Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007
No creo en brujas, pero que las hay, las hay
Vai para um mês que Alberto João Jardim e o governo se envolveram num braço de ferro sobre o cumprimento da lei do aborto nesta região autónoma. Pelo meio, José Sócrates foi entrevistado na SIC e asseverou, com uma rara convicção, que a lei iria ser cumprida. Há dois dias, e sem que nada o fizesse prever, João Jardim cedeu e esclareceu que, afinal, o orçamento para 2008 da Madeira lá teria uma verba para a realização do aborto nos hospitais da região.

Desde Novembro que o Governo vinha negociando uma extensão temporal do regime de benefícios fiscais para as empresas não financeiras na zona franca da Madeira. O novo regime, ontem aprovado em Conselho de Ministros, já tinha recebido autorização da União Europeia e significa uma redução de impostos, no valor de 300 milhões de euros, para as empresas não financeiras sediadas na ilha. Não tenho particular apreço por teorias da conspiração, mas não deixa de ser uma extraordinária coincidência que, sem nada que o faça prever, a acalorada resistência de João Jardim tenha sido quebrada na véspera do Governo desbloquear uma das principais medidas para compensar os custos da região como zona ultraperiférica. Pode tudo ter sido tudo um estranho acaso, mas lá que dá que pensar sobre a forma como funciona politicamente o “grande líder” de Marques Mendes, lá isso dá.

publicado por Pedro Sales às 14:26
link do post | comentar |

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds