Sábado, 28 de Julho de 2007
Governo virtual
O Ministério da Justiça criou um centro de mediação de conflitos e arbitragem no Second Life. Está certo. Como não consegue resolver os crónicos atrasos do nosso sistema judicial, alguém deve ter dito ao ministro Alberto Costa que talvez fosse melhor alhear-se de vez da realidade e criar uma ilha no jogo da vida virtual. Fica a consolação provinciana de que “somos os primeiros”. Pois, por alguma razão mais ninguém se lembrou de colocar o sistema judicial a regular um jogo de computador...

Aparentemente, ninguém no governo terá reparado no ridículo que é criar uma mediação de conflitos virtual ao mesmo tempo que se deixa, todos os anos, prescrever milhares de processos e outros milhares se arrastam por tempo indeterminado. Processos que custam dinheiro a sério, e não trocos virtuais. Que contam na vida das pessoas e na economia do país.

Este gesto, aparentemente insignificante, é uma das melhores metáforas sobre o “moderno” estilo de governação de José Sócrates. Mediar o quê e para quê? Não importa, o que conta é a forma e a forma é como aparece nas notícias. Dá a ideia de que somos modernos e tratamos a tecnologia por tu. Depois, se não houver ninguém para encher as salas virtuais, não há problema: contrata-se uma agencia de casting virtual. Se não existir, melhor. Ainda vamos a tempo de criar uma e dizermos que, mais uma vez, estamos no pelotão da frente. 

ps: Sobre os verdadeiros números do Second Life, vale a pena ler este artigo da Wired 

Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 16:10
link do post | comentar |

Comentários:
De Luísa a 29 de Julho de 2007 às 11:50
concordo. bom post.
ainda por cima o second life, pela sua lógica de funcionamento, tende a reproduzir a realidade não-virtual. na volta, tb lá os processos vão acumular.
acrescento q fiquei receosa de q alberto costa se dedique a jogar simcity durante o próximo mandato.


De Jam a 29 de Julho de 2007 às 00:52
No outro extremo, é deprimente a reprovação recorrente da Ordem de Advogados a qualquer tentativa, por parte de advogados, de formar centros virtuais (e até físicos) deste género. Se o virtual pode ser exagerado, não é mais do que uma extensão da sua 'doutrina' em relação a "lojas" de advogados, que fomentam uma maior proximidade e abertura, que se nota quando estão em causa questões mais 'simples'.


De GWB a 28 de Julho de 2007 às 21:01
Muito bem vista esta entrada.
E, não nos esqueçamos que é o dinheiro dos cidadãos que irá financiar o tempo gasto por estas criaturas, que irão se dedicar aos "avatars".
Quem será o privilegiado do gabinete do ministro que irá brincar o dia todo às mediações no SL?
É um grande benefício poder enfiar-se num mundo de faz de conta, sem dúvida, enquanto a realidade dói cá fora.
Se calhar é o que o Governo Sócrates pensa de tudo. Não distingue os humanos dos avatars e pensa que tudo é um jogo. Aplicam o que aprenderam sobre gestão em algum jogo de computador onde o fundamento do jogo era conter o défice, e onde pouco importava a vida dos cidadãos.
E, mesmo que os cidadãos barafustassem, não havia nada de mal - é um jogo.
Sócrates que se cuide, porque o seu governo nas próximas eleições ainda recebe um "game over".


Comentar post

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds