Sábado, 21 de Julho de 2007
Foi bonita a festa, pá
18 ministros e secretários de Estados, um por distrito, distribuíram hoje 360 computadores portáteis a formandos do programa “Novas Oportunidades”. Não sei o que foi mais serôdio e provinciano nesta cerimónia. Se a crença de que, distribuindo um computador a cada um, se resolvem os problemas de infoexclusão e a desigualdade no acesso à informação, se a facilidade com que os assessores de comunicação mobilizam todo o governo para uma pura acção de propaganda.
Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 23:33
link do post | comentar |

Comentários:
De Pedro Sales a 22 de Julho de 2007 às 16:47
Caro Lino José,

Não me referi ao programa "novas oportunidades", como deve ter reparado. É um bom programa, recuperando, aliás, uma das melhores iniciativas dos governos Guterres - o reconhecimentos das aprendizagens informais e a certificação dessas competências.

Outra coisa bem diferente é o discurso neo-positivista sobre os computadores, encarados como a chave para a resolução de todos os atrasos na formação e iliteracia. O computador é uma ferramenta. Sem a formação e um objectivo para a sua utilização é uma ferramenta sem utilidade. Esta história faz lembrar quando Mariano Gago, na última vez que esteve no governo, colocou um computador em cada escola e metade deles ficou a ganhar pó porque os professores não sabiam o que fazer com eles. Muitos anos passaram, e os conhecimentos informáticos estão hoje mais generalizados, mas dá para ter uma ideia.

Bill gates é o empresário mais bem sucedido das empresas ligadas ao mundo da informática. É, também, dos poucos que é reconhecido publicamente. A razão da foto é essa, escusa de andar à procura de fantasmas que só existem na sua cabeça.

Já que tanto fala de folclórico. Acaso leu o que escreveu e as dezenas de adjectivos que espalhou em meia dúzia de parágrafos. Puro folclore, meu caro. E do mau.


De Lino José a 22 de Julho de 2007 às 13:57
Quer dizer, facultar um computador, que é uma ferramenta, por menos de metade do preço, a 500 mil pessoas, ao mesmo tempos que se lhes dá a oportunidade de formação através do programa Novas Oportunidades, independentemente da idade, é provinciano ?

Chama-se a isso política rasteira e de sarjeta, típica da esquerda retrógrada e reaccionária que todos conhecemos. É a politica do quanto pior melhor.

É a ideologia do bota-abaixismo.

Meu caro senhor, o governo forneceu as ferramentas a essas pessoas. Ao mesmo tempo, deu-lhes os meios e a oportunidade de se valorizarem, com essas ferramentas. O resto depende delas, do esforço e da capacidade individual de cada uma.

O vosso problema é de natureza ideológica. São fanatizados, complexados, anti-democráticos, têm uma visão estreita do mundo, e têm um ódio de estimação : os Estados Unidos !

Por isso não me surpreende a foto do Bill Gates a encabeçar a verborreia.

Mas é assim, vocês são uma espécie em vias de extinção. E são-no cada vez mais, à medida que as pessoas forem ganhando autonomia, mercê de programas deste género, e da consciencialização de cada um de nós de que o futuro está nas mãos de cada um não está nas nossas mãos, não está nas maõs de um qualquer Comité Central.

Por isso é que vocês não gostam de iniciativas e de programas como este que o governo lançou. Porque sabem que, a prazo, estas politicas irão fazer de vocês grupelhos mais ou menos folclóricos a que ninguém passa grande importância.


De AChata a 22 de Julho de 2007 às 12:40
A festa do incentivo à natalidade também não esteve má.
O ridiculo dos números é de bradar aos ceus.
Será que o sr. Socrates tem ideia do preço do pacote de fraldas?

Incentivos para familias com rendimentos inferiores a 198,93 euros/mês para terem mais crianças?
Familias com cerca de 6 Euros/dia para tentar sobreviver passam a receber 130 Euros/mês para criar uma criancinha.

E que vida futura tem para oferecer a estas crianças? Que educação? Que saúde? Que emprego?

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1300036

Isto para já não falar no problema de excesso de população Mundial, que continua a crescer, talvez não em portugueses ou alemães mas, continua a crescer.
Os recursos básicos, água potável e alimentação, é que não estão a acompanhar.

E a festa continua...


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds