Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007
Os números são uma chatice
Esta semana, através de vários estudos do Eurostat e de pequenas notícias nos jornais ou suplementos económicos, ficámos a saber que os portugueses ganham menos 40% do que a média europeia e que o fosso salarial entre os mais ricos e os mais pobres em Portugal voltou a bater recordes, estando quase duas vezes acima da média europeia a 15. Ainda antes das alterações às reformas aprovadas pelo Governo, já somos o terceiro país onde as pessoas trabalham mais anos e se reformam mais tarde da Europa a 25. Com uma economia praticamente parada, as cem maiores fortunas do país cresceram quase 40% no último ano, e, se já se sabia que somos o segundo país da Europa com mais trabalhadores a prazo, o Eurostat veio dizer-nos que, nos últimos cinco anos, duplicaram os trabalhadores que estão nessa situação apenas porque não arranjaram outro trabalho.

A distância que vai entre estas notícias e o discurso que tomou conta de quase todas as colunas de opinião ou comentários televisivos é revelador do abismo, cada vez maior, entre a opinião publicada e o dia-a-dia dos portugueses. Não há dia que não sejamos bombardeados com a necessidade de manter e reforçar a contenção salarial, desregular um mercado de trabalho demasiado rígido e pouco flexível e cortar e limitar as regalias sociais de que gozam os trabalhadores. Nada disso bate certo com o que se passa no país? Não importa. O discurso liberal tornou-se um dogma (ganhando espaço mesmo entre a direita não liberal) e, de tanto repetir, as suas máximas tornaram-se verdades universais que não se discutem nem precisam de se confrontar com minudências como as estatísticas oficiais. A realidade dos números é um pormenor que não afecta o grande cenário. A ideologia é que conta. Até porque, como o Pacheco Pereira nos faz o favor de avisar semana sim semana não, o discurso da imprensa está tomado pela esquerda. O importante é continuar a pressão e evitar que as estatísticas oficiais tenham o destaque que merecem.

publicado por Pedro Sales às 09:30
link do post | comentar |

Comentários:
De Mentiroso a 18 de Agosto de 2007 às 05:38
Já há muito tempo que sabíamos isso e foi esquecido. Daqui a uns tempos voltará também a esquecer-se o que agora ainda está fresco. A propaganda politiqueira e corrupta, ajudada pela jornaleirada que encobre, encarrega-se de cobrir os carneiros com uma capa de amnésia. Novidade?


De Pedro Sales a 17 de Agosto de 2007 às 19:17
Real,

Nem 8, nem 80. Não sei como é que tiras essa leitura do que escrevi. O Governo não tem as mesmas posições do Compromisso Portugal ou, até, do que a maioria dos comentadores da imprensa. Até aí concordo, a partir daqui é leitura tua.


De Saurium a 17 de Agosto de 2007 às 18:14
Visitem o blog WWW.VILA-DE-SOURE.BLOGSPOT.COM deixem o vosso feedback...

Obrigado!


De Anónimo a 17 de Agosto de 2007 às 17:03
Real bajulador... Reformar significa oferecer um futuro melhor. O que se passa é cortar. Se estamos em contenção, porque razão o Estado paga o parque que está no interior do Min. Finanças, com jipes Porche, carrinhas Audi consideradas veículos de trabalho?


De Anónimo a 17 de Agosto de 2007 às 15:35
Ainda bem que reconheces que a política reformista do governo é para salvar o estado social e não para o desmantelar como quer a direita. Ainda bem que clarificas, pois ultimamente a bebedeira doutrinária tem feito furor lá para as tuas bandas. Nada como pensar pela própria cabeça. Um aplauso.

Real


De Pedro Sales a 17 de Agosto de 2007 às 13:46
Real,

O post não tem nada a ver com o governo, mas sim com os liberais do Beato, de que tu falas, que ocupam o espaço comunicacional todo e parecem falar de um país qualquer que eu não conheço e que as estatísticas teimam em não identificar com Portugal.


De tron a 17 de Agosto de 2007 às 13:37
em compensção o suposta aluno liceal Sócrates ganha mais que Putin e nem metade das dores de cabeça que Putin tem, tem o aluno liceal.
Fica desde já o convite para passar no meu recanto da blogsfera.


De Anónimo a 17 de Agosto de 2007 às 11:06
Um dos grandes problemas que se põe à governação da esquerda reformista é o de ter que fazer avaliações do alcance dessas reformas no curto prazo. Ora é sabido que por serem reformistas e, sobretudo, se forem de esquerda, os resultados só podem ser vistos a médio e longo prazo. Só para dar um exemplo. A mobilidade na f pública pressupõe que o funcionário colocado nessa situação possa receber até ao fim da vida e em acumulação com outro emprego, 60% do seu salário actual. É óbvio que os resultados desta medida, no conjunto da despesa do estado, só terão efeitos a médio e longo prazo. Todavia se a solução fosse aquela preconizada pela direita através dos sábios do Beato, despedir 200 mil funcionários públicos, esses resultados seriam imediatos. O interessante é que as críticas do Pedro Sales esperar-se-ia que viessem, justamente, da direita, mas não vêm. Das duas uma, ou o Pedro quer e deseja o PS a governar com as políticas da direita, ou apenas faz demagogia para mera cosmética de interesse partidário. Ambas são lamentáveis.

Real


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds