Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008
mensagem interna
Feito. Freddie, Monserrat, avisem a malta.
Start the celebration!

publicado por Vasco Carvalho às 17:01
link do post | comentar | ver comentários (5) |

Egoshow

Qualquer pessoa que apenas tenha acompanhado o debate quinzenal com o primeiro-ministro através do seu resumo televisivo, pode ser levado a pensar que não aconteceu mais nada para além da longa troca de arrufos entre Paulo Portas e José Sócrates sobre a origem dos calotes e a excelência da dentição. Um assunto que, como se percebe, preocupa sobremaneira os portugueses que se encontravam suspensos de tão elevada discussão, também conhecida como "o meu umbigo é melhor do que o teu".
Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 16:07
link do post | comentar | ver comentários (1) |

A verdadeira notícia...
...da sondagem efectuada pela Universidade Católica não é que o PS não garante a maioria absoluta, mas que, em 1247 inquiridos, não tenha sido possível encontrar alguém que considerasse "muito bom" o "desempenho geral do Governo".
Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 15:40
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Parafraseando Menezes


“Parafraseando John Wayne sinto nesta altura que está quase toda a gente contra mim excepto o povo”. Aproveitando a até aqui desconhecida veia cinéfila de Menezes, revelada na inesquecível entrevista à Sic Notícias, o Zero de Conduta tomou a liberdade de recomendar algumas citações para o actual líder do PSD utilizar quando entender conveniente e que, em nosso entender, se ajustam ao seu perfil politico:

“Parafraseando Al Pacino, mantém os teus amigos por perto, mas os teus inimigos mais perto ainda". Godfather II.

Parafraseando Tom Hanks, “a minha mãe dizia sempre que a vida era como uma caixa de chocolates: nunca se sabe o que vai sair dela. Forrest Gump.

Parafraseando Cary Grant , No mundo da publicidade não existe a mentira. Existem apenas expedientes oportunos. North by Northwest.

Parafraseando Woody Allen, há uma velha piada, ah, duas mulheres idosas estão no Catskills Mountain Resort e uma delas diz "A comida aqui é realmente má". A outra responde-lhe: "Pois, eu sei, e as doses são tão pequenas". Bom, é isto que eu sinto acerca da vida. Annie Hall.


publicado por Pedro Sales às 10:21
link do post | comentar | ver comentários (2) |

As fotografias que viveram duas vezes
A Vanity Fair pediu a várias estrelas de Hollywood para refazerem algumas das mais emblemáticas cenas dos filmes de Hitchcock. O resultado pode ser visto aqui, o filme da sessão fotográfica aqui.
Etiquetas: , ,

publicado por Pedro Sales às 09:55
link do post | comentar |

Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008
O frete
Não deixa de ser engraçado ver todos aqueles que, num passado bem recente, propuseram o fim da contribuição estatal para a RTP defenderem agora o fim da publicidade no canal público. O argumento é sempre o mesmo. Se a RTP não presta nenhum serviço público e a sua programação não se distingue em nada da concorrência privada, então que se corte a torneira ao seu financiamento.Quem assim fala, como é evidente, nunca passou os olhos pela programação da SIC e TVI. Senão vejamos a variedade da oferta dos 3 canais, no horário nobre, para a próxima semana.

Depois dos noticiários, tudo o que a SIC e TVI nos têm para apresentar é o humor inqualificável dos Malucos do Riso e Batanetes e 3 horas diárias de telenovelas. Entre a meia-noite e a uma da manhã lá começam as séries ou os filmes. A RTP, por seu lado, apresenta-nos um concurso diário, filmes às 23 horas, programas de debate como o Prós e Contras, Bastidores do Poder e o de Maria Elisa, e os comentários de Marcelo ou António Vitorino. Pelo meio ainda têm a série de reconstituição histórica, Conta-me como Foi e várias séries de produção nacional, como a que passou no centenário do Regicidio.

A RTP podia ser melhor? Claro. É igual aos privados. Não, claro que não. Se querem acabar com a televisão pública, ou reduzi-la a um papel residual como a PBS norte-americana, que o digam. Tudo o resto, não parece passar do preconceito do costume contra tudo o que é público e a frete aos canais privados.  


publicado por Pedro Sales às 16:53
link do post | comentar | ver comentários (6) |

80 anos de cinema em cartaz

Vale a pena consultar este site, onde se pode ver os cartazes de todos os filmes galardoados com o Oscar para melhor filme do ano.
Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 05:40
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2008
Governar pelo (mau) exemplo

A CP vai encerrar os 3 infantários que disponibiliza para os filhos dos seus funcionários. Diz a empresa que pretende, com esta medida, promover a “justiça social”, uma vez que as famílias das 97 crianças nestas creches são injustamente beneficiadas face aos 720 funcionários que não têm os filhos nos infantários da CP. Assim, em vez de construir mais creches, corta-se com os “privilégios” pela raiz. (a carta enviada pela CP pode ser consultada aqui).

Talvez valha a pena recordar que a CP é uma empresa pública, tutelada por um Governo que passa a vida a anunciar medidas para promover o aumento da taxa de natalidade, entre elas a construção de infantários. Foi esse, aliás, o tema escolhido por José Sócrates na sua mais recente deslocação ao Parlamento, onde anunciou 100 milhões de euros para a construção de novas creches. No Orçamento de Estado, uma das medidas mais promovidas pelo PS foi um plano de incentivos fiscais para as empresas privadas que construam infantários para os filhos dos seus funcionários. Mas isso é a propaganda. Depois, quando as câmaras das televisões se desligam, as empresas tuteladas pelo executivo enviam cartas para os seus funcionários a dizer que vão fechar as creches onde andam os seus filhos, chamando-lhes ainda a atenção para a “desigualdade” social que esses infantários representavam.
Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 14:28
link do post | comentar | ver comentários (9) |

Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008
Perguntar não ofende

Tendo por base as escutas telefónicas do processo Portucale, o Expresso publicou ao longo das últimas 4 semanas uma investigação jornalística sobre a forma como a Lei do Jogo foi alterada para, tudo o indica, beneficiar retroactivamente a Estoril-Sol. Um mês depois da primeira notícia, o Ministério Publicou anunciou a instauração de um inquérito ao processo do Casino.

Desculpem lá a ingenuidade, mas se a investigação do Expresso só foi possível com base em material de prova que esteve sempre na posse do Ministério Público, porque é que foi preciso o caso ganhar a dimensão mediática e politica que conheceu para que este, através da acção directa do PGR, mandasse instaurar um inquérito? Só se investiga o que está na capa dos jornais e já não dá para esconder para baixo do tapete, ou é mais um inquérito para sossegar os espíritos e deixar tudo na mesma?
Etiquetas: , , ,

publicado por Pedro Sales às 10:12
link do post | comentar | ver comentários (6) |

Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008
Lógica da batata

Realizou-se na semana passada o VI Congresso Nacional do Milho, ficando acordado no encontro a produção de mais 200 mil toneladas deste cereal para garantir a quota nacional de 10% de agrocombustíveis até 2010. Segundo o presidente da associação promotora do encontro, Luís Vasconcelos e Sousa, a crescente utilização do milho e sorgo na produção de agrocombustíveis “nunca irá pôr em causa a produção destes cereais para fins alimentares”. Tudo bem, não fosse o problema que se coloca não ser a escassez de cereais mas o seu preço. O pão aumentou 30% este ano, e é provável que ainda aumente mais 15%. O leite vai pelos 15%, enquanto a maioria dos bens alimentares se fica pelos 5 a 10%.

Portugal não é um caso isolado. A pressão inflacionista nos bens alimentares é mundial e tem o dedo nada escondido da corrida ao “petróleo verde” - cujos efeitos nefastos estão longe de se ficar pela carteira. Curiosamente, enquanto o ministro da Agricultura diz estar “preocupado” com aumento dos bens alimentares, o Governo garante generosos milhões de euros em benefícios fiscais para desviar terrenos agrícolas para produzir combustíveis que vão tornar a comida ainda mais cara. Pagamos duas vezes. Nos subsídios e no supermercado. O Governo parece encontrar alguma lógica nisto. Por mim, só encontro a da batata.

publicado por Pedro Sales às 18:15
link do post | comentar | ver comentários (1) |

O melhor dos óscares é sempre a apresentação
"Normally when you see a black man or a woman president, an asteroid is about to hit the Statue of Liberty,” Jon Stewart na apresentação dos óscares 2008.
Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 18:01
link do post | comentar |

Este país não é para crianças

fotografia de Paulete Matos

Pobreza. Relatório da Comissão Europeia diz que Portugal é o segundo país da UE onde o risco de pobreza infantil é maior. A subida do desemprego, o baixo nível de vida e a elevada taxa de abandono escolar são factores que explicam o retrato negro. Uma em cada cinco crianças portuguesas está exposta ao risco de pobreza, o que faz de Portugal o País da União Europeia, a seguir à Polónia, onde as crianças são mais pobres ou correm maior risco de cair nessa situação.

O mesmo relatório permite concluir que a situação portuguesa nesta matéria não só piorou em termos absolutos face ao último balanço realizado sobre a matéria em 2005 ( referente a rendimentos apurados em 2004) como também ficou mais isolada em termos comparativos.

publicado por Pedro Sales às 13:23
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Identificação visual
Numa demonstração de certeira pontaria, das várias centenas de professores que se manifestaram no Porto, a policia pediu a identificação aos três que prestaram declarações à televisão. Para a próxima já sabem. Manifestações sem autorização ainda vá que não vá, que o governo é magnânimo e deixa passar, mas deixem-se lá é dessas manias de falar mal do Governo para as câmaras...

publicado por Pedro Sales às 13:15
link do post | comentar |

O idiota


publicado por Pedro Sales às 13:12
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Há coisas fantásticas, não há?

O famoso pacote anticorrupção foi aprovado no Parlamento na última sexta-feira. O PP absteve-se. Porque era curto, como disseram os outros partidos da oposição? Não. Porque são contra "o discurso anti-sistema que às vezes roça a demagogia" de "alguns partidos", considerando que a eficácia no combate à corrupção passa pelo reforço de meios de investigação.

Nem de propósito, no dia seguinte o Público transcrevia esta edificante conversa sobre um despacho favorável ao famoso tesoureiro do partido num negócio do auto "...Paulo Portas, ao fim da tarde do dia 14 de Março de 2005. “Olha que o Telmo assinou aquilo!”, disse Portas. “Estamos a falar do Mário [Assis Ferreira]?”, questionou Abel Pinheiro. “Não. Do Mário sim. Da tua coisa.” Abel Pinheiro retorquiu: “Ah. Do meu caso. Já o tenho aqui na mão e foi um fantástico despacho. O PP bem pode dizer o que quiser sobre a corrupção, mas a verdade é que, como disse o Rui Tavares há uns dias, os três anos que passou no governo, e o número de casos pouco claros que originaram, hão de matar o partido por inanição moral.
Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 10:36
link do post | comentar | ver comentários (5) |

Domingo, 24 de Fevereiro de 2008
Big brother is reading your blog

A CNN despediu um dos seus produtores depois da direcção da estação descobrir que o mesmo assinava um blogue com o seu nome. Na origem do despedimento não esteve em causa a sua produtividade, até porque o blogue era actualizado fora das horas de trabalho, mas as opiniões políticas defendidas pelo jornalista. Segundo lhe foi comunicado, a CNN tem pessoas ao seu serviço cuja única ocupação é vasculhar a net à procura de textos assinados por funcionários da estação. Um comportamento digno de uma polícia política, vindo de uma cadeia televisiva que tem meia dúzia de spots autopromocionais a defender a liberdade de imprensa e de expressão. Fora de portas, claro está.
 


publicado por Pedro Sales às 14:58
link do post | comentar | ver comentários (7) |

tune in, turn OFFF

OFFF Lisboa, 2008

International Festival For The Post-Digital Creation Culture

(whatever that means)

8-10 de Maio
LX Factory

Para entrar no catálogo, submeter até 2 de Março de 2008.
Etiquetas: , ,

publicado por Vasco Carvalho às 14:19
link do post | comentar | ver comentários (2) |

Sábado, 23 de Fevereiro de 2008
Agora deu-lhe para a autocrítica


José Sócrates criticou "quem não sabe honrar os compromissos que livremente assumiu, os acordos que livremente celebrou e que demonstra uma falta de sentido das responsabilidades que não hesita em faltar à palavra dada".



publicado por Pedro Sales às 21:24
link do post | comentar | ver comentários (12) |

Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2008
Autofagia

A liderança bicéfala do PSD entrou em autofagia. Ontem, um destacado dirigente do PSD chamou os jornalistas para lhes garantir que as leis eleitorais e os pactos com o PS eram coisa do passado. Anunciou mesmo, para hoje à tarde, uma conferência de imprensa de Menezes para o anunciar oficialmente. Hoje, bem cedo, Santana Lopes chamou os jornalistas para garantir que as negociações com o PS continuam e que ainda estão a trabalhar com o PS. É oficial. Está aberta a guerra entre os dois.

O PSD vai provar o quanto se enganaram todos aqueles que se queixam de que não existe oposição. Nenhum partido faz melhor oposição a si próprio de que o PSD. Os próximos meses vão ser animados. E um descanso para José Sócrates.

publicado por Pedro Sales às 12:15
link do post | comentar | ver comentários (8) |

Um "mal estar difuso"

Há 10 anos que os funcionários da função pública perdem poder de compra. O ano passado, o salário médio líquido dos trabalhadores por conta de outrem passou de 719 para 720 euros. As pensões dos mais pobres dos pobres, 1,6 milhões de portugueses que recebem menos do que o salário nacional, tiveram um “aumento” abaixo da inflação. Conhecedor destes números, Teixeira dos Santos foi ontem ao Parlamento recusar uma correcção salarial a meio do ano se, como é quase certo, a inflação ficar acima da calculada pelo Governo nas negociações dos aumentos salariais e de pensões. O que devia ser uma questão de boa fé, num país em que os governo se "enganam" sistematicamente na taxa de inflação, foi tornado pelo ministro das Finanças no risco risco de uma “espiral inflacionista penalizadora da generalidade dos portugueses”.

As declarações de Teixeira dos Santos resumem o actual momento do Governo. O discurso pode ser cada vez mais optimista, mas continua-se sem perceber para que foram os sacrifícios, e tantos anos a apertar o cinto em nome da estabilidade financeira, se, três dias depois do primeiro-ministro ir à SIC garantir que “temos as contas públicas em ordem”, se continua a defender a perda do poder de compra dos trabalhadores. A questão já nem é saber se seremos apanhados por todos os países de Leste, é quando? Depois admiram-se de estudos, como o da Sedes, alertarem para a existência de “um mal estar difuso”, que “alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional”. A sorte de Sócrates é o PSD que tem. O azar da democracia é que o aumento da abstenção e a crise de confiança na palavra dos políticos vai ser um dos legados fundamentais do governo de José Sócrates.

publicado por Pedro Sales às 10:57
link do post | comentar | ver comentários (14) |

Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008
Isto ainda vai acabar mal, não vai?

O ministro dos Negócios Estrangeiros inglês reconheceu, pela primeira vez, a escala de dois voos para Guantanamo em território britânico. David Milband “lamentou muito” que negações anteriores deste tipo de voos, feitas “de boa-fé”, tivessem agora que ser corrigidas. O próprio primeiro-ministro, Gordon Brown, já reconheceu o erro e afirmou que “é uma infelicidade que nada disso fosse conhecido e é uma infelicidade que isso tivesse acontecido sem que o soubessemos. Importa agora encontrar mecanismos que garantam que uma situação destas nunca mais se voltará a repetir”.

Todo este terramoto tem lugar enquanto o Governo português se continua a opor a toda e qualquer investigação sobre o assunto, e, ao contrário do que sucede com as inquirições judiciais que estão a ter lugar em Espanha, continua sem se conhecer um único passo da investigação que o Ministério Público anunciou há mais de um ano. Isto tem tudo para dar para o torto.

Etiquetas: ,

publicado por Pedro Sales às 16:05
link do post | comentar | ver comentários (3) |

Perfeito, perfeito era fazerem o teste aos ingleses


Imigrantes no Reino Unido que queiram adquirir a nacionalidade britânica passarão, em breve, a ser sujeitos a testes que demonstrem o contributo que poderão dar para a sociedade britânica.

Ao que parece, os testes não incluem nenhum questionário sobre a história e a cultura britânica, o que se compreende quando se sabe que
mais de 50 por cento dos jovens britânicos acreditam que Winston Churchill, Primeiro-Ministro do Reino Unido durante a II Guerra Mundial, é uma personagem de ficção e que Sherlock Homes e o Rei Artur existiram realmente.
Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 14:02
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Português técnico

A mesma imprensa e colunistas que dedicaram dezenas de horas e páginas de jornal a discutir a entrada do Governo de José Sócrates em campanha eleitoral, discute agora o tabu da sua recandidatura sem se deter 3 segundos na contradição. Será que alguém acha que o homem está em campanha para entregar o cargo a Vitalino Canas? Sejamos sérios, o tabuzinho da recandidatura tem menos densidade intelectual que um episódio dos Morangos com Açúcar. É um "não tema", e só mereceu todo este destaque porque a entrevista de José Sócrates foi a irrelevância política da semana. Sem novidades, e sem uma justificação convincente para o que fez nos últimos 3 anos, limitou-se a debitar a matéria dada nos últimos debates no Parlamento.  Convenceu os convencidos.

publicado por Pedro Sales às 08:38
link do post | comentar | ver comentários (7) |

Sangue novo (e azul) é outra coisa

Fidel Castro (81 anos) renunciou à presidência do Conselho de Estado, passando o poder para o seu irmão Raúl Castro (76 anos).
Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 07:40
link do post | comentar | ver comentários (3) |

Bem-vindos

A debandada para os lados do batráquio verde continua. Agora foi a vez do Corta-fitas.


Etiquetas:

publicado por Pedro Sales às 07:35
link do post | comentar | ver comentários (1) |

Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2008
Não há almoços grátis

Pela primeira vez no nosso país, ficou provado e foi punido o financiamento ilegal de um partido por uma empresa. Esse facto, e a severidade das multas, torna ainda mais incompressível que não tenha existido nenhuma investigação criminal ao financiamento indirecto do PSD pela Somague. Se alguém pagou, por baixo da mesa, 233 mil euros ao partido que estava no poder é porque o fez esperando alguma contrapartida para a empresa. Qual? Era isso que importava apurar e que, pelos vistos, ninguém se deu ao trabalho de tentar descobrir.

publicado por Pedro Sales às 13:12
link do post | comentar | ver comentários (4) |

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008
Meter água

Choveram 65 mm por metro quadrado em Lisboa. Pouco mais de metade do que aconteceu nas cheias de há 40 anos, mas mesmo assim o suficiente para lançar o caos na capital e arredores. Acessos bloqueados, ruas inundadas, falhas de luz e gás. Fiel aos velhos valores nacionais, o ministro do ambiente resolveu sacudir a água do capote. Diz que a culpa é das câmaras, e até tem razão, porque o tratamento de esgotos é uma brincadeira. Mas daí até dizer que o país não tem um problema de ordenamento do território, vai a distância que separa a desresponsabilização individual do disparate sem sentido. Será que Nunes Correia é a única pessoa que ainda não se apercebeu que a desproporção entre as chuvas e o seu efeito, começa precisamente no desordenamento territorial? Em Portugal constrói-se onde se quer e apetece. Em leito de cheia, alterando a linha de água e impermeabilizando todos os solos. Se dá para injectar betão é porque se pode construir. Depois logo se vê. Uma irresponsabilidade que está longe de ser exclusiva das autarquias, mais a mais quando é este mesmo Governo que se preparar para construir a plataforma logística bem no meio do leito de cheias do Tejo. O ministro acha que não há um problema de Ordenamento? Claro que não. E este mês tem 31 dias.

PS: Algo me diz que, na primeira vez em que apareceu como protagonista, Nunes Correia traçou o seu destino político. Das câmaras afectadas pelas cheias, a única que não lhe respondeu directamente foi a de Lisboa. António Costa, que é o número dois do PS,  tem outros canais para fazer sentir o seu descontentamento. Quando é que é a próxima remodelação?

publicado por Pedro Sales às 23:00
link do post | comentar | ver comentários (5) |

Bosta humana

"Sempre achei as praxes divertidas e pedi para ser praxada. Eles fizeram-me a vontade e diverti-me muito". Foi assim que uma funcionária da  Escola Superior Agrária de Santarém defendeu ontem, em tribunal, os sete alunos que estão a ser julgados por causa de uma praxe violenta realizada vai para seis anos. Tão divertido, diz a senhora, que até pediu para lhe fazerem o mesmo e esfregarem "estrume na cara"...

Ao contrário do que se costuma afirmar, o problema da praxe não são apenas os seus excessos violentos. É a arbitrariedade que a rege. A praxe não tem regras, e as que tem são fixadas e julgadas pelos praxistas. A arbitrariedade e a sujeição a um conjunto de regras que são imprevisíveis e que dependem da boa vontade dos veteranos é a verdadeira violência deste “ritual integrador”. A violência é só o resultado mais visível desta cultura de impunidade e poder. Um dos ex-alunos em julgamento, afirmou que é costume esfregar os alunos em bosta de vaca porque, desta forma, “os caloiros são confrontados com o seu futuro porque, no fim do curso, é nesse ambiente que vão trabalhar". A praxe como escola para as agruras da vida. Ora aí está uma ideia aterradora que levanta uma pergunta. De que vida é que a praxe serve de modelo?

publicado por Pedro Sales às 10:58
link do post | comentar | ver comentários (24) |

Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008
Uma estranha forma de fazer negócios

O JCD, numa caixa de comentários do Blasfémias, diz que não encontra nenhum problema na gestão do negócio com o Casino de Lisboa. “A Estoril Sol ofereceu 30 milhões de euros à cidade, partindo do princípio que o património imobiliário ficava do seu lado. Se é reversível, em vez de 30, estariam dispostos a dar, digamos, 10. Têm é que decidir. A reversibilidade custa dinheiro.”

Quando se candidatou à gestão do Casino de Lisboa, a Estoril Sol conhecia as regras de negócio e aceitou-as. A legislação então em vigor era bem clara, dizendo que, finda a concessão, a propriedade dos edifícios do Casino revertia para o Estado. Se a Estoril Sol considerava que essa regras não lhe eram favoráveis, não se candidatava à concessão. Se aceitou, devia cumpri-las. Mas não, preferiu tentar persuadir um simpático governante em longas e detalhadas conversas telefónicas, enviando ainda uma carta sugerindo alterações legislativas em proveito próprio. Uma modificação que, segundo a Estoril Sol, seria "totalmente imperceptível" e "insusceptível de ser relacionável com a clarificação da situação concreta" do Casino de Lisboa. Imperceptível não foi, mas aparentemente encontrou do outro lado do telefone quem lhe fizesse a vontade.

A linguagem e os métodos são elucidativos da promiscuidade existente entre a Estoril Sol e o PP. O JCD não vê nenhum problema nisso, porque ele e a maioria dos liberais nunca encontra nenhum problema em tudo o que a iniciativa privada faz ou deixa de fazer. É imperscrutável e infalível, porque são seus os amanhãs que cantam. Quando erra é porque vive espartilhada pelo socialismo constitucional em que vivemos. É fácil analisar tudo com a segurança de uma grelha estanque à realidade.

publicado por Pedro Sales às 12:56
link do post | comentar | ver comentários (8) |

Double standards
A declaração unilateral da independência do Kosovo, fomentada pelos EUA e Alemanha, é a perversa legitimação da limpeza étnica que se seguiu à entrada das forças da Nato, com a debandada de 200 mil não albaneses da região. O Kosovo não é um Estado, é um protectorado sem viabilidade económica criado com o único intuito de conter a influência russa no leste europeu. Com a particularidade de ser governado de mãos dadas com as máfias que controlam o tráfico de armas, droga e seres humanos. E agora, que a secessão étnica foi aceite como motivação independentista, e que a "independência" vai ser suportada pelos cofres europeus, com que motivo é que se pode recusar idêntico tratamento às minorias húngaras na Sérvia e Roménia, já para não falar nos bascos, irlandeses, corsos, ou nos...

publicado por Pedro Sales às 11:43
link do post | comentar | ver comentários (7) |

Zero TV
ZERO DE CONDUTA
Filipe Calvão

José Neves

Pedro Sales

Vasco Carvalho


zeroconduta [a] gmail.com
Indecisão 2008
Subscreva
Zero links
arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Feeds