Terça-feira, 4 de Setembro de 2007
Mais perto do que é importante
A partir de 2008, as crianças portuguesas entre os seis e os onze anos vão ter aulas de publicidade nas escolas públicas, no âmbito do programa Media Smart. De acordo com os promotores, o objectivo é ensinar temas e conceitos relacionados com a comunicação comercial e não comercial, pretendendo integrar as matérias lúdico-didácticas concebidas por este programa nos currículos do 1.º ciclo, fornecendo às crianças “ferramentas para descodificarem a publicidade e aguçarem o sentido crítico”. Daqui a três anos, dizem os organizadores, esperam estar em metade das escolas portuguesas.

Aqui chegados talvez valha a pena sabermos quem é que dá a cara pela Media Smart. Nada mais nada menos do que a Associação Portuguesa de Anunciantes. Participam no Comité de Direcção do Programa, que tem como objectivo “assegurar a correcta implementação do projecto no terreno”, todos os patrocinadores do Media Smart. À frente deste comité aparece o director-geral do Grupo Nestlé em Portugal, António Saraiva de Reffóios, e os financiadores até agora conhecidos são a Danone, Kellogg´s, Modelo/Continente e, claro, a própria Nestlé.

Nada nesta iniciativa bate certo, a começar pelo extraordinário facto do Ministério da Educação abrir as portas a empresas privadas para, nas escolas públicas, ensinarem e divulgarem conteúdos programáticos. O ME associa-se mesmo, através da Direcçção Geral da Inovação Curricular, a estas empresas para a definição dos currículos e métodos de aprendizagem. Bem sei que o Governo tem um problema com a ocupação dos tempos livres dos alunos, e fica mais barato concessionar a formação pública a generosas empresas privadas do que a entregar aos tais professores que agora ficaram de fora do concurso, mas a decência tem limites abaixo dos quais não se deve descer.

Mas a verdadeira aberração deste projecto é que estes senhores, com o apoio do Ministério da Educação, estão a tentar fazer-nos acreditar que algumas das empresas que mais milhões de euros gastam em publicidade destinada às crianças, e a encharcar os miúdos com toneladas de açúcar, vão gastar dinheiro para irem dizer ao seu público alvo para não acreditarem nos seus anúncios. Não é preciso ir a uma aula Media Smart para perceber que isso tem um nome: publicidade enganosa. Este disparate tem tanto sentido como o Ministério da Educação convidar a associação República e Laicidade para ministrar as aulas de Religião e Moral nas escolas, ou convidar a Bayer e a Roche para promover a generalização de genéricos.

Este programa já está a funcionar há muitos anos em vários países, como o Canadá e Inglaterra,  diz a Associação Portuguesa de Anunciantes. Tudo bem. Mas, lá como cá, o motivo é sempre o mesmo. Prevenir a crescente pressão que os consumidores, pais e poder legislativo tem vindo a fazer para a diminuição, ou proibição, de anúncios que estimulem o consumo de comida com elevados níveis de açucar e calorias às crianças. Juntando-se debaixo deste simpático chapéu, as empresas envolvidas lançam campanhas de charme para nos chamarem a atenção para o seu elevado sentido de responsabilidade social. Compreendo que o queiram fazer, e até acho legítimo, mas nunca nas escolas públicas, disfarçado de conteúdos programáticos e curriculares.

A obesidade infantil é o maior problema de saúde pública das sociedades modernas e ninguém quer ficar mal na fotografia. A McDonald´s começou a vender saladas e sopas. A Danone e a Nestlé pagam a formadores para tentarem incluir os seus conteúdos programáticos nas escolas do 1º ciclo. Que o Ministério da Educação suporte, e apoie, esta campanha de branqueamento da imagem é que ultrapassa todos os limites do concebível e razoável.

publicado por Pedro Sales às 14:21
link do post | comentar |

Comentários:
De Anónimo a 7 de Setembro de 2007 às 13:11
Que autêntica palhaçada!


Para quando uma lei da objecção de consciência para quem não quer ser alvo de mensagens publicitárias?


Para quando Cidades, Municípios, ou Regiões (e, por que não, Países) LIVRES DE PUBLICIDADE?


Eu pago os impostos que forem necessários para não ter que ver publicidade!


De Eduardo Pereira a 5 de Setembro de 2007 às 18:44
Onde será que eu já ouvi isto?


De samuel a 4 de Setembro de 2007 às 23:24
Espera-se ardentemente o curso intensivo de dicas e truques promovido pela Sony com o fim de "controlar" a ciguêra dos cachopos pela Playstation.


De Karl Macx a 4 de Setembro de 2007 às 23:04
Cada vez mais me convenço que para se ser Ministro deste Governo é condição sine qua non ser um completo idiota... ou fazer da maralha completos idiotas...


De José Luiz Sarmento a 4 de Setembro de 2007 às 19:34
Pôr a raposa de guarda à capoeira...


De André a 4 de Setembro de 2007 às 16:46
precisavamos era de uma legislação forte que travasse a publicidade dirigida às crianças...
já existe no reino unido e em alguns paises nórdicos. além de combater o consumismo, foi também pensada para combater um dos maiores problemas de saúde nos países desenvoolvidos, a obesidade infantil...
cumprimentos
A


De Marco Gomes a 4 de Setembro de 2007 às 16:39
Esta acção por parte da Media Smart é o que se chama de um bom investimento a curto, médio e a longo prazo. Um bom exemplo de coacção por parte das elites burguesas em detrimento de uma educação verdadeiramente sã e pedagoga.


De Alexandre a 30 de Março de 2008 às 19:29
Os Senhores não sabem do que falam... Sabem o que é a Associação Portuguesa de Anunciantes???

1 - O Dr. António Reffóios já esclareceu todos os grupos parlamentares a respeito deste tema e ficou claramente provada a seriedade e boas intenções deste programa!

2 - O Prof. Roberto Carneiro é m dos mentores deste programa... ninguém fala nele porque? Quais são os seus interesses? Será que o vêm a pactuar com falcatruas... um dos melhores ministros da educação que já tivemos!

3 - Expliquem lá melhor qual é a lógica de empresas concorrentes com a Nestlé , Kellogs e Danone fazerem um jogada suja do nível que os Senhores aqui falam? Isto para além de imoral, poderia também ser considerado uma questão de concertação de preços.

4- Se realmente houvesse sinais de falta de seriedade do Dr. Reffóios Nestlé ) e dos outros representantes, não seriam as outras marcas as primeiras a insurgir-se???

5- Só a titulo de curiosidade, no programa Media Smart não é mencionado por vez nenhuma qualquer das marcas que financia esta campanha!

Continuem a acreditar nesses Bloquistas de Esquerda que fazem acusações sem conhecimento de causa e que depois metem a viola no saco (como teve que fazer a Deputada Ana Drago e o Dr. Francisco Louçã...)

Cumprimentos
Alexandre


De Gontier Jean-michel a 29 de Junho de 2015 às 18:56

Boa noite.
O meu Nome é Gontier Jean-michel .
Ponho à vossa disposição um empréstimo a partir de 2500€ tenho 2500. 000€ à condições muito simples. Faço também investimentos e empréstimos entre particular de todas as espécies. Ofereço créditos curto, médio e longo termo em colaboração com o meu advogado. Ignoramos dos vossos usos e as nossas transferências são asseguradas por um banco para a segurança da transação. Para todos os pedidos feitos propostas em relação às taxas de interesse variável de 2% à 5% e os escalonamento de pagamentos e serei à vossa ajuda. Por último quer aa mim juntar-se email: gontier.michel@outlook.com


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds