Terça-feira, 18 de Dezembro de 2007
Debate à Esquerda 3: Que Internacionalismo?
No debate blogoesférico à esquerda, uma das divisões mais claras foi suscitada pela “questão nacional”. Pego agora nela e deixo para futuras discussões a questão do modo comum de produção política que ali prometera retomar. Sobre a “questão nacional” quero nomeadamente discordar da ideia de que a relação política da esquerda com o estado-nação (melhor talvez dizermos Estado nacional) deva ser uma relação instrumental. Esta ideia, que tem uma longa história mas que se consolidou recentemente com o debate sobre o tratado constituinte chumbado em referendo na França e na Holanda - um debate em que a discussão à esquerda, pelo menos em Portugal, se reduziu muitas vezes a uma discussão sobre o conteúdo mais ou menos neoliberal da constituição e esqueceu outras tantas vezes a questão da forma mais ou menos supranacional da constituição - tem que ser liminarmente rejeitada. Não podemos aceitar a concepção de que o Estado nacional é uma simples forma à espera de ser substanciada com os conteúdos propostos pelos diferentes agentes políticos. E não podemos desde logo porque a redução do Estado nacional a simples forma – ou melhor, uma simplificação tão rude da questão da forma – coloca dois problemas históricos muito evidentes. Por um lado, na concepção instrumentalista do Estado nacional, a figura do Estado ressurge como espaço de poder neutro, instrumentalizável, criando-se a ilusão de que basta os socialistas tomarem conta do governo e do aparelho de Estado para que o Estado se torne socialista, a polícia do Estado se torne socialista, a política externa do Estado se torne socialista, etc.. Por outro lado, a nação surge aqui como uma entidade apropriável (desejavelmente apropriável) pela esquerda, na senda de um patriotismo socialista – o famigerado “nacional na forma, socialista no conteúdo” do Stalin de 1920's – que necessariamente recusa a mundialização das lutas.

publicado por José Neves às 19:37
link do post | comentar |

Comentários:
De Joshua a 19 de Dezembro de 2007 às 16:44
Que treta do caralho, Zé. Olha, Feliz Fodimal!


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds