marques é que, juntamente com a papelada, também se punha um ponto final na confidencialidade dos dados. Descobriu-o agora, pela pior via. Foi despedida e prejudicada na indemnização que deveria receber.

Acreditando nas promessas do nosso primeiro, resolveu solicitar, no portal do Governo, informação sobre a situação fiscal da empresa onde trabalhava, a Mendes Godinho, que estava a fechar as portas e a negociar as rescisões com os seus empregados.

Fazer uma queixa no portal do Governo, cuja privacidade deveria ser garantida pelo Estado, foi a única medida simplex. A partir daqui, a denúncia foi andando de direcção geral em direcção geral até chegar à Parpública. Como a Parpública participa do capital da Mendes Godinho, a sua chefe ficou a conhecer toda a história. Foi encostada à parede e obrigada a aceitar o montante que a empresa fixou. Perdeu 3500 euros. Agora, a Alice Marques, que vai pôr o Estado em tribunal, já conhece como funciona o simplex. Uma propaganda bonita para esconder a confusão do costume.

publicado por Pedro Sales às 16:57
link do post | comentar |

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds