Sábado, 4 de Agosto de 2007
quando a arte choca com a segurança nacional
via NYT

Duke Riley executou esta 6a mais uma proeza anti-establishment, preparando-se para assaltar o Queen Mary 2, atracado em NY, com uma réplica do "submarino tartaruga" que se pensa ter sido usado para minar um navio inglês durante a guerra de independência. Estavam lá todos a assistir: os polícias, que prenderam Riley, e os seus galeristas e agentes -- deliciados com a publicidade gratuita (btw, o submarino estará em mostra a partir desta semana em Chelsea, NY).

No Dead Horse Inn, Duke Riley e camaradas ocupam uma ilha em vias de desaparecer ao sul de Brooklyn para uma noite de libação e caranguejos a 5 cêntimos. Fazem-no uma vez por ano, reclamando o vazio legal em que aquela porção de terra caira até 1935, quando a barracada acabou. Mas o que me pergunto é se na paranóia colectiva do terror será ainda possível desafiar pela arte (e de que forma) "as residuais fronteiras, esquecidas e por reclamar, nos limites e confins de espaços urbanos, e a sua insuspeita autonomia" (do site de Duke Riley)? Ao jeito da "Insurrecção Internacional" do novo proletariado de Lumpen artistas?

A julgar pelo relatório da polícia, estaremos seguros: "A makeshift submarine discovered at about 10:30 this morning by an N.Y.P.D. Intelligence detective on board the Queen Mary 2 in New York Harbor is the creative craft of three adventuresome individuals. It does not pose any terrorist threat."

publicado por Filipe Calvão às 17:36
link do post | comentar |

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds